O Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

O Blog da Logo da Aegro
fosfatagem

Veja como fazer na fazenda a fosfatagem na fazenda

- 17 de agosto de 2018

Veja agora como fazer fosfatagem na sua fazenda com estas dicas.

O fósforo é considerado o nutriente que dá a maior limitação nutricional na agricultura tropical, como no Brasil.

Isso porque nossos solos contam com pouco fósforo e, ao aplicar no solo, temos baixa eficiência de aproveitamento pelas plantas

Estima-se que apenas 15 a 25% do fósforo aplicado é aproveitado pela lavoura.

Neste artigo você poderá saber mais sobre a dinâmica do fósforo no solo e como aplicar esse conhecimento na lavoura.

>> Tudo o que você precisa saber sobre cálculo de calagem (+calcário líquido)

Veja também aqui como otimizar o manejo desse nutriente na sua propriedade! Confira:

rendimento-grãos-fósforo

(Fonte: Sousa et al. (2016) em Embrapa)

Entenda a importância da fosfatagem para os solos brasileiros

Os solos tropicais são aqueles antigos, que já passaram por alto intemperismo.

Ou seja, em áreas tropicais ocorrem altas temperaturas e alta frequência de chuvas, acelerando os processos de formação de solo, o chamado intemperismo.

É por causa disso, do alto intemperismo, que temos solos no Brasil com baixa fertilidade e ricos em óxido de ferro e alumínio.

Assim temos solos com baixíssimos teores de fósforo, e quando aplicamos algum fertilizante fosfatado os óxidos de ferro e alumínio se ligam ao fósforo, formando compostos que a planta não consegue absorver.

Desse modo as adubações são ineficientes e você perde dinheiro ao invés de ganhar produtividade.

A fosfatagem é a prática que fazemos para que isso não ocorra.

Com os cálculos corretos, que você verá ao longo do texto como fazer, sabemos a dose ideal para que o fósforo do solo fique disponível para as plantas.

>> Curiosidades sobre calagem em 5 casos especiais

Mas afinal, o que é fosfatagem?

Fosfatagem é a técnica de correção de fósforo do solo com aplicação via fertilizantes minerais, sendo os mesmos incorporados ou não no perfil do solo.

Essa é uma prática que tem como objetivo a elevação da disponibilidade de fósforo do solo para níveis adequados.

No Cerrado por exemplo, consideramos os seguintes níveis de fósforo:

níveis-fósforo-cerrado

Interpretação da análise de fósforo no Cerrado pelos métodos da resina trocadora de íons e Mehlich-1 para culturas anuais em geral, com base em amostras de solo coletadas na camada de 0 cm a 20 cm

(Fonte: Sousa et al. (2004) em Embrapa)

Abaixo você também pode conferir os diferentes níveis de fósforo para a cultura de arroz:

níveis-fósforo-arroz

(Fonte: Sousa et al. em Campos & Negócios)

Agora que você viu a importância da fosfatagem para os cultivos no Brasil, vamos entender mais sobre cada forma em que o fósforo pode estar no solo:

>> Como fazer calagem e gessagem nas culturas de soja, milho e pastagem

Cálculo da fosfatagem

Para começar o cálculo temos que ter em mente que para aumentar 1mg/dm³ de P precisamos colocar no solo, em média, 10 Kg/ha de P2O5.

Dentro desse contexto e considerando os diferentes solos do Brasil temos alguns métodos e recomendações de fosfatagem.

>> Como fazer manejo de fósforo para aumentar a produção de cana

Recomendação de fosfatagem por Vitti e Mazza

Os autores Vitti e Mazza fizeram uma recomendação de fosfatagem para quando a análise de solo para quantificação de fósforo for por resina.

Assim, eles recomendam a fosfatagem quando:

  • CTC menor que 60 mmolc/dm³ (6 cmolc/dm-3 ) ou
  • Argila menor que 30% e P resina menor ou igual 15 mg/dm3

Sendo indicado a adição de 5 kg de P2O5 a cada 1% de argila.

Para exemplificar, considere o seguinte solo:

CTC =  4 cmolc/dm³ ;

Argila = 45%;

P resina = 20mg/dm³

Assim, devemos fazer a fosfatagem porque, embora o P resina seja maior que 20 mg/dm³, a CTC é menor que 6 cmolc/dm³.

