Calagem: Qual corretivo utilizar, quantidade correta de calcário e outras dicas para obter excelentes resultados em sua lavoura.

Você já teve dúvidas na hora de realizar a calagem na sua área?

Com tantas atividades dentro da fazenda, a calagem pode até parecer só um detalhe. Mas não é bem assim.

Os solos brasileiros tem acidez e alumínio, o qual é tóxico para plantas. Por isso, a calagem bem feita pode fazer grande diferença na produtividade final.

Em milho, a correção adequada do solo pode aumentar em até 50% sua produtividade.

Mas você sabe todos os “truques” para essa prática dar resultados incríveis? Quanto tempo antes da safra é preciso aplicar o calcário?

Qual corretivo utilizar? Qual a quantidade de calcário correta? Confira essa e outras respostas a seguir!

Importância da calagem

A calagem tem dois objetivos principais que são: diminuir a acidez, ou seja aumentar o pH do solo, e fornecer cálcio e magnésio para as plantas.

É importante corrigir a acidez do solo para a faixa de pH entre 5,5 a 6,5 porque é quando os nutrientes se tornam disponíveis para as plantas absorverem.

calagem

(Fonte: Malavolta, 1979 em Agronomia com Gismonti)

Assim, a calagem elimina a acidez, aumenta a CTC e melhora o aproveitamento de nutrientes pelas plantas.

Além disso, a calagem neutraliza o alumínio, que é tóxico para as culturas.

A importância disso no Brasil é ainda maior, já que nossos solos são ácidos e com quantidade significativa de alumínio.

É por isso que a calagem é essencial no processo produtivo. Então, vamos começar a entender como começar a realizar essa prática:

7 Benefícios da calagem

  1. Elimina a acidez do solo;
  2. Fornece cálcio e magnésio;
  3. Estimula o crescimento radicular (Ca);
  4. Aumenta a disponibilidade de fósforo;
  5. Reduz disponibilidade de alumínio e manganês;
  6. Aumenta a mineralização da matéria orgânica;
  7. Aumenta a agregação do solo, podendo reduzir a compactação.

Além da calagem com todos esses benefícios, para você conseguir alta produtividade recomendo que veja o artigo “7 segredos da alta produção agrícola que ninguém te conta”.

Calagem do solo: Como fazer?

Confira esse passo a passo simples e tire de letra a realização da calagem:

1. Coleta de amostras do solo

É feita em duas etapas:

1ª etapa: logo após a colheita de verão;

2ª etapa: pouco antes do preparo de solo para culturas anuais e após o fim das chuvas para culturas perenes.

2. Definição do tipo de calcário

Pela análise de solo você saberá qual calcário deve escolher, com mais ou menos magnésio, etc.

3. Definição da dose de calcário

Vamos ver mais à frente no texto quais as fórmulas você pode usar para isso.

Por meio de fórmulas simples e pela análise do solo você pode ter uma calagem muito mais adequada!

Veja aqui como fazer o cálculo: Tudo o que você precisa saber sobre cálculo de calagem (+calcário líquido).

4. Compra do produto

Para saber se o custo de um calcário e seu transporte valem a pena calcule:

Tenha em mãos o custo total do calcário colocado na propriedade (que inclui o frete) em reais.

Depois, divida esse valor pelo PRNT do calcário e multiplique o resultado por 100.

Por fim, utilize essa fórmula em várias opções de calcário com diferentes custos de transporte.

Aquele com menor valor é o que deve ser adquirido.

Exemplo:

Calcário 1: Custo do calcário em minha propriedade = R$ 2200

PRNT do calcário = 80%

2200/80 = 27,5 x 100 = 2750

Calcário 2: Custo do calcário em minha propriedade = R$ 2350

PRNT do calcário = 90%

2350/90 = 26,1 x 100 = 2611,1

Ou seja, mesmo o calcário 2 sendo mais caro, ele compensa seu custo.

banner da planilha de calagem com uma tela de computador e texto explicativo

5. Aplicação

Em geral, a calagem deve ser realizada três meses antes do plantio da cultura.

O calcário deve ser distribuído a lanço e incorporado uniformemente ao solo, até a profundidade de 17 cm a 20 cm.

No cultivo convencional a aplicação é incorporada: aplicação do calcário seguida de operações de aração e gradagem;

No sistema plantio direto, a correção da acidez do solo é feita por meio da aplicação de calcário na superfície sem incorporação.

Para isso, recomendo a utilização de um calcário mais finamente moído, facilitando a reação do calcário com o solo e, consequentemente, maior efeito da calagem.

A calagem superficial normalmente não tem efeito rápido na redução da acidez do subsolo, por isso, o calcário deve ser aplicado o mais cedo possível, antes mesmo dos três meses anteriormente citado.

A calagem também atua ao longo dos anos no plantio direto, amenizando os efeitos nocivos da acidez em camadas mais profundas do solo.

Isso é importante porque a acidez nas camadas subsuperficiais, em caso de níveis tóxicos de Al e/ou deficiência de Ca, pode impedir o desenvolvimento das raízes.

No entanto, se sua região tiver um período de muita chuva e outro de seca, faça a calagem antes de acabar o período chuvoso, mesmo que seja quatro ou cinco meses antes da safra começar.

Desse modo, haverá tempo do corretivo reagir para promover as mudanças benéficas ao solo que será cultivado no próximo período de chuvas.

Seguindo esses passos tenho certeza que sua calagem trará resultados incríveis!

Registro de atividades no Aegro

Com o Aegro, você consegue planejar e registrar suas operações como a calagem, com saída automática do calcário do estoque, além de fácil visualização do custo de sua calagem em relação ao de produção total

Veja também: O que é administração rural e como usar em sua propriedade

Tipos de calcários para calagem do solo

A calagem do solo é feita através da aplicação de corretivos de acidez do solo.

Eles podem ser classificados deste jeito:

Calcário

Proveniente da rocha calcária e pode ser de quatro tipos:

  • Calcário calcítico: teor de MgCO3 inferior a 10% e maior teor de cálcio;
  • Magnesiano: teor de MgCO3 entre 10 e 25%;
  • Calcário dolomítico: teor de MgCO3  acima de 25% e baixo teor de cálcio;
  • Calcário filler: calcário que apresenta granulometria fina (indicado para plantio direto já que nesse caso não é possível revolver o solo).

Cal virgem

É o produto da calcinação ou queima completa do calcário.

Tem ação imediata, podendo prejudicar as sementes, plântulas e microrganismos devido à sua geração de calor.

Assim, a cal virgem deve ser aplicada com antecedência ao plantio.

Cal hidratada ou extinta

Proveniente da hidratação da cal virgem.

Esse tipo de cal é bem fino, então sua aplicação a lanço não deve ser feita em dias com muito vento.

Sua ação também é imediata devida à sua constituição.

Calcário calcinado

Se origina da calcinação total ou parcial do calcário, normalmente na forma de pó fino.

Também podem ser calcíticos, magnesianos ou dolomíticos. Além disso, apresenta características intermediárias ao calcário e a cal virgem.

Escória básica de siderurgia

É um subproduto da indústria do ferro e do aço.

Em sua composição temos silício, altos teores de cálcio e magnésio, além de outros nutrientes em menores proporções, como ferro, manganês, zinco, fósforo, enxofre, etc.

Geralmente tem preço menor na região em torno do local de produção.

Veja também: Entenda os custos de produção agrícola e esteja no comando de sua fazenda.

Carbonato de cálcio

Proveniente da moagem de depósitos de carbonato de cálcio, corais e sambaquis.

A ação de neutralização da acidez do solo é semelhante a do calcário.

Falando em corretivos, veja mais sobre esse assunto em “Esteja preparado e não se engane na pré-safra: saiba quais corretivos utilizar”.

Agora que você já conhece sobre os produtos, podemos ver como utilizá-los em diferentes situações.

Mas afinal, qual calcário utilizar?

calagem

(Fonte: Votorantim)

Isso deve ser decidido através de sua análise de solo e observando os teores de pH, cálcio e magnésio do seu solo e do calcário que você tem à disposição.

No calcário, se atente ao poder de neutralização (PN) e reatividade do corretivo (RE), os quais definem o PRNT (Poder Relativo de Neutralização Total).

Você pode ver o PRNT do calcário na própria embalagem do produto.

Se você estiver na dúvida entre dois calcários com mesmo PRNT, escolha aquele que possuir maior PN. Isso porque o PN representa a porção do calcário que tem capacidade de reagir no solo e, consequentemente, corrigir sua acidez.

Além disso, há algumas situações especiais que posso indicar alguns tipos específicos de calcário.

Em algumas regiões do Brasil é comum ter a relação entre cálcio e magnésio de 1:1, sendo o mais indicado por volta de 4:1.

Isso ocorre porque em algumas regiões, como no Sul do país, os calcários da região contém mais magnésio.

Sendo indicado nessa situação o uso do calcário calcítico.

Já na região Sudeste, especialmente Minas Gerais, notamos teores baixos de magnésio no solo, já que na região é comum o calcário calcítico.

Assim, nesse caso recomendo o uso de calcário dolomítico.

Quanto ao aspecto econômico, já vimos a fórmula de custo da calagem no primeiro item deste texto, finalizando a etapa de escolha do calcário.

Veja agora como calcular a dose na sua calagem.

