Fósforo para plantas: Como fazer a aplicação correta e na melhor época para obter maior produtividade na sua lavoura.

Você sabe que uma boa produção depende de muitos fatores na lavoura. Um deles é garantir que haja nutrientes adequados para a cultura escolhida.

O fornecimento de fósforo é essencial para o desenvolvimento vegetal. E também um dos maiores limitadores da produção.

Nossos solos têm pouco desse nutriente e o aproveitamento da planta após aplicações nem sempre é eficiente.

Então, conhecer melhor as formas, fontes, época e local ideal de aplicação são boas estratégias para manejar esse fósforo para plantas e obter ganhos produtivos. Confira a seguir!


Função do fósforo para plantas

O fósforo (P) é um macronutriente primário, sendo tratado como essencial por estar intimamente ligado ao desenvolvimento e crescimento da planta.

Ele é responsável pelo armazenamento e transferência de energia como, por exemplo, a glicose, frutose e ATP.

Faz parte ainda da constituição dos nucleotídeos e participa das membranas fosfolipídicas.  O fósforo é um componente vital!

Notando sua importância, podemos dizer que, quando o solo apresenta deficiência de P, ocorre uma limitação direta na produção. Destaca-se dentre os demais nutrientes quando estamos falando de limitação produtiva.

E porque nosso solo é tratado como pobre em P?

Nosso solos são fortemente intemperizados devido às nossas condições climáticas. E, como consequência disso, são ricos em óxido de ferro e alumínio – e de baixa fertilidade.

O P é fixado nesses óxidos ficando, desta forma, indisponíveis para as plantas absorverem o fósforo. Ou seja, não ficam na solução do solo.

É importante ressaltar que, em solos com maiores teores de matéria orgânica (MO), encontram-se quantidades significativas de fósforo.

Além disso, essa MO atua também como agente quelante, se ligando ao ferro, evitando a formação de fosfato de ferro, uma forma fixada que não é absorvida pela planta.

E qual a melhor época para a aplicação de fósforo para plantas? Veremos seguir!

fósforo nas plantas
Respostas de algumas culturas a doses de fertilizantes fosfatados solúveis em água aplicados a lanço e incorporados em latossolo argiloso do Cerrado, com disponibilidade de fósforo muito baixa
(Fonte: IPNI)

Épocas de aplicação do fósforo para plantas

O P é um nutriente exigido em pequenas quantidades pelas plantas. Porém, a aplicação normalmente é feita em grandes quantidades, visto que ele tem grande capacidade de se fixar (ligar) a outros elementos, se tornando mais insolúvel.

Trabalhos mostram que, no solo, o fósforo é pouco móvel. Isto porque, em solos com pH alto, ocorre a formação de fosfato de Ca. E, quando baixo (solo ácido), ocorre a formação de fosfato de Al e Fe.

Dessa maneira, a disponibilização de P deve ser feita em solos com o pH em torno de 5,5 a 6,5.

Assim, para suprir a quantidade de fósforo nas plantas, é recomendável a aplicação na semeadura e/ou plantio. É preciso posicionar essa adubação ao lado da semente ou abaixo da mesma, chamada também de aplicação de arranque.

E porque essa aplicação tão no início da cultura?

Isso pode ser justificado devido à exigência de energia demandada para que a planta cresça. E caso haja limitação, isso pode comprometer a produção.

Quando feita a aplicação na época certa, os resultados de produção são notórios tanto em solos deficientes quanto em solos com P relativamente alto.

Local de aplicação de fósforo para plantas

O local de aplicação faz diferença quando se trata de fósforo para plantas.  Ele é essencial para um sucesso produtivo.

Quando estamos falando de fosfatagem corretiva, aplica-se em área total com incorporação. Isso para tentar chegar à quantidade adequada de fósforo.

Já quando estamos falando de adubação de manutenção, realiza-se de forma localizada no solo, visando a aplicação próximo à região das raízes. Isso é tido como crucial para o crescimento da planta.

Então, como você pode notar, o local de aplicação está influenciado pela fertilidade do solo e posicionamento radicular.

Mas, vale ainda dizer que existem fungos chamados micorrízicos que, em associação com as raízes das plantas, conseguem ampliar a área de absorção da rizosfera.

