Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

Calagem e gessagem: como são feitas, principais diferenças e todos os cálculos para sua lavoura!

De cada 3 hectares de terra no Brasil, 2 apresentam elevada acidez, o que a correção do solo pode eliminar.

E um solo ácido influencia diretamente na perda de produtividade.

E ninguém quer perder produtividade por erros cometidos antes mesmo de realizar o plantio, não é mesmo?

Portanto, a correção da acidez não pode ser ignorada e a calagem é a medida mais aconselhável para mudar este cenário.

Outra prática muito importante é a gessagem.

Embora sejam técnicas agrícolas consideradas simples, sempre surgem dúvidas!

Você sabe quando fazer a calagem ou quando realizar a gessagem? Ou como calcular e como elas auxiliam na nutrição das plantas?

Agora é a hora de você entender tudo isso. Confira!

Calagem e gessagem na acidez do solo, CTC e disponibilidade de nutrientes

Antes de explicar para que servem a calagem e a gessagem, alguns termos importantes que envolvem essas duas técnicas devem ser mencionados:

Acidez do solo

Vemos a acidez do solo no valor de pH dele, sendo que solos mais ácidos têm pH mais baixos.

Existem diferentes tipos de acidez, mas vamos dar maior importância para duas delas:.

  • Acidez ativa: é a quantidade de H+ na solução do solo, estimada somente pelo pH;
  • Acidez potencial: é somatória do alumínio (Al3+) e hidrogênio (H+) presentes no solo.

O aumento do pH em solos ácidos, é crucial para atingir maiores produtividades.

No entanto, não se engane achando que pH muito alto significa maior produtividade.

Existe uma faixa ideal de valor de pH que irá influenciar na disponibilidade dos nutrientes na solução do solo.

A figura abaixo ilustra como é a disponibilidade dos nutrientes de acordo com a faixa do pH.

ph-do-solo

(Fonte: InCeres)

A faixa ideal de pH, deve variar entre 6,0 e 6,5, já que é a mais adequada para a maioria das culturas, resultando em melhor disponibilidade de nutrientes.

Outro termo importante que devo explicar para você é sobre a CTC:

CTC do solo

CTC é a capacidade de troca de cátions do solo.

Um solo é composto por partículas de argila e de matéria orgânica, são os chamados colóides.

A CTC de um solo representa a quantidade total de cátions retidos à superfície desses materiais em condição de troca com a solução do solo (Ca²+ + Mg²+ + K+ + H+ + Al³+).

Isso representa a capacidade gradual de liberação de vários nutrientes.

Como você pode notar, nos colóides estão ligados os principais nutrientes para a sua lavoura absorver, como cálcio, magnésio, potássio, etc.

Mas quando o solo é ácido e com alto teor de alumínio, o hidrogênio e alumínio tomam o lugar desses nutrientes, prejudicando a produtividade.

Por isso, quanto maior a CTC do solo, melhor será sua fertilidade, pois os colóides poderão se ligar a mais nutrientes essenciais para as plantas.

Importante ressaltar que CTC baixa e variável são características de solos tropicais.

Sendo assim, para melhorar a fertilidade de um solo, deve-se também melhorar a capacidade de troca de cátions.

Ainda nesse sentido, o alumínio é um elemento muito tóxico para as plantas e causa sérios problemas para o desenvolvimento do sistema radicular, prejudicando na absorção de água e nutrientes.

E é a saturação de alumínio (m%) na análise de solo que verificamos para determinar a toxidez desse elemento no nosso solo.

Quando a porcentagem de saturação por alumínio (m%) passa de 20% é considerada prejudicial.

Agora que você entendeu os termos, vamos ver como a calagem e gessagem podem influenciar no solo para torná-lo mais fértil para o cultivo:

Calagem e gessagem: para que servem

Função da calagem

A calagem corrige a acidez do solo pelo aumento do pH.

Assim, a calagem neutraliza a acidez ativa e potencial (aquelas duas que falamos no começo do texto).