Cálculo de calagem do solo: 2 fórmulas que você precisa saber

Agora que você já sabe como fazer e quais corretivos tem à sua disposição, vamos entender e analisar se aquele solo necessita de calagem e qual a quantidade precisa, assim evitamos errar pelo excesso ou pela falta.

calagem

Etapas que fazem parte da análise de solo
(Fonte: Ageitec)

Há vários métodos de cálculo da necessidade de calagem. Aqui, vou apresentar os dois métodos mais utilizados no Brasil.

Método da saturação por bases

Com a análise de solos em mãos faça o cálculo:

NC = [CTC x (V2 – V1) x (100/PRNT)] / 100

Onde:

NC = Necessidade de calcário, em t/ha;
CTC = CTC pH7 (capacidade de troca de cátions) em cmolc/dm3;
V2 = Porcentagem de saturação por bases desejada;
V1 = Porcentagem de saturação por bases atual do solo (encontrada na análise do solo);
PRNT = Poder Relativo de Neutralização Total (encontrado na embalagem do calcário).

Exemplo:

método da saturação por bases

Considerando que a cultura é uma leguminosa, V2 = 60% e que meu calcário tem PRNT = 90%.

NC = [CTC x (V2 – V1)] / 100

NC = [15 x (60 – 25) x (100/90)] / 100 = 5,8 t/ha

Assim, você deve aplicar 5,8 toneladas de calcário por hectare.

Método baseado nos teores de Alumínio e (Ca + Mg) trocáveis

Esse é um método menos utilizado, sendo indicado para solos com baixa CTC (menor que 5 cmolc/dm3):

NC  = Y [Al3+ – (mt – t/100)] + [X – (Ca2+ + Mg2+)]

NC = Necessidade de calcário, em t/ha;

Y= Valor tabelado em função do poder tampão do solo:
Arenoso: Y = 0 a 1
Médio: Y = 1 a 2
Argiloso: Y = 2 a 3
Muito argiloso: Y = 3 a 4

mt= Saturação por Al3+ (100 x Al / SB + Al);
t= CTCefetiva (SB + Al);
X= Teor mínimo de Ca + Mg : tabelado, sendo que para forrageiras tropicais é de 1 a 2;
Ca2+ + Mg2+ = teores trocáveis de Ca e Mg, em cmolc/dm3.

Agora entenda melhor a ação do calcário no solo:

Calagem: reação química no solo

Algumas reações acontecem quando fazemos a calagem adequada do solo:

  1. Solubilização e dissociação do calcário: calcário aplicado ao solo forma os íons de cálcio, magnésio, liberando esses nutrientes para o solo e, consequentemente, para planta;
  2. Neutralização de ácidos no solo: o bicarbonato vindo do calcário reage com H+ do solo, neutralizando a acidez;
  3. Insolubilização do alumínio tóxico trocável no solo: as hidroxilas (OH) reagem com o alumínio e o imobilizando.

Como consequências temos a elevação do pH, neutralização do Al trocável e aumento da saturação por bases (V%)!

Saiba mais: 5 Dicas no planejamento agrícola para otimizar o uso de fertilizantes.

Agora que você sabe mais sobre as reações da calagem no solo, confira como fazer a calagem em sistema de plantio direto.

Calagem no sistema de plantio direto

Esse tema ainda gera muitas dúvidas, pois no sistema convencional a incorporação do corretivo traz ótimos resultados.

Quando falamos de plantio direto não vamos revolver o solo, então neste caso as aplicações de corretivos ficam restritas às superfícies, como já falamos no primeiro item deste texto.

Segundo Caires, a calagem em plantio direto deve ser feita:

  • Apenas em solo com pH menor que 5,6 (CaCl2) ou com o V% menor que 65, isso tudo na camada de 0 a 5 cm;
  • O cálculo deve ser feito pelo método de elevação da saturação por bases para 70% (considerando a análise de solo de 0 a 20 cm);
  • A dosagem recomendada deve ser aplicada na superfície em uma única vez ou parcelada em três anos.

Conclusão

Você viu o quanto a calagem é importante para os solos brasileiros e como ela deve ser feita em um passo a passo simples.

Aqui você viu também todas as dicas para a realização da calagem em diferentes situações e com diferentes tipos de calcário.

Até mesmo em plantio direto é possível fazer essa prática de uma forma adequada.

Aproveite as dicas e boa calagem!

Gostou do texto? Restou alguma dúvida? Ou tem outras dicas sobre a calagem? Adoraria ver seu comentário abaixo!

Leia também:

>> Como fazer administração rural com essas 3 ferramentas mesmo não sabendo nada de tecnologia

>> Administração rural: 5 definições que talvez você tinha dúvida

>> Manejo integrado de pragas: 8 fundamentos que você ainda não aprendeu

>> Como estas 5 tecnologias mudam a forma de monitoramento da produção agrícola