Oídio: Principais características da doença e todas as formas de controle para evitar prejuízos na sua lavoura

São vários os cuidados que você precisa ter com a sua lavoura: preparo do solo, época de plantio, adubação, manejo de pragas

E, como você sabe, as doenças são um grande problema para sua produção. Por isso, você precisa identificar e saber manejá-las corretamente.

O oídio é uma doença que pode ocorrer em várias culturas, tendo um sintoma muito característico.

As perdas com esta doença podem chegar até 60%, como na cultura do trigo, por exemplo.

Por isso, preparamos este texto que aborda os principais sintomas do oídio nas plantas e o seu controle na sua lavoura. Confira!

Uma doença importante para doenças de plantas: Oídio

O oídio é uma doença causada por fungos, favorecida por ambientes secos e quentes (época seca), apesar de ser encontrada em clima úmido e frio.

Uma característica marcante são os sintomas de eflorescência de coloração branca ou acinzentada (bolor) e pulverulenta (aspecto de pó), que pode recobrir folhas, ramos, flores e até os frutos. 

Normalmente, esse sintoma de coloração branca é observado na face superior das folhas. Mas, em menor frequência, pode ser constatado na parte inferior também.

oídio

Oídio em abobrinha: eflorescência pulverulenta de coloração branca

(Fonte: Arquivo pessoal da autora)

Além do sintoma de eflorescência, podem ocorrer áreas amareladas ou necróticas nos locais das manchas da eflorescência. 

Em ataques severos, pode ocasionar o retorcimento das folhas, morte de ramos, deformação de frutos, queda das folhas, flores e frutos.

A colonização do fungo na planta acontece, na maior parte das espécies, pelo desenvolvimento de uma estrutura responsável pela retirada de nutrientes das células epidérmicas da planta (haustório). 

Mas o desenvolvimento das hifas ocorre na superfície da planta, por isso, observamos a eflorescência de coloração branca (desenvolvimento fora da planta).

Seu desenvolvimento é favorecido em ambiente seco e em estufas. Chuvas fortes, por exemplo, podem retirar as estruturas do fungo da superfície da planta.

O dano causado pela doença é a interferência no processo de fotossíntese, que pode, em alguns casos extremos, causar a morte da planta. 

No entanto, o que normalmente ocorre é a redução na produção das plantas.

A disseminação da doença no campo acontece principalmente pelo vento, que leva os esporos para longas distâncias. A água também pode atuar na disseminação, em distâncias menores.

O controle, normalmente, ocorre pela utilização de variedades resistentes e controle químico.

Agora que conhecemos as características gerais, veremos os sintomas e controle da doença em algumas culturas agrícolas.

Oídio na cultura da soja

O oídio na cultura da soja é causado pelo fungo Microsphaera diffusa, que pode causar perdas produtivas de 10%.

É uma doença comum nas lavouras de soja, sendo favorecido por temperaturas entre 18℃ a 24℃ e baixa umidade.

Os sintomas podem ser notados na parte aérea da planta (folhas, pecíolos, hastes e vagens), observando estruturas de coloração branca (eflorescência), que são os esporos e micélios do patógeno. E com a evolução da doença, as manchas pulverulentas brancas nas folhas tornam-se castanho-acinzentadas.

oídio em soja

Oídio na soja: Sintomas da eflorescência de coloração branca e pulverulenta, sintomas iniciais (à esquerda) e com o progresso da doença (à direita)

(Fonte: Arquivo pessoal da autora)

Em ataques severos, pode haver queda das folhas, afetando a produção.

A doença pode ocorrer durante todo o ciclo da cultura, durante as fases vegetativas e reprodutivas. A maior evolução se dá entre os estádios de R1 e R6.

oídio

(Fonte: Agro Bayer)

Medidas de manejo do oídio na cultura da soja:

  • Uso de cultivares resistentes;
  • Controle químico com fungicidas;
  • Evitar semeadura em épocas favoráveis a ocorrência da doença.

Para consultar os produtos químicos (fungicidas) que são indicados para a cultura da soja, consulte o Agrofit!

Oídio na cultura do trigo

Também conhecida como mofo ou cinza, o oídio ocorre em quase todas as regiões tritícolas do mundo e é causado pelo patógeno Blumeria graminins f. sp. tritici.

Danos de até 60% no rendimento dos grãos ocorreram na cultura do trigo com a utilização de cultivares suscetíveis.

A doença no trigo é favorecida por baixa umidade relativa do ar e temperaturas amenas (15℃ a 22℃).Os sintomas de eflorescência de coloração branca ocorrem principalmente nas folhas e nas bainhas. Se agitar asplantas doentes, você pode observar a liberação de um pó branco, que são estruturas do fungo.

Sintoma de oídio em trigo

(Fonte: Leila Maria Costamilan em Embrapa)

Com o progresso da doença, as partes da planta afetadas ficam amareladas. E, em ataques severos, podem ocorrer desfolha e acamamento da planta.

Medidas de manejo para o oídio na cultura do trigo:

  • Variedades resistentes (a medida mais indicada);
  • Tratamento químico: fungicidas sistêmicos em tratamento de sementes e na parte aérea das plantas.

Oídio na cultura do feijoeiro

O fungo que causa oídio no feijoeiro é Erysiphe polygoni.

A doença tem ampla distribuição pelo mundo, mas no Brasil, devido à sua baixa ocorrência, é considerada uma doença de importância secundária.

O oídio no feijoeiro tem maior ocorrência no estádio de florescimento e depois deste estádio, o que pode causar sérios danos à cultura se ocorrer antes da formação de vagens.

Os sintomas da doença são eflorescências pulverulentas de coloração esbranquiçadas nas folhas.

oídio em feijoeiro

Sintoma de mancha esbranquiçada e pulverulenta do oídio do feijoeiro

(Fonte: Denis Bassi)

Se ocorrer ataques severos, você pode observar folhas amareladas e retorcidas, com desfolhamento da planta.

Medidas de manejo do oídio na cultura do feijoeiro:

  • Controle químico com fungicidas;
  • Uso de cultivares resistentes;
  • Evitar semeadura em épocas favoráveis da doença.

Oídio na cultura do tomateiro

O oídio no tomateiro pode ser causado pelos fungos Oidium neolycopersici e Oidiopsis haplophylli.

A doença é bastante comum na cultura do tomateiro, aumentando sua incidência nos últimos anos devido a cultivos de tomate em estufa (ambiente protegido). E esses ambientes, como já vimos, acabam favorecendo o desenvolvimento do patógeno.

A doença é favorecida por umidade relativa baixa, menor que 60%.

Quando a doença é causada por Oidium neolycopersici, observa-se estruturas pulverulentas de coloração branca na face superior e inferior das folhas (preferencialmente na face superior), sendo chamado de oídio-adaxial.

Se a doença é causada por Oidiopsis haplophylli, não se observa facilmente a massa pulverulenta (eflorescência). 

O que se observa com facilidade são manchas amareladas nas folhas, evoluindo para necrose, que começa no centro da lesão. O oídio causado por este fungo é chamado de oídio-abaxial.

Medidas de manejo do oídio na cultura do tomateiro:

  • Controle químico

Além das culturas que comentamos acima, o oídio pode aparecer em outras espécies de plantas.

Oídio em outras culturas

O oídio pode ocorrer em várias espécies de plantas, além daquelas que comentamos. Veja algumas outras:

  • Abacateiro (Oidium perseae);
  • Aveia (Blumeria graminis f. sp. avenae);
  • Brássicas (Erysiphe polygoni);
  • Canola (Oidium balsamii);
  • Cevada (Blumeria graminis f. sp. hordei);
  • Cucurcubitáceas (Padosphaera xanthii);
  • Ervilha (Erysiphe poligoni);
  • Girassol (Erysiphe cichoracearum);
  • Videira (Erysiphe necator).

Baixe grátis a planilha para cálculo de pulverização e realize o manejo fitossanitário de maneira rápida e fácil.

Diferença entre oídio x míldio

O oídio e o míldio podem se confundir em relação aos sintomas semelhantes, por serem pulverulentos e com coloração esbranquiçada nas plantas.

Algumas diferenças dessas doenças são:

  • O míldio se desenvolve no interior das plantas (endoparasitas). Já o oídio tem seu maior desenvolvimento fora da planta (ectoparasita);
  • O míldio se encontra mais na face inferior das folhas, por terem sua esporulação através dos estômatos que se localizam geralmente na parte inferior da folha. Já os oídios podem apresentar os sintomas na parte superior e inferior das folhas;
  • O sintoma pulverulento e branco é normalmente mais generalizado nos oídios que nos míldios (sintomas mais localizados);
  • Míldio é causado por Oomiceto e oídio por fungo.

Em análise dessas doenças em microscópio, as estruturas dos patógenos são muito diferentes, sendo de fácil distinção entre elas.

Por isso, se ficar com dúvida, procure um(a) eng.(a) agrônomo(a) ou uma clínica fitopatológica.

Conclusão

Neste texto vimos os sintomas do oídio em diferentes culturas agrícolas.

Abordamos as condições climáticas favoráveis, desenvolvimento do patógeno na planta e as principais medidas de manejo.

E, por fim, falamos de algumas diferenças entre o míldio e o oídio.

Não deixe que o oídio reduza a sua produção agrícola. Realize o correto diagnóstico da doença e utilize as medidas de manejo para o oídio na sua lavoura. 

Lembre-se que sua lavoura é sua empresa e é preciso obter lucro com ela!

>> Leia mais: “Antracnose nas culturas de grãos: Como controlar de modo eficaz

>> Leia mais: “Mofo-branco: Como identificar, controlar e prevenir na sua lavoura

>> Leia mais: “Como fazer o manejo efetivo da necrose da haste da soja

Você tem problemas com oídio na sua lavoura? Quais medidas de manejo utiliza para o controle da doença? Adoraria ver seu comentário abaixo.