Isso faz com que se aumente a disponibilidade de nutrientes na solução do solo, especialmente cálcio e magnésio.

calagem e gessagem

(Fonte: Grain SA traduzido por Aegro)

A calagem requer uniformidade na aplicação, pois possui reação lenta com o solo, realizando-se antes das adubações (por volta de 3 meses antes).

Essa prática atua nos primeiros 20 centímetros de profundidade, podendo ser incorporado, já que apresenta solubilidade extremamente baixa, dificultando sua ação em maiores profundidades.

cálculo de calagem Aegro

Função da gessagem

A gessagem é a prática de aplicação do gesso agrícola (CaSO4).

Esse gesso é um subproduto da indústria de fertilizantes fosfatados concentrado e contém cerca de 20% de cálcio, 15% de enxofre, 0,7% de P2O5 e 0,6% de flúor.

Ele não é corretivo de solo, ou seja, ele não aumenta o pH.

Mas o gesso apresenta mobilidade no perfil, atuando em camadas de subsuperfície, além dos 20 centímetros.

Dessa maneira, ele pode levar a profundidades maiores alguns nutrientes fornecidos pela calagem, cátions básicos, como o cálcio, fornecido pela calagem, e enxofre.

Ou seja, a gessagem potencializa os efeitos da calagem, além de também apresentar seus próprios benefícios.

Diversos autores caracterizam o gesso agrícola como um condicionador de solo, já que, devido a sua alta solubilidade, consegue penetrar facilmente no perfil e fornecer cálcio às camadas mais profundas.

Principais diferenças entre calagem e gessagem

GESSAGEM e calagem

Lembrando que a CTC do solo é aumentada pela calagem especialmente pelo fato de que os solos brasileiros possuem cargas negativas variáveis (solos com argila 1:1), ou seja, que dependem do pH do solo.

Assim, com o aumento de pH há também o aumento de cargas negativas de solos com CTC variável, como ressaltam Embrapa e International Plant Nutrition Institute (IPNI).

Além de que, a CTC efetiva (Soma de Bases + Al) é aumentada pelo fornecimento de cálcio e magnésio.

Agora veremos os benefícios da calagem e gessagem:

Benefícios da calagem e gessagem

Além de elevar o pH do solo, a calagem promove várias alterações químicas no solo que trazem alguns benefícios:

  • Correção da toxidez do alumínio tóxico;
  • Aumenta a capacidade de troca de cátions (CTC);
  • Diminui a lixiviação de diversos nutrientes (lavagem de nutrientes para camadas onde as raízes não chegam);
  • Aumenta a disponibilidade de nitrogênio, cálcio, fósforo, enxofre (os macronutrientes), molibdênio (micronutriente), assim como foi ilustrado na figura 1;
  • Fornecimento de cálcio e magnésio;
  • Aumento da atividade microbiana

Se o calcário é dolomítico, pode aumentar a disponibilidade de magnésio para as plantas.

Outro benefício importante é que a calagem tem efeito residual de 5 anos, dependendo da dose aplicada, podendo chegar a até 20 anos.

Com relação à gessagem, os benefícios são:

  • Fornecer cálcio em profundidade;
  • Redução da toxidez de alumínio em subsuperfície;
  • Aprofunda o crescimento radicular além de melhorar sua distribuição;
  • Melhora a absorção de nutrientes e água;
  • Proporciona maior tolerância a veranicos (período de estiagem);

A figura abaixo ilustra a comparação de dois sistemas radiculares. Na foto A não é aplicado gesso, já na foto B foi aplicado gesso no solo antes do cultivo.

calagem-gessagem

(Fonte: Embrapa)

Nas figuras abaixo você pode ver a distribuição de raízes e captação da água no perfil do solo com ou sem aplicação de gesso:

calagem-e-gessagem
calagem-e-gessagem

Aproveitamento da água após um veranico, para tratamentos sem e com aplicação de gesso

(Fonte: Embrapa Cerrado)

O gesso também pode ser utilizado como fertilizante, fornecendo cálcio e enxofre.

