O Blog da Logo da Aegro

Foto de sojas, principal commoditie do Brasil, recém-colhidas com lavoura de fundo

Commodities agrícolas: conheça os 4 tipos de negociação

- 27 de abril de 2022

Commodities agrícolas: veja como funcionam, os tipos de negociações possíveis, as diferentes categorias e mais!

Commodities agrícolas são mercadorias que sofrem pouca ou nenhuma interferência industrial. Soja, milho e café são apenas alguns exemplos.

Se você produz alguma dessas culturas, ficar por dentro do mercado das commodities é fundamental. Afinal, esse mercado pode influenciar muito o gerenciamento da fazenda.

Quer conhecer os diferentes tipos de negociação, como funciona este mercado e como você pode sofrer os impactos? Acompanhe o artigo! 

O que são commodities agrícolas?    

Commodities agrícolas são as mercadorias do agronegócio que sofrem o mínimo possível de interferências industriais em seus processos.

Commodity significa mercadoria. Ele vale para a maioria dos produtos comercializados no mercado internacional.

O preço de uma commodity não possui grandes diferenças de um país para o outro. Afinal, o produto segue uma padronização de tamanho, tipo, peso, dentre outras especificações.

Commodities negociadas em qualquer país vão obedecer a um preço internacional por determinada quantidade/peso.

Fatores que influenciam os preços das commodities     

As commodities sofrem impacto com as mudanças climáticas (secas, geadas, La Niña e excesso de chuvas). Perdas em diversas culturas são a consequência.

A situação fica mais preocupante por causa da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, que agravou a crise dos fertilizantes.

Esses fatores fazem com que os preços das commodities agrícolas e dos insumos necessários para produzi-las sofram grandes mudanças.  

A variação de preços é influenciada pela bolsa de valores. Nas bolsas, são registrados os preços que vão balizar as negociações atuais ou do mercado futuro.

Os preços sofrem oscilações acontecem por vários fatores. Por exemplo: safra, entressafra, distância entre compradores e vendedores, eficiência dos portos.

Outras influências nos preços das commodities são:

  • Riscos geopolíticos, como o da guerra na Ucrânia;
  • Crises sanitárias (pandemia de Covid-19);
  • Cenários macroeconômicos;
  • Nível de desenvolvimento da economia internacional, sobretudo porque eles são indicativos das demandas por matérias-primas ou produtos primários e da movimentação de câmbio.

Requisitos das commodities agrícolas    

Para ser uma commodity, a mercadoria precisa ser negociada em bolsa de valores. Ela também precisa obedecer características pré-estabelecidas do contrato negociado em bolsa.

Por exemplo, a soja precisa ter um máximo de 14% de umidade, máximo de 8% de grãos avariados, máximo de 8% de grãos esverdeados e até 30% quebrados. Caso a saca não se enquadre nessas regras, ela não pode ser negociada.

Para ser uma commodity, a mercadoria precisa ser negociada em bolsa de valores. Nelas são registrados os preços que vão balizar as negociações atuais ou do mercado futuro 

Para um produto agrícola ser considerado commodity, deve ser in-natura ou sofrer o mínimo de interferência possível da indústria.

As commodities agrícolas são produtos primários. Por exemplo, o grão de café é uma commodity, mas a bebida pronta não. Chocolate não é commodity, mas o cacau é.

Quais mercadorias são consideradas commodities    

As mercadorias consideradas como commodities podem ser:

  • Financeiras (títulos do Tesouro Direto, euro, dólar, real, além de moedas fiduciárias);
  • Ambientais (água, energia, madeira);
  • Agrícolas.

Na agricultura, existem vários produtos comercializados no mercado nacional e no internacional. 

O Brasil é destaque como maior produtor e exportador de soja, açúcar, café e suco de laranja. Também é um grande competidor de milho, algodão e carnes

Quais são os tipos de commodities?

As commodities são classificadas “de origem” e “por uso”. A classificação é feita conforme a organização do próprio mercado. 

As commodities do grupo de origem são:

  • Agrícolas: soja, milho, café, açúcar, algodão, biocombustíveis, trigo, cacau;
  • Minerais: gás natural, petróleo, minérios;
  • Industriais: inclui os petroquímicos. 

O grupo de commodities do grupo por uso são:

  • Alimentos: soja, milho, açúcar;
  • Metais: minérios, aço, alumínio;
  • Energia: petróleo, gás, gasolina, biocombustíveis;
  • Fibras: pluma de algodão, fibras sintéticas.

As commodities também podem ser agrupadas entre soft e hard. As soft commodities são os produtos agrícolas e as hard commodities os minerais.

Imagem do quadro de commodities da bolsa de valores do Brasil

Quadro de commodities da B3, a bolsa de valores do Brasil

(Fonte: B3

Subdivisões das commodities    

As commodities agrícolas possuem uma subdivisão:

  • grãos: soja, milho e trigo;
  • proteínas: carnes, leite e derivados;
  • softs: açúcar, cacau, café, suco de laranja e algodão.

Esse agrupamento pode variar de acordo com o que cada país produz. No entanto, seguem a mesma linha de comercialização e padronização.

