Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

controle da ferrugem

Controle da ferrugem: Combata essa doença nas culturas do milho e soja

- 14 de fevereiro de 2018

Controle da ferrugem: como identificar a doença, variedades resistentes, aplicações de fungicidas e outros manejos.

Conversando com produtores, vejo diariamente que enfrentam muitos desafios nas lavouras. Doenças na cultura do milho, doenças da soja, clima, pragas agrícolas… Enfim, são vários desafios que se eu fosse listar aqui daria algumas páginas neste blog.

E as doenças fazem parte dos principais desafios enfrentados pelos produtores rurais.

doenças na cultura do milho

(Fonte: ABMRA)

Segundo a ABMRA, 11% dos produtores rurais alegaram que pragas e doenças são os principais desafios enfrentados na lavoura.

As ferrugens na cultura do milho e da soja causam altas perdas de produtividade e são consideradas doenças importantes e, em alguns casos, as principais dessas culturas.

A ferrugem polysora no milho pode trazer perdas de até 65% , enquanto que na soja, a ferrugem-asiática causou prejuízos de US$ 25 bilhões desde a safra 2003/2004.

Você sabe quais são as ferrugens que atacam a cultura do milho e da soja? E como fazer o controle da ferrugem de forma eficaz?

Saiba agora e esteja preparado!

Doenças na cultura do milho: Ferrugens

Existem 3 ferrugens na cultura do milho e elas são consideradas algumas das principais doenças nesta cultura.

Ferrugem comum

A ferrugem comum é considerada a menos severa, comparando com as outras ferrugens do milho. É causada pelo fungo Puccinia sorghi.

Essa doença é bastante antiga na cultura do milho e de ampla distribuição pelo país.

Os sintomas são pústulas elípticas e alongadas, em ambas as faces da folha.

ferrugem-comum-milho

(Fonte: Nicésio F J A Pinto em Panorama/Embrapa)

Você sabe o que são pústulas?

Pústulas são saliências, geralmente nas folhas, que apresentam estruturas reprodutivas do fungo.

Quando a pústula se rompe, são liberados os urediniósporos (esporos), que são disseminados normalmente pelo vento.

Os urediniósporos são como as sementes nas lavouras, eles germinam e penetram (infectam a planta) dando origem à doença.

Nesta imagem você pode observar as pústulas, o rompimento das pústulas e os esporos.

ferrugem-comum-milho-tudo

(Fonte: Lucas Silva (2010) em Fitopatologia)

Ferrugem polysora

Esta ferrugem é causada por outro fungo, chamado Puccinia polysora.

A doença se desenvolve principalmente na parte superior da folha e também na bainha.

Ela interfere no enchimento de grãos e na produtividade das lavouras de milho. E ainda, pode ser considerada a mais destrutiva e agressiva.

Alguns sintomas são pequenas pústulas, circulares a elípticas. Você pode observar os sintomas na foto abaixo:

ferrugem-polysora-milho

(Fonte: Rodrigo Véras da Costa em Embrapa)

Na safra 2009/2010, a região Sul do Brasil registrou epidemias severas de ferrugem polysora nas lavouras de milho, causando perdas para os produtores.

ferrugem-polysora-epidemia

Severa epidemia na safra 2009/2010 no RS
(Fonte: Embrapa)

Ferrugem tropical (ou branca)

O fungo que causa a ferrugem tropical é Physopella zeae.

Os sintomas ocorrem em ambas as faces da folha e as pústulas são dispostas em pequenos grupos, paralelos à nervura.

ferrugem-branca-tropical

(Fonte: Rodrigo Véras da Costa em Embrapa)

Agora que falamos sobre as três ferrugens, como você pode identificá-las?

Controle da ferrugem: Como identificar as ferrugens do milho e as condições ambientais favoráveis:

identificacao-ferrugens-na-cultura-do-milho

Você pode monitorar o tempo em sua lavoura (região) e relacionar com as condições favoráveis das ferrugens, como na ferrugem tropical, por exemplo:

clima-ferrugem-tropical-branca

(Fonte: Fundação ABC (2011) em Pioneer Sementes)

Para monitorar o tempo você pode utilizar aplicativos de celulares que são gratuitos. Para conhecer alguns aplicativos gratuitos para monitorar as condições climáticas veja este artigo.

