Devo comprar Defensivos genéricos ou de marca?

Qualquer produto que você queira comprar, seja palha de aço, analgésico ou defensivo agrícola, quando compara o produto de marca conhecida com um produto genérico, sem nome muito conhecido e com baixo custo, a primeira parece ser a escolha mais segura. Mas qual é a real diferença entre os defensivos agrícolas genéricos e os de marca? Se o produto de marca é 3 vezes mais caro, será que ele é 3 vezes mais efetivo? Com a queda dos preços das commodities de hoje e o aumento dos custos dos produção, os produtores devem se perguntar: “Pagar mais caro vai agregar valor à minha operação?”

Um dos segredos mais bem guardados na indústria agroquímica é que, desde 2013, 77% de todos os defensivos agrícolas utilizados no campo perderam suas patentes. Isso significa que, para muitos dos defensivos mais populares no mercado, existem versões genéricas idênticas disponíveis e que são vendidas por uma preço mais competitivo quando comparados aos produtos de marca.

Além dos 77% de todos os defensivos agrícolas terem expirados suas patentes, cerca de 28% deles são totalmente comoditizados. Esses produtos foram patenteados há vários anos e as suas versões de marca provavelmente não existem mais. Os produtos desta categoria, incluindo a Atrazina ou o 2,4-D, devem ter um preço muito competitivo, independentemente de onde serão adquiridos.

Desse total, outros 9.75% dos produtos químicos agrícolas que estavam em fase de transição se tornaram pós-patente, o que significa que provavelmente ainda há muitos produtos de marca no mercado e poucas ou nenhuma versão genérica. O preço médio desses produtos, como o Acetochlor, tenderá a ser mais alto. Nesta fase, o fabricante original pode estar comercializado produtos atualizados (com novas misturas patenteadas) que contêm a molécula pós-patente.

40% dos defensivos agrícolas que tiveram sua quebra de patentes já são genéricos. Eles foram patenteados por alguns anos e pelo menos uma versão genérica do produto está no mercado. Esta é a categoria onde você encontrará os ativos Glifosato e Dicamba. Os agricultores têm a chance de economizar muito com defensivos genéricos, como por exemplo, passando do Glifosato de marca para um Glifosato genérico (em alguns casos, ainda mais concentrado), o que significa automaticamente adotar medidas de controle de custos sem se preocupar com a perda de eficiência. Na minha visão, um game changer para uma agricultura rentável, eficiente e sustentável.

Mesmo dentre os defensivos agrícolas que ainda possuem patentes, mais de metade serão pós-patente até 2020. Isso significa que, nos próximos 3 anos, quase 89% dos defensivos agrícolas utilizados pelos produtores provavelmente estarão disponíveis na forma genérica, o que poderá dar uma economia aos produtores de muito dinheiro.

Ao comprar defensivos agrícolas, os agricultores devem consideram muito mais do que apenas o preço. Concentração, eficácia, capacidade de aplicação e suporte técnico são preocupações que devem ser levadas em consideração ao tomar uma decisão de compra.

Vamos ajudar a responder as questões mais comuns dos agricultores sobre a compreensão e o uso de produtos genéricos.

O que é um defensivo agrícola genérico ou pós-patente?

Um defensivo agrícola genérico é fabricado e vendido por uma empresa diferente do fabricante original, mas contém o mesmo ingrediente(s) ativo(s). Os defensivos agrícolas genéricos são tipicamente “pós-patente”, o que significa que a patente original expirou. Milhares de agricultores pelo mundo usam defensivos agrícolas pós-patente em centenas de culturas.

Os defensivos agrícolas genéricos funcionam tão bem como os produtos de marca equivalentes?

Sim. Embora os defensivos agrícolas pós-patente não sejam idênticos aos seus equivalentes de marca, eles tendem a ser muito semelhantes em termos de desempenho. De fato, para receber um registro do Ministério da Agricultura, um defensivo agrícola pós-patente deve ter a mesma qualidade técnica que a versão de marca. Muitas vezes, os defensivos genéricos e de marca são fabricados pelas mesmas empresas.

