Você sabe qual o melhor momento para fazer análise de solo da sua lavoura? Quantas amostras são necessárias? Qual a frequência certa para repetir as análises? Neste artigo iremos responder todas essas questões. Confira!

A colheita da safrinha brasileira já está ocorrendo, e até a próxima safra existe uma janela de tempo.

O que você vai fazer nesse “intervalo”?

É neste momento que podemos definir a gestão agrícola da safra de verão. É hora de se programar!

Para começar seu planejamento agrícola, um dos primeiros passos é a análise de solo.

Saber do que seu solo é constituído, quais os minerais, macro e micronutrientes que o compõe ajuda a definir qual caminho você deve seguir.

E é claro, uma análise bem feita pode lhe proporcionar altas produtividades.

Conheça mais sobre a análise de solo: época, tipos de análises, como fazer as amostragens de solo e outros. Veja a seguir:

Mais afinal, como é definida a análise do solo?

A análise do solo é um conjunto de vários processos químicos que determinam a quantidade de nutrientes disponíveis no solo.

Pode avaliar também as propriedades químicas, físicas e biológicas do solo importantes para a nutrição das plantas.

Existem vários tipos de análise de solo, desde as mais básicas até as mais completas.

Para você determinar qual análise é melhor para sua propriedade vamos entendê-las:

>> O que é administração rural e como usar em sua propriedade

Tipos de análise de solo: qual escolher?

Chamamos de “Análise Química Completa” quando são analisados todos os macronutrientes e os micronutrientes do solo.

Ou seja, é quantificado no solo todo nutriente que a planta precisa em grande quantidade (macronutrientes) e também os que são necessários em doses pequenas (micronutrientes).

análise-de-solo

(Foto: APAGRI)

Caso você não tenha nenhuma informação sobre a sua propriedade, como em novas áreas ou mudança brusca de sistema produtivo, recomendo essa análise.

Outra indicação é quando houve algum problema nutricional a safra anterior que não ficou bem claro.

É comum ocorrer deficiências em algumas manchas da lavoura e não ter certeza qual foi o motivo ou se é realmente déficit de nutrientes.

Não existe melhor jeito de tirar essas dúvidas do que uma análise química completa de seu solo.

Se você já possuir informações sobre a área, faça a Análise Química Básica de Rotina.

Indico que você faça essa análise pelo menos uma vez ao ano, assim você saberá como está seu solo frente ao seu manejo.

Isso porque o sistema que utilizamos (plantio direto ou convencional, com ou sem rotação de culturas, adubação verde, diferentes culturas, etc) influência nos nutrientes disponíveis no solo.

Dessa forma você pode ir manejando o solo de forma mais consciente e sem desperdícios com fertilizantes.

Outro tipo de análise é a Análise Física, onde você conhece qual a porcentagem de argila silte e areia de cada parte de sua fazenda.

Isso é interessante não só no manejo de nutrientes, mas como no uso de defensivos.

Herbicidas pré-emergentes, por exemplo, são recomendados em maiores doses em áreas mais argilosas, buscando a máxima eficiência do produto.

Vamos ver mais à frente sobre as implicações dos resultados das análises químicas e físicas.

Isso também reflete no objetivo da análise de solo:

>> Administração rural: 5 definições que talvez você tenha dúvida

Principais objetivos da análise de solo

Somente a observação visual não é suficiente para determinar os possíveis problemas do solo.

Por isso a análise do solo deve ser feita, sendo que os objetivos principais da mesma são:

  1. Determinar o nível de disponibilidade de nutrientes;
  2. Fornecer a base para o cálculo da fertilização necessária de cada cultura;
  3. Prever o aumento nos rendimentos e rentabilidade da fertilização;
  4. Identificar e entender a variabilidade natural da sua fazenda.

Note que, muito mais que uma medida corretiva, a análise de solo deve prevenir futuros obstáculos na produção agrícola.

>> O que você precisa saber sobre regulagem e manutenção de implementos agrícolas

Importância da análise do solo no seu sistema de produção

Todo mundo sabe que tirar uma amostragem do solo antes de qualquer plantio é uma técnica muito simples e que pode te livrar de inúmeros problemas.

análise-de-solo

(Fonte: APAGRI)

Porém, o fato de ser tão simples acaba que é deixada de lado e muita das vezes não sabemos do enorme banco de informações que a análise de solo pode oferecer.

“Não preciso fazer agora, ano passado eu fiz amostragem e coloquei os adubos certinhos na lavoura, não muda nada de um ano para o outro…”

Eu garanto que isso já passou na sua cabeça pelo menos uma vez.

A realização da análise de solo periodicamente é necessária para observarmos as mudanças ocorridas no nosso sistema de produção.

Dessa forma, a análise de solo deve ser uma parte de seu planejamento na instalação da sua lavoura.

Identificando a variabilidade do solo também é possível fazer práticas específicas para cada parte da propriedade, otimizando o manejo.

Além disso, você pode ver abaixo como as análises podem ajudar no seu planejamento de safra.

>> Novidades de máquinas e implementos agrícolas que ainda não vemos por aí

Importância da análise química no seu planejamento agrícola

A análise de solo deve ser utilizada, juntamente com outras informações, como um guia para as recomendações de uso de correções do solo e fertilizantes (minerais e orgânicos).

A verdade é que a análise de solo é fundamental para diagnosticar as condições de fertilidade e obter orientações corretas sobre os tipos de nutrientes e a quantidade exata que o solo da fazenda precisa.

Assim nós conseguimos adequar as condições do solo às condições necessárias da lavoura.

Fazendo somente as correções necessárias, pode minimizar seus custos, evitando despesas desnecessárias com fertilizantes.

