O Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

O Blog da Logo da Aegro
prnt

PRNT: o que é e como calcular para economizar na compra do calcário

- 10 de junho de 2019

Atualizado em 02 de junho de 2022.

PRNT: veja sua influência na hora da calagem, como calcular o PRNT, as principais fontes de corretivo agrícola e muito mais!

Você já se perguntou para que serve o PRNT na hora de fazer calagem? Ele traz informações importantes que podem te ajudar a economizar na compra de calcário.

Mais do que isso, conhecer o PRNT te auxilia a fazer uma calagem e correção do solo mais eficazes.

Veja como fazer todos esses cálculos de maneira simples e entenda melhor qual tipo de calcário deve ser utilizado na sua propriedade! Confira!

O que é PRNT: significado

O PRNT é a sigla para Poder Relativo de Neutralização Total, um indicativo de qualidade dos corretivos agrícolas, avaliado pelo valor do poder de neutralização e pelo tamanho das partículas.

Quanto maior o PRNT, melhor a qualidade do calcário e mais rápida é a sua reação no solo. Conhecer a função do PRNT pode fazer diferença na escolha do corretivo agrícola mais adequado para sua propriedade.

A importância do PRNT está no fato de que, quanto maior a quantidade de PRNT, menor quantidade de calcário precisa ser aplicada é maior a sua qualidade

Considerando isso antes da compra de calcário, você evita desperdícios e garante aplicar a quantidade correta.

Qual a diferença entre PN, RE e PRNT?

Poder de Neutralização (PN) é a capacidade potencial total de bases neutralizantes contidas em corretivo de acidez, expressa em equivalente de Carbonato de Cálcio puro (%ECaCO3).

A Reatividade das Partículas (RE) é o valor que expressa o percentual do corretivo que reage no solo no prazo de 3 meses.

O Poder Relativo de Neutralização Total (PRNT), por sua vez, é o conteúdo de neutralizantes contidos em corretivo de acidez, expresso em equivalente de Carbonato de Cálcio puro (%ECaCO3), que reagirá com o solo no prazo de 3 meses.

Capacidade de neutralização relativa ao carbonato de cálcio (CaCO3)

Alguns elementos podem apresentar ação equivalente ao carbonato de cálcio. Por exemplo,100 kg carbonato de magnésio apresentam ação equivalente a 119 kg de carbonato de cálcio. Outras neutralizações possíveis são:

  • 100 kg de carbonato de magnésio = 119 kg de carbonato de cálcio
  • 100 kg de hidróxido de cálcio = 135 kg de carbonato de cálcio
  • 100 kg de hidróxido de magnésio = 172 kg de carbonato de cálcio
  • 100 kg de óxido de cálcio = 179 kg de carbonato de cálcio
  • 100 kg de óxido de magnésio = 248 kg de carbonato de cálcio
  • 100 kg de silicato de cálcio = 86 kg de carbonato de cálcio
  • 100 kg de silicato de magnésio = 100 kg de carbonato de cálcio

A legislação prevê também um valor mínimo para o PN para a soma da porcentagem de CaO + a porcentagem de MgO e PRNT. Veja na tabela estes valores!

Tabela com material corretivo e porcentagem de prnt

(Fonte: adaptação da autora)

Você deve estar se perguntando: calcário não é tudo igual? A resposta é não, porque quanto maior o poder de neutralização do corretivo, maior será a quantidade de ácidos que ele vai neutralizar.

Na tabela acima, você viu que o poder de neutralização mínimo da cal virgem é de 125. Considerando isso, menor será a quantidade de produto que precisará ser comprado.

Principais fontes de corretivos agrícola de solo

O principal objetivo de um corretivo agrícola é corrigir a acidez do solo, expressa pelo pH. Veja abaixo as principais fontes de corretivos e suas características:

Calcário

O calcário é o corretivo mais utilizado na agricultura. Ele é obtido pela moagem de rochas calcárias, constituídas por carbonato de cálcio (CaCO3) e de magnésio (MgCO3).

De acordo com o teor de magnésio, os calcários podem ser classificados como calcítico (1 a 5% de Mg), magnesiano (5 a 12% de Mg) e dolomítico (13 a 21% de Mg).