Aqui tem 5 aplicativos de planejamento agrícola que irão te ajudar!

O Boletim técnico da Epagri pode te ajudar a identificar essas e outras doenças, como também as pragas na cultura do milho.

Controle da ferrugem na cultura do milho

Variedades resistentes

O uso de variedades resistente é a principal estratégia de manejo para as ferrugens no milho.

Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo relataram que, na safra 2016/2017, foram disponíveis 315 cultivares de milho no mercado brasileiro. Destes, 63 eram resistentes à ferrugem comum, 55 à ferrugem polysora e 59 à ferrugem tropical.

O fungo que causa a ferrugem polysora apresenta uma  elevada variabilidade, o que permite uma rápida adaptação às cultivares resistentes disponíveis no mercado.

Por isso, é necessário que continue o trabalho de pesquisa buscando novos genes de resistência.

Escolha da época e do local de plantio

Deve-se evitar plantar em épocas que sejam favoráveis para a ocorrência da doença e também em regiões que são propícias ao desenvolvimento da doença.

Esta prática é utilizada para amenizar os danos causados pelo fungo.

campo-milho

(Fonte: Destaque rural)

>>Leia mais: “El niño no brasil: Como ele afeta a lavoura e o que fazer

Controle da ferrugem: Aplicação de fungicidas

A utilização de controle químico é justificável quando ocorre o aparecimento das primeiras pústulas (aplicação foliar) ou quando os campos possuem baixa ou média resistência genética.

As aplicações mais efetivas têm sido as estrobilurinas e dos triazois, nas doses recomendadas pelos respectivos fabricantes.

Os fungicidas combatem as doenças em média até 20 dias após aplicação, dependendo das condições climáticas e do nível da doença.

Não se esqueça de consultar um engenheiro(a) agrônomo(a) para a recomendação na sua área.

Além disso, veja como acertar suas aplicações de defensivos agrícolas neste artigo.

Agora vamos para uma doença que causa muita dor de cabeça em uma das principais culturas do país:

A ferrugem-asiática na cultura da soja

O fungo que causa a ferrugem na soja é Phakopsora pachyrhizi.

Esta doença é considerada a doença mais importante na cultura da soja, podendo causar até 90% de perdas na lavoura segundo alguns estudos.

Os sintomas podem aparecer em qualquer estádio de desenvolvimento da planta.

Nas folhas, na face superior, aparecem pontos de coloração escura e na face inferior da folha aparecem as pústulas, ou também chamadas de urédias, que apresentam coloração castanha.

soja e ferrugem asiática

Ferrugem da soja é causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi
(Fonte: Jornal o expresso)

Para você conhecer mais sobre a ferrugem da soja leia:

9 curiosidades que você não sabe sobre ferrugem-asiática da soja e como combatê-la

Para te ajudar a identificar as doenças na cultura da soja, confira o manual de identificação de doenças de soja  da Embrapa.

Agora que sabemos mais sobre a doença, vamos discutir como você pode manejá-la.

Controle da ferrugem-asiática na cultura da soja

Diferentemente do que acontece para as ferrugens na cultura do milho (que a principal medida de manejo é a utilização de variedades resistentes), para a ferrugem-asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi), a principal estratégia é o controle químico:

Fungicidas:

O controle químico é muito utilizado para o manejo da ferrugem-asiática. Você pode consultar os produtos registrados para a doença no Agrofit.

Segundo o FRAC, os fungicidas do grupo das estrobilurinas devem ser aplicadas sempre combinadas com fungicidas triazóis, triazolintione e/ou carboxamidas, garantindo adequados níveis de eficácia.

O uso de triazóis, triazolintione e carboxamidas não deve ser aplicado isolado, e sim em associação com estrobilurinas.

Para um controle químico mais eficiente da ferrugem, você deve utilizar rotação de produtos com diferentes modos de ação.

E não esqueça que para a prescrição de algum produto, você deve procurar um Engenheiro Agrônomo.