Tal condição permite uma maior busca pelo fósforo na solução do solo.

fósforo nas plantas
Plantas de arroz sem (-P) e com (+P) fósforo
(Fonte: Embrapa)

Fontes fosfatadas

Os fertilizantes são oriundos de rochas fosfatadas, onde o mineral predominante é a apatita.

A rocha mais comum é a fluorapatita, porém, para fazer esse P ficar mais solúvel e disponível para as plantas, são necessários tratamentos ácidos e de temperatura nessas rochas.

A seguir irei elencar alguns dos fertilizantes fosfatados:

Fosfato natural

Normalmente de baixa eficiência agronômica devido à baixa solubilidade do fósforo em água.

Superfosfato simples

É advindo de um tratamento de rocha fosfatada com ácido sulfúrico. Desta maneira, quando realizada a fosfatagem com esse fertilizante, realiza-se uma gessagem “conjunta”.

Superfosfato triplo

Ocorre o tratamento da rocha com altas doses de ácido sulfúrico e ainda há a separação do gesso, que se torna um subproduto. Contém menos cálcio e não contém enxofre comparado ao superfosfato simples.

Termofosfatos

Fertilizante obtido do tratamento térmico das rochas fosfatadas. É importante em fosfatagem corretivas em solos levemente ácidos, pois, além de disponibilizar fósforo, ainda tem o poder neutralizante da acidez.

Fosfatos de amônio

Adubo advindo da reação do amônio e do ácido fosfórico, formando o MAP ou DAP, ambos bastante solúveis.

Ácido fosfórico

Normalmente utilizado como constituinte de outros adubos fluidos.  

fósforo nas plantas
(Fonte: Do Autor)

Doses recomendadas

As doses recomendadas para cada cultura dependem da condição que o solo está e da produtividade desejada.

fósforo nas plantas
(Fonte: Furtini Neto et al., 2001)

A produtividade sempre estará vinculada à quantidade aplicada. Ou seja, produtividades mais grandiosas vão requerer maiores aplicações. É neste ponto que entra o planejamento de custo e benefício!

Abaixo separei um quadro das necessidades do milho:

fósforo nas plantas
(Fonte: Furtini Neto et al., 2001)

Para estimarmos essas dosagens, recomenda-se sempre consultar os boletins de cada Estado e trabalhos acadêmicos, que vêm atualizando os valores para o suprimento adequado.

Para te ajudar na adubação de correção e manutenção, você pode baixar a planilha grátis que criamos de adubação do milho.

Sintomas de deficiência e toxicidade

Diferente do seu comportamento no solo, o fósforo na planta é móvel, ou seja, consegue ser redistribuído pelo floema da planta.

Portanto, os sintomas de deficiência se manifestam primeiramente nas folhas mais velhas.

Sua tremenda importância quanto ao crescimento da planta, como já citado anteriormente, é o primeiro sintoma, pois causa retardamento no crescimento da planta.

Nas folhas, os sintomas são: cor amarelada, pouco brilho, cor verde-azulada, chegando até a ficar rígida.

Em plantas de milho, a ausência de fósforo é manifestada pela coloração arroxeada das folhas devido ao acúmulo de açúcares que favorecem a produção de antocianina (pigmento roxo vegetal).

Casos de toxidez são bem raros. Os nossos solos são bem pobres deste nutriente devido a seu avançado grau de intemperização.

fósforo para plantas
Lavoura de milho com plantas deficientes de fósforo
(Fonte: INPI)

Conclusão

Para uma boa produção, é necessário que o fornecimento de nutrientes esteja adequado.

E o fósforo é fundamental, nesse balanço, visto sua importância e funcionalidades.

Para melhorar sua produtividade, você viu aqui como deve ser o manejo do fósforo para plantas, explorando seu potencial produtivo.

Também citamos as respostas das plantas quando em situação de deficiência desse nutriente.

Espero que você consiga fazer, assim, o melhor manejo do fósforo em sua propriedade e obtenha ótimos resultados!

>> Leia mais: “Veja (de uma vez por todas) como fazer fosfatagem na sua fazenda
>> Leia mais: “Como fazer manejo de fósforo para aumentar a produção de cana

Você se atenta ao fósforo na sua lavoura? Restou alguma dúvida de como disponibilizar o fósforo para plantas? Deixe seu comentário!