O efeito residual da gessagem também é proporcional à dosagem aplicada, mas dura poucos meses, por causa de sua principal característica: a alta solubilidade.

Mas como são feitas as aplicações de gesso e calcário?

Como são feitas calagem e gessagem do solo

Para as duas práticas, o primeiro passo é sempre realizar a análise de solo, coletando as amostras adequadamente e enviá-las para laboratórios credenciados.

Saiba mais sobre amostras de solo e laboratórios credenciados neste artigo sobre gestão agrícola.

Ao calcular a dose de calcário a ser aplicado, deve-se considerar os dados da camada 0-20 cm de uma análise de solo.

Já para aplicação de gesso, considera-se os dados da camada 20-40 cm.

A aplicação do gesso deve ser feita em área total, sempre antes do cultivo.

As recomendações antigas indicam que a gessagem deve ser feita de um a três meses depois da calagem.

No entanto, estudos atuais realizados pela Embrapa Agropecuária Oeste revelaram que há possibilidade de aplicação de gesso a lanço, associado com a calagem, sem prejudicar a correção da acidez.

Outro estudo da Embrapa, mostra que a utilização de gesso em mistura com o calcário causam os seguintes benefícios:

  • Produto de melhores propriedades físicas;
  • Distribuição mais homogênea;
  • Maior facilidade na aplicação;
  • A mistura (calcário + gesso) é mais econômica do que a aplicação individual;

Para a aplicação de calcário e/ou gesso, utilizam-se equipamentos com dosador volumétrico tipo esteira, com distribuidor centrífugo de dois discos, como este na figura abaixo:

distribuidor-calagem-e-gessagem

Aplicação mecanizada de corretivo: distribuidor de corretivos de arrasto

(Fonte: Unesp – FCA Jaboticabal)

Veja também : “O que é administração rural e como usar em sua propriedade”.

Agora que você sabe tanto sobre calagem e gessagem, vamos ver o cálculo de gessagem:

Cálculo de gessagem

A recomendação de gesso, como já comentei,  é feita com base a análise de solo, feita por amostragem de subsuperfície (20-40 cm e 30-60 cm).

A dose deve ser calculada considerando dois fatores:

  1. Se o teor de Ca < 0,5 cmolc/dm3;
  2. Se a saturação por alumínio >20%;

A partir disso, para calcular a Necessidade de Gesso (NG) (kg/ha) leve em consideração a textura do solo (teor de argila):

1. Para culturas anuais:

NG (kg/ha) = 5 x teor de argila (g/Kg) ou

NG(kg/ha) = 50 x % argila         

2. Para culturas perenes:

NG (kg/ha) = 7,5 x teor de argila (g/Kg) ou

NG(kg/ha) = 75 x % de argila    

Você também pode consultar a tabela de recomendação de gessagem feita pela Embrapa ao invés de utilizar as fórmulas:

dose-gesso

Recomendação de gesso agrícola em função da classificação textural do solo para culturas anuais e perenes

(Fonte: Embrapa)

Além disso, caso você tenha dúvidas sobre como calcular a calagem ou qual calcário deve escolher, pode relembrar, neste artigo:

>> Tudo o que você precisa saber sobre cálculo de calagem (+calcário líquido)

Conclusão

Agora que você compreendeu as diferenças entre a calagem e a gessagem, vai ficar mais fácil de tomar a decisão se deve ou não realizar estas práticas, quando e como.

Não deixe de fazer a análise de solo de superfície e subsuperfície para saber se a sua área precisa correção.

Essas técnicas são muito importantes para aumentar a produtividade, tem ótimo custo benefício e devem ser feitas com o máximo de atenção!

>>Leia mais:

Como o PRNT do calcário pode mudar toda a sua correção de solo

Como você faz a calagem e gessagem na sua propriedade? Tem alguma dica sobre essas práticas? Ou calcula de forma diferente a dose de gesso ou calcário? Adoraria ver seu comentário abaixo!