Além disso, a dose de P2O5 seguindo esse método seria de 45% de argila x 5 Kg de P2O5 =  225 Kg de P2O5/ha.

Recomendação de fosfatagem por Souza e Lobato

Para análise de solo pelo método Mehlich, Souza e Lobato indicam:

metodo-calculo-fosfatagem-souza-lobato

(Fonte: Souza e Lobato em Vitti et al. 2014)

Cálculo da fosfatagem por Sousa et al. 2006 (para região do Cerrado e culturas anuais)

Os autores Sousa et al. criaram um método de cálculo de fosfatagem para a região do Cerrado e, especialmente, para culturas anuais, como soja e milho.

Esse método é baseado na capacidade tampão de fósforo do solo (CTP).

Ou seja, é a dose de P2O5 que precisamos colocar no solo para elevar em 1 mg/dm³ o teor de P na camada amostrada de 0 cm a 20 cm do solo.

Esse valor de CTP varia com a textura do solo e a extração de fósforo na análise de solo, como mostra a tabela abaixo:

tabela-fosforo-culturas-anuais-cerrado

(Fonte: Sousa et al. (2006) em Embrapa)

Lembrando que o valor de fósforo desejado para que você atinja 80% do potencial da cultura você pode verificar à esquerda na tabela acima.

Como por exemplo, se eu tenho um solo com 55% de argila, minha análise de solo deve mostrar 8 mg/dm³ de P pelo método Mehlich-1 ou 15 mg/dm³ pelo método de resina.

Note que a análise de solo pelo método Mehlich-1 é mais detalhado e pode mostrar maiores diferenças nas doses de P.

>> Como conseguir mais nutrientes para sua lavoura com adubação verde

Com sua análise de solo em mãos e após verificar a tabela acima, é só colocar os valores na fórmula:

Dose de P (kg/ha de P2O5) = (Teor desejado de P mg/dm³ – Teor atual de P mg/dm³) x CTP

Vamos para um exemplo considerando o seguinte solo:

  • 57% de argila;
  • Análise do solo pelo método resina : 8 mg/dm³
  • Análise do solo pelo método Mehlich-1: 5 mg/dm³

Aplicando a fórmula:

Análise de solo pelo método Resina

O valor de fósforo desejado é de 15 mg/dm³ e a CTP de 16 conforme vimos na tabela, portanto:

Dose de P (kg/ha de P2O5) = (15 – 8) x 16 = 112 Kg/ha de P2O5

Análise de solo pelo método Melich-1

O valor de fósforo desejado é de 7 mg/dm³ e a CTP de 37 conforme vimos na tabela, portanto:

Dose de P (kg/ha de P2O5) = (7-4) x 37 = 111Kg/ha de P2O5

Esse método é mais exato do que o uso de tabelas.

>> Como fazer amostragem de solo com estes 3 métodos diferentes

Dessa maneira, os autores criaram outras fórmulas para o cálculo de fosfatagem para culturas anuais no Cerrado como veremos a seguir:

Cálculo da fosfatagem por Sousa et al. 2016 (para região do Cerrado e culturas anuais)

Também podemos fazer o cálculo para culturas anuais e no Cerrado por meio das equações abaixo.

Mas atenção, pois essas fórmulas só são válidas para solos com teores de argila de até 70%!

Metodo-cerrado-anual

(Fonte: Sousa et al. 2016 em Embrapa)

Cálculo do custo da fosfatagem

Devemos considerar no custo do adubo também o frete até a entrega na propriedade.

Assim, temos a fórmula:

P2O5 (R$/kg) = Custo da tonelada de produto na propriedade / Teor de P2O5 na tonelada

Para saber o custo da tonelada você deverá orçar na sua região.

O teor de P2O5 por tonelada  você pode verificar quando fizer o orçamento, sendo que aqui temos os valores para o Supertriplo e Supersimples:

Supertriplo : Em 1 tonelada há 420 kg de P2O5.

Supersimples: Em 1 tonelada há 180 kg de P2O5.

Vamos para um exemplo:

Preço do Supertriplo na propriedade= R$ 1340 por tonelada

P2O5 (R$/kg) do Supertriplo= 1340 / 420 = R$ 3,19/ Kg de P2O5

Preço do Supersimples na propriedade= R$ 1150 por tonelada

P2O5 (R$/kg) do Supersimples = 1150 / 180 = R$ 14,375/ Kg de P2O5

Dessa forma, mesmo que o Supersimples pareça mais barato, na verdade o que compensa mais nesse caso é o Supertriplo.