O PRNT do calcário dolomítico é entre 50% e 70%. Essa é uma porcentagem considerada ideal, afinal, calcários com menos de 45% de PRNT não são recomendados.

Cal virgem

A cal virgem é obtida industrialmente pela queima completa do calcário. Ela é constituída por óxido de cálcio (CaO) e de magnésio (MgO). É um corretivo de ação imediata e pode causar danos em sementes e plântulas.

Portanto, aplique com antecedência ao plantio das culturas.

Calcário calcinado 

O calcário calcinado é obtido pela calcinação parcial do calcário. Ele é constituído por carbonato, óxido e hidróxido de cálcio e magnésio. Apresenta características intermediárias ao calcário e a cal virgem.

Escória silicatada

Escória silicatada é um subproduto da indústria do ferro e do aço. Esse corretivo é constituído por silicato de cálcio (CaSiO3) e de magnésio (MgSiO3). Ele possui o mesmo comportamento do calcário.

Como calcular o poder de neutralização do calcário?

O poder neutralizante está relacionado à capacidade potencial do corretivo em neutralizar a acidez do solo. Ele leva em conta os teores de cálcio e magnésio do corretivo e é calculado pela seguinte equação:

PN (% ECaCO3) = % CaO x 1,79 + % MgO x 2,48

PN (% ECaCO3) = Poder neutralizante expresso em porcentagem equivalente de carbonato de cálcio.

% CaO = Porcentagem de óxido de cálcio.

% MgO = Porcentagem de óxido de magnésio.

Veja um exemplo na prática: considere um calcário com 36% de CaO e 12% MgO.

PN (% ECaCO3) = 36 x 1,79 + 12 x 2,48 = 83% de todo o calcário é capaz de neutralizar a acidez do solo.

Como calcular a reatividade (RE)?

Para o cálculo da reatividade são utilizadas diversas peneiras. Quanto mais finas as partículas do corretivo, maior a sua reatividade. A reatividade de um calcário é dada de acordo com os valores abaixo:

Tabela com relação granulométrica das peneiras de calcário

(Fonte: adaptação da autora)

A reatividade zero significa que estas partículas não têm efeito corretivo no período de 12 a 36 meses. A fórmula utilizada para calcular a taxa de reatividade é:

RE = 0 x (ABNT 10) + 20 x (ABNT 10-20) + 60 x (ABNT 20-50) + 100 x (ABNT 50)

Veja um exemplo para ficar mais claro: imagine que uma análise de calcário apresentou os seguintes resultados na parte granulométrica: 

  • 60% (0,60) passam na peneira com diâmetro de orifícios de 0,30 mm (peneira ABNT 50);
  • 30% (0,30) são retidos na peneira 50, mas passam na peneira 20, que tem diâmetro de orifícios de 0,84 mm (peneira ABNT 20);
  • 9% (0,09) são retidos na peneira 20, mas passam na peneira 10 que tem diâmetro de orifícios de 2 mm;
  • 1% ficam retidos na peneira de 2 mm.

Com a fórmula, fazemos o seguinte cálculo:

RE = 0 x (ABNT 10) + 20 x (ABNT 10-20) + 60 x (ABNT 20-50) + 100 x (ABNT 50)

RE = 0 x (0,01) + 20 x (0,09) + 60 x (0,30) + 100 x (0,60)

RE = 0 + 1,8 + 18 + 60

RE = 79,8%

Ou seja, 79,8% das partículas do calcário vão reagir no solo em 2 a 3 meses.

Máquina agrícola realizando calagem no solo

(Fonte: LaborGene)

Como calcular o PRNT do calcário?

Com os valores do PN e de RE, é possível saber como determinar o PRNT. A fórmula usada para este cálculo é:

PRNT = (PN x RE) / 100

Suponha que o PN do calcário seja de 67%, que é o mínimo exigido pela legislação brasileira para calcário agrícola. Então:

PRNT = (67 x 79,8)  / 100

PRNT = 53%

Ou seja, uma tonelada desse corretivo terá o mesmo efeito na neutralização da acidez do solo que 530 kg de carbonato de cálcio puro e muito moído em 2 a 3 anos.

Vale lembrar que essa é apenas uma das formas de fazer o cálculo. Se quiser se aprofundar em outros métodos, leia este artigo: Cálculo de Calagem: como fazer as contas (+ calcário líquido).

Banner da planilha de calagem

Como o PRNT influencia na quantidade de calcário?

Antes de tudo, é necessário fazer o cálculo de necessidade de calcário, através da fórmula:

NC = [CTC x (V2 – V1) x (100 / PRNT)] / 100

Onde:

NC = Necessidade de calcário, em t ha-1;

CTC = CTC pH7 (capacidade de troca de cátions) em cmolc dm-3;

V2 = Porcentagem de saturação por bases desejada;

V1 = Porcentagem de saturação por bases atual do solo (encontrada na análise do solo);

PRNT = Poder Relativo de Neutralização Total (encontrado na embalagem do calcário).

Observe que o PRNT entra no cálculo de calagem. O valor já vem informado na embalagem, então você não precisará fazer os cálculos apresentados anteriormente. Eles foram feitos para entendermos de onde vem os valores de PRNT.

Por exemplo, suponha que fizemos a análise de solo de uma área e que o V% (saturação de bases) seja de 50%. Suponha que o valor de referência que precisamos atingir seja de V% = 60%, e que a CTC do solo seja de 25 cmolc dm-3.

Assim, pela fórmula, na necessidade de calagem temos:

NC = [CTC x (V2 – V1) x (100 / PRNT)] / 100

NC = [25 x (60 – 50) x (100/53)] / 100

NC = 4,71 t ha-1

Agora pense que na hora da compra do calcário, você tenha mais duas opções: um dos corretivos com PRNT = 70% e outro com PRNT = 90%. Pelo cálculo teremos:

NC = [CTC x (V2 – V1) x (100 / PRNT)] / 100

NC = [25 x (60 – 50) x (100/70)] / 100

NC = 3,57 t ha-1

NC = [CTC x (V2 – V1) x (100 / PRNT)] / 100

NC = [25 x (60 – 50) x (100/90)] / 100

NC = 2,77 t ha-1

Observe que quanto maior o valor do PRNT do calcário, menor a quantidade que precisará ser comprada. Com esses valores, basta multiplicar pelo preço da tonelada que cada produto está sendo vendido. Assim você saberá qual deles é mais econômico.

Se você quer fazer o cálculo de calagem de forma mais simples e automática, separamos uma planilha para você. Ela é gratuita, e basta clicar na imagem abaixo para baixar:

Dica: atenção à faixa de PRNT

Os calcários são classificados em faixas de A até D, que indicam a concentração de PRNT:

  • Faixa A – calcário com PRNT entre 45% e 60%;
  • Faixa B – calcário com PRNT entre 60,1% e 75%;
  • Faixa C – calcário com PRNT entre 75,1% e 90%;
  • Faixa D – calcário com PRNT superior a 90%.

Fique sempre de olho nessas informações ao comprar o corretivo. Afinal, calcários com PRNT menor que 45% não podem ser comercializados!

Conclusão

Neste artigo, você viu o quanto o PRNT é importante na hora da compra do calcário. Assim, você pode economizar usando essa informação.

Também mostramos como calcular o PRNT, o poder de neutralização e a reatividade das partículas.

Então, aproveite as dicas e faça uma boa calagem!

>>Leia mais: 

O que você precisa saber sobre as diferenças entre calagem e gessagem

3 maneiras de lucrar mais com um software de gestão agrícola

Gostou do texto? Restou alguma dúvida ou tem outras dicas sobre o PRNT? Adoraria ver seu comentário abaixo!

Atualizado em 02 de junho de 2022 por Denise Prevedel.

Denise é engenheira-agrônoma e mestra em agronomia pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Também é doutoranda em agronomia pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Comentários

  1. Marcos Caliani disse:

    Sou médico veterinário consultor em pecuária de corte e leite. Parabéns pela iniciativa de colocar um assunto básico mas não menos imprescindível no planejamento do inicio de uma nova safra agropecuária.

