Citros/Citrus: Diferenças, implantação do pomar, espaçamento e outras orientações sobre essa cultura.

Certamente você já se deparou com essas duas palavras, citros e citrus. Mas afinal, existe diferença entre elas? 

A resposta é sim! E com certeza você já sabe que ambas estão relacionadas com laranjas, mas também com as frutas cítricas.

Enquanto uma delas é mais generalista, a outra representa um nível específico dentro da classificação botânica. Ficou curioso? 

Então confira a seguir mais a respeito das frutas cítricas (citros/citrus), quais as principais cultivares, implantação de pomar cítrico, fisiologia e os principais desafios dessa cultura.

Citros e Citrus: Quais as diferenças?

Quando pensamos na classificação biológica, todas as espécies estão enquadradas em reino, filo, classe, ordem, família, gênero e espécie.

Ao falarmos citros, ou plantas cítricas, estamos referindo a espécies vegetais que pertencem à família Rutaceae em três gêneros: Citrus, Poncirus e Fortunella.

ReinoPlantae
FiloMagnoliophyta
ClasseMagnoliopsida
OrdemSapindales
FamíliaRutaceae
GênerosCitrusPoncirusFortunella

Classificação botânica dos Citros
(Fonte: Swingle, 1967)

Portanto, o termo citros se refere ao grande grupo composto das espécies desses três gêneros.

citros e citrus

Esquema representado Citros x Citrus
(Fonte: elaborado pelo autor)

Já o termo citrus é referente às espécies do gênero Citrus, excluindo as espécies dos demais gêneros. 

Esse grupo engloba as laranjas doces e azedas tais como tangerinas, mexericas, limões e limas, pomelos, toranjas, cidras e seus híbridos.

Grupo Exemplo Nome científico
1) Laranjas doces  
a)     Comuns Hamlin, Pêra e Valência  
b)     Baixa Acidez Lima Sorocaba e verde Citrus sinensis L. (Osbeck)
c)     De umbigo Laranja Bahia  
d)     Sanguíneas Moro e Sanguinello  
2) Laranja azeda Seville Citrus aurantium L.
3) Tangerinas    
a)     Comuns Ponkan e Clementina Citrus reticulata Blanco
b)     Satsumas Satsuma e satsuma owari Citrus unshiu Marchovitch
4) Mexericas IAC-606 e IAC-589. Citrus deliciosa Tenore
5) Limão verdadeiro Feminello, Lisboa e Verna. Citrus limon Lush.
6) Limas    
a)     Ácidas Tahiti e Galego Citrus latifolia Tanaka e Citrus aurantifolia Tanaka
b)     Doces Lima da pérsia e de umbigo Citrus limettioides Tanaka
7) Pomelos    
a)     Pigmentados Ruby e Star Ruby Citrus paradisi, MacFadyen
b)     Não pigmentados Duncan e Marsh
8) Toranjas Oroblanco e IAC-357 Citrus grandis
9) Cidras Etrog e Mão-de-buda Citrus medica
10) Kunquats Nagami, Marumi e Meiwa. Fortunella margarita, Híbrido e F. japonica

Principais grupos hortícolas dos citros, exemplos de cultivares e nomes científicos
(Fonte: Adaptado de Mourão Filho e Mattos Junior)

Implantação de pomar de citros

A fase de implantação do pomar é umas das etapas mais importantes para os cultivos perenes, sejam eles de espécies frutíferas ou florestais.

No caso do pomar cítrico isso não é diferente.

Para os citros, precisamos dar atenção especial para cinco pontos diferentes e você pode conferir o artigo completo sobre como não errar na implantação de pomar aqui!

Algumas dúvidas são mais frequentes que outras, portanto, abordarei duas das mais comuns a seguir.

Qual a distância de uma laranjeira para outra?

A distância entre as laranjeiras, ou o espaçamento, é definido por cinco fatores principais: 

  • A cultivar copa; 
  • O porta-enxerto;
  • O clima; 
  • O solo; 
  • E o manejo utilizado. 

Desde o início da citricultura, muito tem sido feito no sentido de aumentar a densidade dos plantios.

Isso significa ter mais plantas por área, ou seja, adensar. Para isso é necessário reduzirmos o espaçamento.

O adensamento pode trazer vantagens como o aumento da produtividade e rendimento de máquinas.

Entretanto, também pode trazer desvantagens como aumento da incidência de doenças fúngicas e necessidade de aumento da frequência de podas.

Por este motivo, cada cultivar copa apresenta um espaçamento recomendado, mas que pode variar de acordo com os fatores citados.

espaçamentos recomendados

Principais espaçamentos recomendados para as diferentes cultivares de citros
(Fonte: Embrapa Informação Tecnológica, 2005)

Como preparar a cova de mudas cítricas?

As covas para o plantio das mudas cítricas em campo normalmente apresentam as seguintes dimensões: 0,40 x 0,40 x 0,40 m.

Durante o processo de abertura das covas é interessante separar a terra da superfície (0 a 20 cm) da terra situada em maior profundidade (20 a 40 cm).

citros e citrus

Esquema de preparo das covas para o plantio
(Fonte: Embrapa Informação Tecnológica, 2005)

A terra da superfície deve ser enriquecida com adubo orgânico (esterco bovino) e fósforo e ser colocada em profundidade.

Por sua vez, a terra mais profunda não recebe os fertilizantes e é colocada na superfície, podendo ser utilizada para realizar o coroamento pós-plantio.

No caso de grandes áreas, esse preparo é normalmente realizado nos sulcos de plantio, traçados após o preparo das áreas.

>> Leia mais: para saber a respeito da fisiologia geral e do florescimento dos citros, confira o artigo que eu fiz sobre o assunto – Florada do Citros: 3 manejos essenciais para garantir uma boa produção. 

Principais desafios: passado e futuro

Os principais desafios encontrados pela citricultura no Brasil estão relacionados aos aspectos fitossanitários.

As plantas de citros são alvo de uma ampla gama de insetos e patógenos dos mais diversos tipos (como por exemplo, o cancro cítrico).

O histórico do uso de porta-enxertos na citricultura brasileira é um bom exemplo de como as doenças podem interferir negativamente no cultivo.

No início do século XX, a laranja caipira (Citrus sinensis L. Osbeck) era o principal porta-enxerto utilizado. 

Entretanto, sua sensibilidade patógeno Phytophthora spp. obrigou os produtores a utilizarem a laranja azeda (Citrus aurantium L.).

Esta por sua vez, em meados da década de 40, mostrou-se suscetível ao vírus da tristeza dos citros, disseminado por pulgões e que obrigou a migração para o limoeiro cravo.

Porta-enxerto AnoFator limitanteSolução
Laranja capiraInício séc. 20Phytophthora spp.Laranja azeda
Laranja azedaAnos 40Vírus da tristezaLimoeiro cravo
Limoeiro cravoAnos 70Declinio‘Cleópatra’ e ‘Volkameriano’
Limoeiro cravoAnos 2000Morte súbita‘Cleópatra’, ‘Swingle’ e ‘Sunki’

Histórico do uso de porta-enxertos na citricultura
(Fonte: Adaptado de Oliveira et al. (2008), Embrapa)

O limoeiro cravo apresenta a vantagem de ser resistente a estresses hídricos, porém, nos anos 70 e anos 2000, mostrou-se suscetível ao declínio e à morte súbita.

Esses eventos levaram à diversificação dos porta-enxertos e dentre outros, a tangerina cleópatra, o limão volkameriano, o citrumelo swingle e a tangerina sunki passaram a ser amplamente utilizados.

Esse processo de evolução da citricultura em conjunto com as plantas daninhas, pragas e doenças garantiu o desenvolvimento de protocolos e legislações específicas.

Graças à essa legislação, o setor citrícola do estado de São Paulo é um dos mais organizados no que se diz respeito à produção de mudas e controle fitossanitário.

Conclusão

Vimos que as frutas cítricas com destaque para as laranjas, limões, tangerinas e mexericas, têm um enorme peso no agronegócio, gerando empregos diretos e indiretos.

Grande parte das regiões produtoras são tradicionais no cultivo dessas espécies, entretanto novas tecnologias de produção e manejo surgem a cada ano.

Precisamos estar atentos às inovações e trabalhar em conjunto, buscando sempre uma citricultura cada vez mais sustentável e produtiva.

>> Leia mais:

Tudo sobre a produção de laranja pêra

E você já conhecia essas particularidades das plantas cítricas (citros/citrus)? Quais os principais desafios que você enfrenta em sua região? Conte nos comentários abaixo!