A diferença na análise química em cada porção de sua propriedade também ajuda no manejo variável da adubação.

Você pode utilizar a agricultura de precisão para realizar esse tipo de adubação e otimizar mais ainda seu manejo.

Saber tudo isso de antemão te possibilita:

Importância da análise física no seu planejamento agrícola

Na análise física você conhece a textura do seu solo, ou seja, se tem mais ou menos argila, silte e areia.

Identificando as diferenças em cada pedaço de sua propriedade você consegue perceber os melhores manejos para cada talhão.

Isso porque a textura do solo impacta diretamente nas propriedades do mesmo como mostra a tabela abaixo:

relação textura propriedades do solo

(Fonte: adaptado de Reinert e Reichert, 2006)

Agora que você já sabe a importância da análise de solo, vamos para a melhor época de realizá-la:

>> Como usar software para agricultura para melhorar seu custo de produção

Quando o produtor deve fazer a análise de solo?

A análise de solo pode ser feita em qualquer época do ano.

Mas no meio da safra com certeza não é o período mais interessante para fazê-la, até porque temos outras prioridades à frente naquele momento.

Nas janelas de tempo, entre uma safra e outra, um momento propício para a análise de solo.

Assim, há tempo de preparar o solo e fazer o planejamento agrícola com calma, como já vimos.

Nesse sentido, é recomendada a análise 3 meses antes de iniciar o plantio da safra, de modo que o produtor tenha tempo suficiente para recuperar o solo se for preciso.

De qualquer forma, existem alguns cuidados a serem tomados na coleta e análise do solo.

Como fazer a análise de solo?

Há algumas etapas no processo de análise de solo, por isso fiz um passo a passo bem prático que explica essas etapas:

Passo 1 – Divida sua área em pequenas porções

O primeiro passo é dividir a propriedade em glebas, porções ou subtalhões que sejam uniformes.

Para um bom aproveitamento da análise, colete amostras em áreas de no máximo 10 hectares que apresentem condições de solo homogêneas.

É preciso que a área seja de solo seca, nunca encharcada, e não esteja próxima de residências, galpões, depósito de adubos e defensivos.

Não retirar amostras de locais próximos a residências, galpões, estradas, formigueiros, depósitos de adubos, etc.

Você deve ter em mente que vai realizar análise de uma área produtiva, então a área em questão deve considerar os diferentes cultivos e manchas de solo.

analise-de-solo-pontos-amostragem

Plano de amostragem de uma propriedade, com diferentes declividades e usos de solo
(Foto: Álvaro Vilela de Resende)

Fazendo dessa forma, você irá retirar uma amostra de solo que realmente representa a aquela porção da área.

Passo 2 – Realize a coleta de solo (amostragem)

Existem várias formas de realizar a coleta do solo.

A mais convencional delas é a manual, onde devemos percorrer a área em zig-zag e retirando as amostras.

Nesse caso, é comum usar o trado como ferramenta de coleta, amostrando de 15 a 20 pontos diferentes.

análise-de-solo-trados

Diferentes tipos de trado utilizados para a retiragem manual de amostras
(Foto: Álvaro Vilela de Resende)

amostragem-zig-zag-analise-de-solo

Retirada de amostra de um terreno de baixada (amostra 1) e de meia encosta (amostra 2). As áreas dentro dos círculos não devem ser amostradas
(Foto: Álvaro Vilela de Resende)

As amostras desses pontos (amostras simples) serão colocadas juntas em um balde limpo, retirando-se uma amostra final (amostra composto), em torno de 500g.

No entanto, existem hoje outras formas mais automatizadas e eficientes de amostragem.

Passo 3 – Envie as amostras para um laboratório de confiança

Conheça como e onde encontrar laboratórios de confiança no artigo:

“Tudo que você precisa saber para acertar na escolha do laboratório de análise de solo”

Passo 4 – Interpretação das análises

O engenheiro agrônomo e/ou consultor responsável pela propriedade deve interpretar os resultados na análise e recomendar a correção e adubação adequada.

Essa interpretação também é baseada na cultura da próxima safra, no tipo de manejo que você deseja fazer e no capital investido.

Nesse sentido, temos alguns artigos que podem te ajudar nesse momento:

>> Cuidados que você deve ter para evitar deficiência de potássio na Soja

>> Como fazer manejo de fósforo para aumentar a produção de cana

Vantagens da análise de solos

  1. São análises rápidas e, em geral, de baixo custo;
  2. Permitem a realização de um planejamento mais assertivo de feito antecipadamente;
  3. Possibilitam a aplicação apenas do fertilizante ou corretivo necessários, sem desperdícios;
  4. Se feito com agricultura de precisão, ou mesmo baseado em talhões, permite o manejo diferenciado em cada área, otimizando ainda mais as operações.
banner da planilha de calagem com uma tela de computador e texto explicativo

Conclusão

A disponibilidade dos nutrientes no solo, obtida com base na análise de sua fertilidade, permitirá tomar decisões assertivas e mais econômicas sobre adubação e correção do solo

Ao realizar e enviar uma coleta confiável de solo para análise, o você só tem a ganhar: terá um diagnóstico para aplicação racional de fertilizantes e adubos.

Isso ainda permite um planejamento agrícola melhor programado, fazendo com que você esteja no controle de sua produção agrícola.

Leia mais:

>> La Niña: 6 cuidados para não perder sua produção

>> Melhorando a produtividade da lavoura de arroz

>> Tudo o que você precisa saber sobre Manejo Integrado de Pragas [Infográfico]

>> 5 pragas agrícolas resistentes a defensivos agrícolas e como combatê-las

Gostou do artigo? Tem mais dicas sobre análise de solo? Restou alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo!