Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

Atualizado em 19 de julho de 2021.
Doenças do café: conheça melhor os danos e como controlar a ferrugem, manchas, cercosporiose, seca dos ponteiros e nematoides de galhas

Várias doenças afetam a cafeicultura. Muitas delas causam danos sérios, reduzindo ou anulando a produtividade do cafezal se mal controladas.

Um bom manejo passa, primeiramente, pelo conhecimento dos sintomas que elas provocam nas plantas e das condições que as favorecem. Assim, você pode estabelecer os métodos de controle viáveis.

Conheça as principais doenças do café, o que observar na lavoura e como fazer um controle mais eficiente. Confira!

O que favorece a ocorrência das doenças do café?

Quando se fala em doenças, um conceito é fundamental: o do triângulo da doença. 

Esse conceito mostra que para a ocorrência de determinada doença é necessário que se tenha:

  • ambiente favorável a seu desenvolvimento; 
  • hospedeiros para o agente causal; 
  • patógeno, o responsável por causar aquela doença.

Há oportunidades de manejar os três lados desse triângulo.

Você pode alterar o ambiente escolhendo o local de plantio, os sistemas de cultivo (sombreado ou pleno sol), o espaçamento da lavoura e o manejo. 

Com isso, você altera principalmente a umidade, a temperatura, luminosidade e estado nutricional da planta.

Quanto ao hospedeiro, é possível manejar a escolha de variedades resistentes a determinadas doenças, a remoção de restos culturais e controle de invasoras que possam ser hospedeiras.

Com relação ao patógeno, você pode utilizar métodos de controle – como os defensivos agrícolas – que atuam na redução de sua população. É o controle químico, propriamente dito.

Conhecer como atuar no sistema é importante no controle de doenças do cafeeiro, como você verá a seguir.

Principais doenças do café

A importância das doenças do café pode variar de região para região, bem como a época de sua ocorrência devido às variações nas condições ambientais.

Por isso, existem inúmeras doenças que podem causar problemas. As principais são:

  • ferrugem do cafeeiro;
  • mancha de phoma;
  • mancha aureolada do cafeeiro;
  • mancha anular do cafeeiro;
  • cercosporiose;
  • seca dos ponteiros;
  • nematoides das galhas.

A ocorrência de determinadas doenças do café se relaciona com determinadas épocas do ano ou estádio fenológico do cafeeiro, pois coincide com as condições ambientais que a favorecem.

tabela com época de ocorrência de determinas doenças do café durante o ano, relacionando com florescimento, formação dos frutos e colheita

(Fonte: Manual de Fitopatologia)

Ferrugem do cafeeiro (Hemileia vastatrix Berk. & Br)

A ferrugem do cafeeiro é favorecida por condições de:

  • alta umidade relativa;
  • temperaturas entre 20 ℃ e 24 ℃;
  • baixa luminosidade;
  • desbalanços nutricionais.

Ela causa desfolha da planta e até seca de ramos, comprometendo a produção. O monitoramento da ferrugem é feito com a coleta de 100 folhas do terço médio para cada talhão. 

Comumente, são utilizados agentes químicos para o controle de ferrugem. 

Eles podem ser aplicados de forma preventiva durante o período chuvoso ou quando constatada a doença e os danos atingirem o nível de dano econômico. Nesse caso, 5% das folhas infectadas.

Detalhe numa folha do sintoma de ferrugem do cafeeiro

Detalhe do sintoma de ferrugem do cafeeiro
(Fonte: Agrolink)

Uma alternativa para evitar os danos por ferrugem é o uso de variedades resistentes, como exemplifica a tabela abaixo. Além disso, espaçamentos maiores e nutrição adequada desfavorecem a ferrugem.

tabela com variedades de café e suas  resistências de acordo com várias características

(Fonte: Consórcio Pesquisa Café)

Mancha de phoma ou de ascochyta (Phoma spp.)

Também conhecida por requeima, a mancha de phoma é uma doença causada por algumas espécies de fungo do gênero Phoma

As espécies de maior importância para a cultura do café são: Phoma tarda e Phoma costarricensis.

A doença tem maior incidência em regiões com ventos fortes e altitude elevada (acima de 1000 m), alta umidade e temperaturas próximas a 20 ºC.

O florescimento do cafezal é o período mais suscetível para a ocorrência da doença.  

Os sintomas são observados em toda parte aérea da planta. São visíveis primeiro nas folhas mais novas. 

A doença causa desfolha da planta e seca dos ramos. Além disso, a mancha de phoma causa deformações e lesões necróticas nas folhas, flores e frutos.

A mancha de phoma provoca a morte de brotações novas, botões florais e a mumificação dos chumbinhos. Isso compromete diretamente a produtividade.

O controle da doença envolve a adoção de práticas culturais e o controle químico

Algumas medidas podem ser adotadas no manejo da mancha de phoma no cafeeiro:

  • uso de mudas certificadas;
  • maior espaçamento de plantio;
  • adubação balanceada;
  • instalação de quebra-ventos.
Sintomas de mancha de phoma em ramos e frutos de café (imagens A e B) e nas folhas (imagens C e D)

Sintomas de mancha de phoma em ramos e frutos de café (A e B) e nas folhas (C e D)
(Fonte: Revista Cafeicultura)

Mancha aureolada do cafeeiro (Pseudomonas syringae pv. garcae)

A doença mancha aureolada do cafeeiro também é conhecida por crestamento bacteriano ou mancha bacteriana. 

O patógeno da doença é a bactéria Pseudomonas syringae pv. garcae

A doença tem maior ocorrência em lavouras:

  • com até 4 anos de idade;
  • instaladas em áreas de elevada altitude;
  • sujeitas a ventos frios;
  • temperaturas amenas e alta umidade. 

Nas folhas, os sintomas são manchas necróticas que podem ou não serem circundadas por um halo amarelado. Ramos, flores e frutos também apresentam lesões necróticas. 

A mancha aureolada causa a queda de flores e frutos. Em estado avançado, a doença pode levar à desfolha, além de comprometer a produção.

O manejo da mancha aureolada no café consiste na aplicação de fungicidas cúpricos, no plantio de mudas sadias e na instalação de quebra-ventos.

primeira imagem com lesões de mancha aureolada em folhas de café; segunda imagem com ramo de café atacado pela mancha aureolada e terceira imagem com lavoura em primeira produção com incidência de mancha aureolada em ramos novos

(a) Lesões de mancha aureolada em folhas de café; (b) ramo de café atacado pela mancha aureolada e (c) lavoura em primeira produção com incidência de mancha aureolada em ramos novos
(Fonte: Revista Visão Agrícola)

Mancha anular do cafeeiro (Coffee ringspot virus – CoRSV)

A mancha anular do cafeeiro é uma doença causada pelo vírus CoRSV. Ela pode se desenvolver em qualquer fase fenológica da cultura.

A transmissão e disseminação do vírus é feita pelo ácaro plano Brevipalpus phoenicis. Esse ácaro também é o vetor da doença conhecida como leprose nas culturas de citros.

Os sintomas da mancha anular são visíveis nas folhas e frutos do café

Nas folhas, os sintomas são manchas cloróticas circulares com a presença de anéis concêntricos.

Os sintomas são observados tanto em frutos verdes quanto maduros. Frutos maduros afetados pelo vírus apresentam manchas amareladas em baixo relevo.

Plantas infectadas podem apresentar desfolha, queda e maturação irregular dos frutos. A desfolha tem a característica de acontecer de dentro para fora, conferindo uma aparência oca à copa da planta

Como o vetor da doença é um ácaro, a principal medida de controle é o manejo com o uso de acaricidas.

primeira imagem com frutos sadios de café; outras imagens com sintomas de mancha anular: depressão na casca e maturação irregular dos frutos

(a) Frutos sadios de café; (b,c,d) sintomas de mancha anular: depressão na casca e maturação irregular dos frutos
(Fonte: Boari, A. de J.; Embrapa Amazônia Oriental)

Cercosporiose (Cercospora coffeicola)

Também conhecida como mancha-olho-de-pomba, a cercosporiose é favorecida por condições quentes, úmidas e situações de déficit hídrico e/ou nutricional.

Os danos são causados em mudas e plantas adultas. Vão desde a desfolha da planta até danos diretos aos frutos. É potencializada por desbalanços nutricionais e alta carga de frutos.

Danos por cercosporiose nas folhas de café

Danos por cercosporiose nas folhas de café
(Fonte: Coopercam)

doença Cercosporiose em frutos

Cercosporiose em frutos
(Fonte: Vicente Luiz de Carvalho/Epamig)

O controle se dá pelo manejo de irrigação e aplicação de fungicidas via foliar, com acompanhamento visual dos sintomas. 

Além disso, adubações adequadas em nitrogênio e boa aclimatação das mudas antes do plantio ajudam a evitar essa doença. 

A planilha abaixo pode te ajudar a realizar uma boa adubação de café. Baixe gratuitamente clicando na imagem!

planilha adubação de café Aegro, baixe agora

Seca dos ponteiros

A seca dos ponteiros é causada por um complexo de agentes como Colletotrichum spp.; Phoma spp., Hemileia spp., Cercospora spp., Ascochyta spp.  

O ataque é fruto de desbalanceamento nutricional e condições úmidas. Pode causar perda de produção, pois causa a morte dos ramos.

Recomenda-se o manejo com fungicidas cúpricos, logo após a colheita em áreas com histórico da doença. Quebra-ventos e nutrição equilibrada ajudam a reduzir os problemas também.

Confira mais informações no vídeo:

Nematoides das galhas (Meloidogyne spp.)

O gênero de nematoides com maior importância econômica para a cultura do café é o Meloidogyne.

Três espécies de nematoides das galhas se destacam pela patogenicidade e ocorrência nas áreas produtoras de café: 

  • Meloidogyne exigua;
  • Meloidogyne incognita;
  • Meloidogyne paranaensis. 

Na tabela abaixo, você pode conferir a distribuição geográfica das principais espécies de Meloidogyne que causam prejuízos às lavouras de café no Brasil.

tabela com principais espécies de Meloidogyne associadas ao cafeeiro no Brasil e sua distribuição geográfica

Principais espécies de Meloidogyne associadas ao cafeeiro no Brasil e sua distribuição geográfica
(Fonte: Boletim Técnico – Nematoides Parasitos do Cafeeiro)

 A ocorrência dos nematoides de galhas é maior em solos arenosos e com pouca matéria orgânica.

Esses nematoides causam a formação de galhas no sistema radicular das plantas. Isso prejudica a absorção de água e nutrientes

Dependendo do nível de infestação e da susceptibilidade da cultivar, pode haver clorose, murcha e queda das folhas. Em casos de severas infestações, as plantas podem morrer.

Os sintomas do ataque por nematoides são mais evidentes em períodos de seca.

tabela de espécies de Meloidoginoses em cafeeiros no Brasil

Meloidoginoses em cafeeiros no Brasil
(Fonte: Boletim Técnico – Nematoides Parasitos do Cafeeiro)

O ideal é evitar a entrada dos nematoides na área. Para isso é essencial usar mudas de café certificadas e também limpar o maquinário agrícola ao mudar de talhão. 

Dessa forma, você evita que torrões de solo contaminados entrem em áreas isentas.

Em áreas em que os nematoides já são um problema fitossanitário, o manejo é realizado pela aplicação de nematicidas químicos e pelo plantio de cultivares de café resistentes.

Importante ressaltar que o controle de nematoides é difícil e caro. É fundamental adotar um conjunto de práticas de manejo, visando a reduzir o nível populacional de nematoides na área

Conclusão

Várias doenças podem afetar a produção de café. Para manejá-las é fundamental conhecer cada uma delas, seus sintomas, quando ocorrem normalmente e as condições que as favorecem. 

Um bom manejo das doenças do café começa pelo monitoramento, para que se possa agir na hora certa. Existem vários métodos para manejo, embora o mais comumente aplicado seja o químico.

Além disso, a prevenção ainda é o melhor remédio. Portanto, evitar condições favoráveis aos patógenos, quando possível, é sempre uma boa estratégia. 

E, na possibilidade de utilizar variedades resistentes – como no caso da ferrugem -, opte por isso.

Assim, aliando diversas técnicas de manejo, é possível tornar o sistema produtivo mais resiliente e sustentável.

>> Leia mais:

Tudo o que você precisa saber sobre a mancha de mirotécio no café

“Como o uso de drones na pulverização do cafeeiro pode trazer economia e eficiência nas aplicações”

E você, conhecia as principais doenças do café? Já precisou lidar com alguma delas? Adoraria ler sua experiência aqui nos comentários!

redatora Tatiza Barcellos

Atualizado em 19 de julho de 2021 por Tatiza Barcellos.
Engenheira-agrônoma e mestra em agronomia, com ênfase em produção vegetal, pela Universidade Federal de Goiás.