Ouvi dizer que fabricantes genéricos usam surfactantes e ingredientes inertes de baixa qualidade para manter os preços baixos, isso é verdade?

Não. Os fabricantes de produtos genéricos devem seguir os mesmos padrões estabelecidos pelo Ministério da Agricultura (MAPA) e Anvisa em relação aos ingredientes e aditivos inertes, e se a fórmula for alterada pelo fabricante genérico, a alteração deve ser aprovada pelo MAPA/Anvisa. Embora as variações em ingredientes inertes possam afetar o desempenho, estudos que tenham deliberadamente controlado a qualidade dos ingredientes não encontraram variações significativas no desempenho. Os preços dos produtos genéricos são mais baixos porque são fabricados por mais empresas e não por um único fornecedor.

Os produtos genéricos são idênticos aos produtos de marca?

Não. Os produtos genéricos nem sempre são idênticos, por isso é fundamental que os agricultores leiam os rótulos dos produtos para entender as diferenças. Por exemplo, no caso dos Glifosatos o equivalente ácido é um valor importante no momento da conversão das concentrações. Compreender as taxas de conversão é a chave para efetivamente usar genéricos sem perder o desempenho.

Os produtos com patente devem conter algo especial, é por isso que eles são mais caros, certo?

Não. Existem produtos de marca no mercado que contêm apenas moléculas fora da patente. Alguns fabricantes misturam ingredientes ativos genéricos, embora em diferentes proporções. Esses ativos são vendidos como genéricos individualmente ou como uma nova combinação por um fabricante genérico. Ao combinar produtos químicos não patenteados de novas maneiras, eles podem ser registrados como um novo produto. Há pouca ciência aplicada à esta pratica, apenas o ajuste da fórmula e muito marketing.

Aqui estão os conceitos básicos:

  • Os defensivos genéricos tendem a custar menos do que seus equivalentes de marca.
  • Os defensivos agrícolas genéricos são mantidos nos mesmos padrões do MAPA assim como os defensivos de marca ou de referência.
  • Os defensivos agrícolas genéricos têm desempenho comparável quando aplicados a em concentrações iguais de ingredientes ativos (a informação de concentração pode ser encontrada no rótulo).
  • Com produtos de marca, você paga (em parte) por níveis mais altos de serviço e “suporte”.
  • A competição é boa para os produtores! Os produtos genéricos oferecem aos produtores mais opções baixando os preços dos insumos.
  • Escolher usar genéricos sobre produtos de marca está muito mais relacionado com o retorno sobre o seu investimento. Você está procurando suporte técnico, um serviço de uma fabricante de marca ou você está focado na redução dos seus custos de produção?
  • Se você estiver interessado em explorar estratégias que podem reduzir os custos de produção em até 30% e ainda manter a eficiência de suas aplicações e não deseja mais os pacotes dos fabricantes de marca, as empresas de defensivos genéricos podem ser a solução para você. A regra geral número um ao considerar produtos genéricos: Leia sempre os rótulos. Saiba qual a composição dos produtos que lhe dará a informação que você precisa para pagar por ingredientes ativos, e não pelos logos dos fabricantes de marca.

 

1.) Siekman, Darrel & Lowell, Sandell. “Comparing Generics vs Name Brand Pesticides”. University of Nebraska: Cropwatch Extension. 10/27/2008. Available here: http://cropwatch.unl.edu/archive/-/asset_publisher/VHeSpfv0Agju/content/888243

http://www.agribusinessglobal.com/agrichemicals/crop-protection-in-an-increasingly-post-patent-world/

 


Texto original publicado no Linkedin: https://www.linkedin.com/pulse/defensivos-genéricos-ou-de-marca-ed-w-siatti?
Ed Siatti é Diretor de Vendas da AEGRO, empresa brasileira que está ajudando produtores a planejar suas safras, registrar suas atividades e controlar seu orçamento.