A Embrapa realiza pesquisas sobre a eficiência dos fungicidas no controle da ferrugem-asiática. Os resultados são divulgados na publicação “Eficiência de fungicidas para o controle da ferrugem-asiática da soja, Phakopsora pachyrhizi, na safra 2017/2018: resultados sumarizados dos ensaios cooperativos”. Veja os locais de condução dos ensaios:

embrapa-estudos

Locais de condução dos ensaios com a ferrugem-asiática
(Fonte: Embrapa- confira os resultados)

Você deve já deve ter visto notícias sobre a redução da eficiência de fungicidas contra a ferrugem da soja.

Na safra 2007/2008, observou redução da eficiência dos triazóis. Em 2013/2014, a redução foi da estrobilurina. Já na safra 2016/2017, houve menor eficiência de fungicidas carboxamidas.

Para saber mais sobre resistência leia o artigo “Tudo o que você precisa saber sobre resistências a defensivos agrícolas”.

Para melhorar a eficiência do controle, você deve utilizar fungicidas com diferentes modos de ação e realizar a calendarização da semeadura.  Evite usar mais que duas aplicações do mesmo produto em sequência. Faça também outros tipos de controle da ferrugem além do químico, como:

Vazio sanitário

É um período que a área fica sem a cultura ou plantas voluntárias, variando de 60 a 90 dias.

Com isso, você consegue atrasar o início da ocorrência da doença, por reduzir a sobrevivência do fungo.

Calendarização da semeadura

É a determinação de uma data limite para realizar a semeadura da soja. Com esta prática, você reduz o número de aplicações de fungicidas durante a safra.

Veja os estados que adotam as práticas de vazio sanitário e calendarização da semeadura.

vazio-sanitario-e-calendarização-da-semeadura

Uso de variedades resistentes ou tolerantes

As variedades resistentes ou tolerantes para a ferrugem-asiática ainda são poucas no mercado. Mas, as empresas e instituições estão realizando pesquisas para lançar novas variedades.

Uso de variedades precoces

Variedades precoces tendem a receber menos esporos na lavoura, e com isso, você pode reduzir o número de aplicações de fungicidas.

Tudo isso faz parte do MID (Manejo Integrado de Doenças), ou seja, utilização de diversas técnicas de manejo para manter a população da praga abaixo do nível de dano econômico.

A  Emater-PR, utilizou o MID em uma pesquisa na safra 2016/2017.

Para o monitoramento foram instalados coletores de esporos.

Sobre manejo integrado aqui você vai encontrar mais informações:

>>As perguntas (e respostas!) mais frequentes sobre manejo integrado de pragas
>>Tudo o que você precisa saber sobre Manejo Integrado de Pragas [Infográfico]
>>Reduza drasticamente suas aplicações utilizando o Manejo Integrado de Pragas
>>Manejo integrado de pragas: 8 fundamentos que você ainda não aprendeu

coletor-esporos-ferrugem-asiatica-soja

Coletor de esporos da ferrugem-asiática na cultura da soja
(Fonte: Embrapa e Emater-PR)

Com esse monitoramento, houve uma redução de 42% na média de aplicação de fungicidas, comparado com propriedades que não realizaram o MID.

O monitoramento é uma atividade que pode ser realizada através da Agricultura de Precisão (AP).

Você pode encontrar mais informações aqui: “Software para Agricultura de Precisão: O guia definitivo para escolher um”.

Dessa forma, através do monitoramento, e com a utilização de outras práticas, você pode realizar o manejo muito mais adequado em sua propriedade.

Conclusão

As ferrugens são importantes doenças na cultura do milho e soja.

Por isso, conhecer essas doenças é essencial para realizar o manejo e faz parte do seu planejamento agrícola de sua propriedade.

Aqui você aprendeu como identificar essas doenças e suas particularidades, além de vários métodos de controle da ferrugem.

Depois de todo esse conhecimento, você pode colocá-lo em prática na sua lavoura e ter sucesso no combate à essas doenças!

>> Leia mais: “Doenças de final de ciclo soja: Principais manejos para não perder a produção
>> Leia mais: “Antracnose nas culturas de grãos: Como combater de modo eficaz

Você tem mais dúvidas sobre o controle da ferrugem? Você já teve problemas com essas doenças em sua lavoura? Adoraria ver seu comentário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Banner de teste grátis do Aegro na cor verde com uma imagem no meio de uma máquina trabalhando no campo