Fique atento e veja agora as principais diferenças entre calagem e gessagem. Confira!!

De cada 3 hectares de terra no Brasil, 2 apresentam elevada acidez, o que a correção do solo pode eliminar.

E um solo ácido influencia diretamente na perda de produtividade.

Esses solos são caracterizados por baixas concentrações de cálcio e magnésio, muito importantes para desenvolvimento do sistema radicular.

E ninguém quer perder produtividade por erros cometidos antes mesmo de realizar o plantio, não é mesmo?

Portanto, a correção da acidez da sua propriedade, não pode ser ignorada e a calagem é a medida mais aconselhável para mudar este cenário.

Outra prática muito importante que é sempre citada quando se fala em calagem, é a gessagem.

Embora sejam técnicas agrícolas consideradas simples, sempre surgem dúvidas!

Você sabe quando fazer a calagem ou quando realizar a gessagem? Ou como calcular e como elas auxiliam na nutrição das plantas?

Agora é a hora de você entender tudo isso sobre a calagem e gessagem, confira:

Calagem e gessagem na acidez do solo, CTC e disponibilidade de nutrientes

Antes de explicar para que servem a calagem e a gessagem, alguns termos importantes que envolvem essas duas técnicas devem ser mencionados:

Acidez do solo

Vemos a acidez do solo no valor de pH dele, sendo que solos mais ácidos têm pH mais baixos.

Existem diferentes tipos de acidez, mas vamos dar maior importância para duas delas:.

  • Acidez ativa: é a quantidade de H+ na solução do solo, estimada somente pelo pH;
  • Acidez potencial: é somatória do alumínio (Al3+) e hidrogênio (H+) presentes no solo.

O aumento do pH em solos ácidos, é crucial para atingir maiores produtividades.

No entanto, não se engane achando que pH muito alto significa maior produtividade.

Falando nisso, você pode conferir neste artigo os 7 segredos da alta produção agrícola que ninguém te conta.

Existe uma faixa ideal de valor de pH que irá influenciar na disponibilidade dos nutrientes na solução do solo.

A figura abaixo ilustra como é a disponibilidade dos nutrientes de acordo com a faixa do pH.

ph-do-solo

(Fonte: InCeres)

A faixa ideal de pH, deve variar entre 6,0 e 6,5, já que é a mais adequada para a maioria das culturas, resultando em melhor disponibilidade de nutrientes.

Outro termo importante que devo explicar para você é sobre a CTC:

>> 9 perguntas e respostas que você deve saber para obter alta produtividade de milho

>> Melhorando a produtividade da lavoura de arroz

CTC do solo

CTC é a capacidade de troca de cátions do solo.

Um solo é composto por partículas de argila e de matéria orgânica, são os chamados colóides.

A CTC de um solo representa a quantidade total de cátions retidos à superfície desses materiais em condição de troca com a solução do solo (Ca²+ + Mg²+ + K+ + H+ + Al³+).

Isso representa a capacidade gradual de liberação de vários nutrientes.

Como você pode notar, nos colóides estão ligados os principais nutrientes para a sua lavoura absorver, como cálcio, magnésio, potássio, etc.

Mas quando o solo é ácido e com alto teor de alumínio, o hidrogênio e alumínio tomam o lugar desses nutrientes, prejudicando a produtividade.

Por isso, quanto maior a CTC do solo, melhor será sua fertilidade, pois os colóides poderão se ligar a mais nutrientes essenciais para as plantas.

Importante ressaltar que CTC  baixa e variável são características de solos tropicais.

Sendo assim, para melhorar a fertilidade de um solo, deve-se também melhorar a capacidade de troca de cátions.

Ainda nesse sentido, o alumínio é um elemento muito tóxico para as plantas e causa sérios problemas para o desenvolvimento do sistema radicular, prejudicando na absorção de água e nutrientes.

E é a saturação de alumínio (m%) na análise de solo que verificamos para determinar a toxidez desse elemento no nosso solo.

Quando a porcentagem de saturação por alumínio (m%) passa de 20% é considerada prejudicial.

Agora que você entendeu os termos, vamos ver como a calagem e gessagem podem influenciar no solo para torná-lo mais fértil para o cultivo:

>> Como saber seu custo de produção agrícola

>> Entenda os custos de produção agrícola e esteja no comando de sua fazenda

Calagem e gessagem: para que servem

Função da calagem

A calagem corrige a acidez do solo pelo aumento do pH.