    1. Ana Ligia Giraldeli disse:

      Boa tarde Marcos Caliani, tudo bem?
      Fico feliz que tenha gostado do conteúdo!
      Como o senhor mesmo disse, um assunto básico, porém não menos importante e que precisa de planejamento.

  2. Giovana disse:

    Parabéns,
    Sou estudante de agronomia e fico muito feliz ao ver uma mulher por trás desses assuntos. Inspirador!!!

    1. Ana Ligia Giraldeli disse:

      Obrigada Giovana!
      Que bom que gostou!! Ficamos felizes.
      Continue nos acompanhando!

  3. Francisco de Borja disse:

    Como o calcário dolomítico e calcítico se relacionam com o PRNT?

    1. gean moreira disse:

      calcario dolomitico magnesio acima de 12%
      calcitico abaixo de 8 % magnesio

  4. José mario disse:

    José mario, sou engenheiro agrônomo
    Parabéns pelo artigo, realmente é um assunto que considero muito relevante para que se faça uma boa caragem no solo. Tudo bem explicado .

    1. Ana Ligia Giraldeli disse:

      Oi José Mário, que bom que gostou do artigo, continue nos acompanhando.

    2. ANA LIGIA GIRALDELI disse:

      Olá José Mário, com certeza, obrigada por noa acompanhar. Fico feliz que tenha gostado do texto.

  5. Perinto Ribeiro Filho disse:

    Muito bom. Texto muito claro e de uma aplicabilidade muito grande.
    Parabéns.

    1. ANA LIGIA GIRALDELI disse:

      Oi Perinto, muito obrigada, fico feliz que tenha gostado.

  6. SOU ESTUDANTE DE AGRONOMIA E ADOREI TODOS OS SEUS ARTIGOS PUBLICADOS. ENRIQUECEU BASTANTE O MEU APRENDIZADO

    1. ANA LIGIA GIRALDELI disse:

      Olá Alaor, fico feliz que tenha gostado e lhe ajudado com seu aprendizado. Continue nos acompanhando.

  7. Alan Antonio Miotti disse:

    Parabéns pela explicações, adorei seu artigo! Fico muito feliz quando encontro coisas boas na internet por pessoas idôneas e capacitadas. Só chamo atenção de um ponto, lá no inicio onde está escrito “Observe que, de acordo com as relações acima, 100 kg carbonato de magnésio por exemplo, apresentam ação equivalente a 119 kg de carbonato de cálcio”. Acredito que seja carbonato de magnésio. Deve ter ocorrido um pequeno erro de digitação.

  8. Gildete Rocha Oliveira disse:

    Boa noite

    Parabéns pelo conteúdo.

  9. Arnaldo Rentes disse:

    Mais um a te parabenizar, Ana Lígia, pela objetividade e concisão didática. Falar difícil seria muito mais fácil… Arquiteto de formação, trabalho em paisagismo há bastante tempo e em recuperação de áreas degradadas, também. Temos dois problemas antigos, que são o plantio com pouco ou nenhum período de incubação da calagem. O outro é que as aplicações seguintes, se houver, serão em cobertura. Quando dá, subtraio da necessidade de calcário o termofosfato Yoorin Master que for aplicar. O restante divido, metade em dolomítico e metade em cal hidratada, com metade do peso do calcário comum. Tem funcionado, mas sem safra para quantificar, fica difícil saber o quanto. Antes de mais nada, pergunto: está correto? Se estiver, como otimizo? Melhor um calcário de PRNT baixa, para atuar por mais tempo?
    Antecipadamente, grato!

  10. Carlos G. Rosin disse:

    Sou Engenheiro Agrônomo e Químico. Gostei do conteúdo do artigo. A calagem bem realizada proporciona um excelente resultado na correção do solo. Realmente o agricultor nem sempre sabe sobre a importância ou para que serve os valores de PN, RE e PRNT no calcário e, isso dificulta os resultados finais. Porque geralmente ele busca por preço mais barato, sendo que um produto com PRNT acima de 75% reagirá muito melhor com o solo. O artigo é objetivo e traz tudo o que é necessário para se entender sobre o assunto. Parabéns pelo artigo Ana Ligia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.