Talvez você tenha estranhado não ter visto o feijão nessa lista de commodities agrícolas. Ele, apesar de também ser exportado, não é considerado uma commodity. 

Isso acontece por o feijão ser de difícil padronização. Há diferentes características dele, assim como do arroz, como teores de amilose e amilopectina, além do comprimento dos grãos.

Como funciona o mercado de commodities agrícolas   

As negociações das commodities agrícolas podem ser feitas no mundo todo.

No mercado internacional, um dos principais fatores que interferem nos preços das commodities é a oferta e a demanda agregada.

Normalmente, as empresas não interferem nos preços das negociações. 

Porém, as indústrias nacionais estão com prêmios mais altos que a exportação nos últimos tempos. Isso acaba influenciando, mesmo que indiretamente, o mercado físico e os preços.

Os países também possuem poder limitado de influenciar nos preços das commodities. 

Uma vantagem das bolsas de valores é que algumas delas atuam também com a estocagem de commodities para venda futura. Por exemplo, as bolsas de Nova Iorque, Chicago e Londres.

Isso favorece as commodities agrícolas porque a oferta ocorre durante certa época do ano, mas a demanda ocorre o ano todo

A instabilidade dos preços é uma grande característica das commodities agrícolas.

Isso porque as culturas sofrem grande influência das instabilidades climáticas. Elas interferem nas épocas de plantio e colheita, bem como no volume da produção.

Tipos de negociações das commodities agrícolas 

Existem quatro tipos de mercados de negociação das commodities agrícolas:

1. Mercado físico

Se caracteriza pela troca de mercadorias em dinheiro (à vista). 

A venda é feita para um comprador que atua no mercado físico, também conhecido como spot ou disponível.

2. Mercado a termo

Nesta negociação, ocorre um acordo de pagamento a prazo entre vendedor e comprador. Todos os detalhes da negociação são definidos previamente, sem haver variações de preço após finalizado o acordo.

Com isso, neutraliza-se a instabilidade dos preços. Isso pode causar prejuízos ou lucros para as partes, a depender do cenário futuro do produto negociado.

3. Mercado futuro

Segue o mesmo tipo de negociação do mercado a termo. A diferença é de que os contratos futuros derivam de produtos agrícolas, e não ocorre a entrega física quando o contrato é encerrado. 

É também conhecido como mercado de derivativos.

A liquidação é financeira, com diferença de preços baseada nas oscilações da bolsa de valores. Com isso, ocorre uma maior proteção das safras agrícolas de eventuais prejuízos.

4. Mercado de opções

É também um mercado de derivativos. Porém, ele dá a opção para o negociador vender ou comprar um produto agrícola com prazos e preços pré-definidos.

Cenário das commodities do Brasil

Nos últimos meses, o setor agrícola mundial tem sentido de maneira mais firme os impactos das mudanças climáticas nas negociações.  Com a guerra na Ucrânia, houve uma oscilação ainda maior dos preços das commodities.

Veja detalhes das oscilações de algumas delas abaixo, segundo análise do Itaú BBA Agro:

Soja

A soja é um dos principais grãos produzidos no Brasil.

O preço da soja tem sido muito influenciado pela instabilidade geopolítica no leste europeu. Outras grandes influências são as perdas da safra no Brasil e Argentina, devido à seca e excesso de chuvas. 

Entre fevereiro e março de 2022, o preço subiu 10,6% (está em US$ 16,9/bu). A colheita de deve ficar em 121,17 milhões de toneladas (-4,2%);

Milho

Em dois meses, o preço do milho valorizou 20,4% (cotado a US$ 7,64/bu), atingindo os maiores preços desde 2012.  O cenário de guerra na Ucrânia e seca no Brasil fizeram o preço disparar. 

A primeira safra deve ficar em 25 milhões de toneladas (-1,1%) e a segunda em 89,4 milhões de toneladas. Isso resultaria em safra recorde de 116,1 milhões de toneladas.

Algodão

A expectativa real de redução do consumo pela indústria, por conta do cenário global, fez preço cair 2,3%, indo a cUS$ 108,2/lp.

As cotações da pluma no Brasil devem seguir o mercado internacional, com preocupações com poder de compra por parte da indústria local;

Arroz

O preço do arroz aumentou 13,8% em dois meses, cotado a R$ 75,18/sc. Isso aconteceu devido à alta demanda provocada pelo andamento da colheita no Rio Grande do Sul. 

Na bolsa de Chicago, chegou a US$ 15/cwt, por conta da redução de área plantada nos EUA, secas e excesso de chuvas.          

planilha controle de custos por safra

Conclusão

O mercado de commodities agrícolas é essencial para um controle maior sobre as negociações globais dos alimentos. As regras são claras e valem para todos.

Para quem produz, são várias as opções de negociação.

É importante estar sempre em constante atualização dos seus conhecimentos sobre o tema. O mercado varia bastante, e ficar sempre de olho é fundamental.

>> Leia mais: “O que é hedge e por que você deveria ter essa opção

Você costuma se informar sobre as commodities agrícolas? Quais são suas fontes de informação? Deixe seu comentário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.