Assim, a calagem neutraliza a acidez ativa e potencial (aquelas duas que falamos no começo do texto).

Isso faz com que se aumente a disponibilidade de nutrientes na solução do solo, especialmente cálcio e magnésio.

calagem e gessagem

(Fonte: Grain SA traduzido por AEGRO)

A calagem requer uniformidade na aplicação, pois possui reação lenta com o solo, realizando-se antes das adubações (por volta de 3 meses antes).

Essa prática atua nos primeiros 20 centímetros de profundidade, podendo ser incorporado, já que apresenta solubilidade extremamente baixa, dificultando sua ação em maiores profundidades.

Função da gessagem

A gessagem é a prática de aplicação do gesso agrícola (CaSO4).

Esse gesso é um subproduto da indústria de fertilizantes fosfatados concentrado e contém cerca de 20% de cálcio, 15% de enxofre, 0,7% de P2O5 e 0,6% de flúor.

Ele não é corretivo de solo, ou seja, ele não aumenta o pH.

Mas o gesso apresenta mobilidade no perfil, atuando em camadas de subsuperfície, além dos 20 centímetros.

Dessa maneira, ele pode levar a profundidades maiores alguns nutrientes fornecidos pela calagem, cátions básicos, como o cálcio, fornecido pela calagem, e enxofre.

Ou seja, a gessagem potencializa os efeitos da calagem, além de também apresentar seus próprios benefícios.

Diversos autores caracterizam o gesso agrícola como um condicionador de solo, já que, devido a sua alta solubilidade, consegue penetrar facilmente no perfil e fornecer cálcio às camadas mais profundas.

Principais diferenças entre calagem e gessagem

GESSAGEM e calagem

Lembrando que a CTC do solo é aumentada pela calagem especialmente pelo fato de que os solos brasileiros possuem cargas negativas variáveis (solos com argila 1:1), ou seja, que dependem do pH do solo.

Assim, com o aumento de pH há também o aumento de cargas negativas de solos com CTC variável, como ressaltam Embrapa e International Plant Nutrition Institute (IPNI).

Além de que, a CTC efetiva (Soma de Bases + Al) é aumentada pelo fornecimento de cálcio e magnésio.

Agora veremos os benefícios da calagem e gessagem:

>> Como fazer administração rural com essas 3 ferramentas mesmo não sabendo nada de tecnologia

>> Administração rural: 5 definições que talvez você tinha dúvida

Benefícios da calagem e gessagem

Além de elevar o pH do solo, a calagem promove várias alterações químicas no solo que trazem alguns benefícios:

  • Correção da toxidez do alumínio tóxico;
  • Aumenta a capacidade de troca de cátions (CTC);
  • Diminui a lixiviação de diversos nutrientes (lavagem de nutrientes para camadas onde as raízes não chegam);
  • Aumenta a disponibilidade de nitrogênio, cálcio, fósforo, enxofre (os macronutrientes), molibdênio (micronutriente), assim como foi ilustrado na figura 1;
  • Fornecimento de cálcio e magnésio;
  • Aumento da atividade microbiana

Se o calcário é dolomítico, pode aumentar a disponibilidade de magnésio para as plantas.

Outro benefício importante é que a calagem tem efeito residual de 5 anos, dependendo da dose aplicada, podendo chegar a até 20 anos.

Com relação à gessagem, os benefícios são:

  • Fornecer cálcio em profundidade;
  • Redução da toxidez de alumínio em subsuperfície;
  • Aprofunda o crescimento radicular além de melhorar sua distribuição;
  • Melhora a absorção de nutrientes e água;
  • Proporciona maior tolerância a veranicos (período de estiagem);

A figura abaixo ilustra a comparação de dois sistemas radiculares. Na foto A não é aplicado gesso, já na foto B foi aplicado gesso no solo antes do cultivo.

calagem-gessagem

(Fonte: Rehagro)

Nas figuras abaixo você pode ver a distribuição de raízes e captação da água no perfil do solo com ou sem aplicação de gesso:

calagem-e-gessagem
calagem-e-gessagem

Aproveitamento da água após um veranico, para tratamentos sem e com aplicação de gesso

(Fonte: Embrapa Cerrado)

O gesso também pode ser utilizado como fertilizante, fornecendo cálcio e enxofre.

O efeito residual da gessagem também é proporcional à dosagem aplicada, mas dura poucos meses, por causa de sua principal característica: a alta solubilidade.

Saiba mais sobre a compra de corretivos em “Esteja preparado e não se engane na pré-safra: saiba quais corretivos utilizar”.

Mas como são feitas as aplicações de gesso e calcário?

Como são feitas calagem e gessagem do solo

Para as duas práticas, o primeiro passo é sempre realizar a análise de solo, coletando as amostras adequadamente e enviá-las para laboratórios credenciados.

Saiba mais sobre amostras de solo e laboratórios credenciados neste artigo sobre gestão agrícola.

Ao calcular a dose de calcário a ser aplicado, deve-se considerar os dados da camada 0-20 cm de uma análise de solo.

Já para aplicação de gesso, considera-se os dados da camada 20-40 cm.

A aplicação do gesso deve ser feita em área total, sempre antes do cultivo.

As recomendações antigas indicam que a gessagem deve ser feita de um a três meses depois da calagem.

No entanto, estudos atuais realizados pela Embrapa Agropecuária Oeste revelaram que há possibilidade de aplicação de gesso a lanço, associado com a calagem,  sem prejudicar a correção da acidez.

Outro estudo da Embrapa, mostra que a utilização de gesso em mistura com o calcário causam os seguintes benefícios:

  • Produto de melhores propriedades físicas;
  • Distribuição mais homogênea;
  • Maior facilidade na aplicação;
  • A mistura (calcário + gesso) é mais econômica do que a aplicação individual;

Para a aplicação de calcário e/ou gesso, utilizam-se equipamentos com dosador volumétrico tipo esteira, com distribuidor centrífugo de dois discos, como este na figura abaixo:

distribuidor-calagem-e-gessagem

Aplicação mecanizada de corretivo: distribuidor de corretivos de arrasto

(Fonte: Unesp – FCA Jaboticabal)

Veja também : “O que é administração rural e como usar em sua propriedade”.

Agora que você sabe tanto sobre calagem e gessagem, vamos ver o cálculo de gessagem:

Cálculo de gessagem

A recomendação de gesso, como já comentei,  é feita com base a análise de solo, feita por amostragem de subsuperfície (20-40 cm e 30-60 cm).

A dose deve ser calculada considerando dois fatores:

  1. Se o teor de Ca < 0,5 cmolc/dm3;
  2. Se a saturação por alumínio >20%;

A partir disso, para calcular a Necessidade de Gesso (NG) (kg/ha) leve em consideração a textura do solo (teor de argila):

1. Para culturas anuais:

NG (kg/ha) = 5 x teor de argila (g/Kg) ou

NG(kg/ha) = 50 x % argila         

2. Para culturas perenes:

NG (kg/ha) = 7,5 x teor de argila (g/Kg) ou

NG(kg/ha) = 75 x % de argila    

Você também pode consultar a tabela de recomendação de gessagem feita pela Embrapa ao invés de utilizar as fórmulas:

dose-gesso

Recomendação de gesso agrícola em função da classificação textural do solo para culturas anuais e perenes

(Fonte: Embrapa)

Além disso, caso você tenha dúvidas sobre como calcular a calagem ou qual calcário deve escolher, pode relembrar, neste artigo:

>> Tudo o que você precisa saber sobre cálculo de calagem (+calcário líquido)

Conclusão

Agora que você compreendeu as diferenças entre a calagem e a gessagem, vai ficar mais fácil de tomar a decisão se deve ou não realizar estas práticas, quando e como.

Não deixe de fazer a análise de solo de superfície e subsuperfície para saber se a sua área precisa correção.

Essas técnicas são muito importantes para aumentar a produtividade, tem ótimo custo benefício e devem ser feitas com o máximo de atenção!

>>Leia mais: “Como o PRNT do calcário pode mudar toda a sua correção de solo

Como você faz a calagem e gessagem na sua propriedade? Tem alguma dica sobre essas práticas? Ou calcula de forma diferente a dose de gesso ou calcário? Adoraria ver seu comentário abaixo!