Mas para saber qual foi o seu custo total  da fosfatagem você precisa levar em conta as despesas do maquinário e dos operadores.

Além disso, é importante saber qual foi o custo do fertilizante por hectare para observar o quanto essa prática foi rentável

Você pode contabilizar esses custos em papéis ou planilhas, porém fica muito mais fácil e prático por meio de um software agrícola:

custo-realizado-gestão-rural

Agora vamos conhecer as principais formas de fósforo no solo e suas relações com a fosfatagem:

>> Guia para iniciantes sobre Agricultura de Precisão (AP)

Fosfatagem e as formas do fósforo no solo

Fósforo fixado

Essa é a forma que mais se ouve falar quando estamos conversando sobre o fósforo.

E não é pra menos, é essa a forma de fósforo que está combinada com outros elementos, especialmente ferro e alumínio, não podendo ser absorvidos pelas plantas.

Podemos manejar a fixação aplicando mais fósforo do que o solo em questão pode fixar, permitindo que sobre nutriente para as plantas absorverem.

É possível também aplicar o fósforo bem próximo à planta (como no sulco de semeadura).

Ou ainda podemos fazer a adubação em momentos críticos da cultura, assim ela pode absorver o fósforo antes que ele seja fixado.

Lembrando que a quantidade de fósforo fixado depende das características do solo, sendo que quanto mais óxido de ferro e alumínio ele possuir, maior será a fixação.

Além disso, a reação com as argilas, principalmente aquelas com relação 1:1 de sílica:alumínio, como as caulinitas, é outra maneira de fixação do fósforo.


Fósforo imobilizado

O fósforo imobilizado é aquele na forma orgânica, também não assimilável pelas plantas.

No entanto, com a mineralização da matéria orgânica ele pode se tornar disponível no solo.


Fósforo adsorvido

É quando o fósforo está ligado aos colóides (partículas) do solo, podendo ser disponível para as plantas por meio de trocas com as raízes.

Fósforo assimilável

A forma assimilável é o fósforo diluído na solução do solo, sendo facilmente absorvido pela lavoura.

Fósforo disponível

Como acabamos de ver, o fósforo disponível é a soma do fósforo adsorvido e o fósforo assimilável.

Importância do fósforo na planta

O fósforo atua no armazenamento e fornecimento de energia, além de fazer parte da fotossíntese e respiração.

Esse nutriente ainda estimula o crescimento da planta, estimulando também a nodulação de raízes e eficiência da fixação biológica de nitrogênio no caso de leguminosas.

Ao contrário do que ocorre no solo, na planta o fósforo é muito móvel.

É por isso que em caso de deficiência o fósforo move-se dos tecidos velhos para os mais novos, sendo a deficiência visualizada nas folhas mais velhas das plantas.

sintomas-plantas-deficiencias

(Fonte: Adaptado de Monteiro, Carmello e Dechen)

Agora que sabemos mais sobre a importância do fósforo, veremos como aplicá-lo a seguir:

>> 3 maneiras de lucrar mais com um software de gestão agrícola

Como fazer a aplicação da fosfatagem

O fósforo é pouco móvel no solo e, por isso, sua incorporação no perfil é mais eficiente em termos de respostas da produtividade.

Essa pouca mobilidade no solo é devido ao fato de que o fósforo é facilmente fixado nos solos tropicais, como os do Brasil.

A fixação aumenta com o tempo de contato entre o fósforo e as partículas do solo.

Por isso, a utilização mais eficiente do fósforo ocorre pela aplicação logo antes do plantio da safra, após calagem e gessagem.

Desse modo, as plantas conseguem absorver o fósforo antes que o mesmo seja fixado.

Também é por isso que a prática de aplicação de fósforo em sulcos de semeadura é tão eficiente.

Você pode fazer sua aplicação de fósforo de dois modos:

>> Como saber seu custo de produção agrícola

Fosfatagem com aplicação em faixas

Quanto maior contato do fósforo com o solo, maior será sua fixação.

A aplicação em faixas busca diminuir esse problema, colocando o fósforo apenas nas faixas e plantio.

No entanto, em áreas de plantio direto recomenda-se que seja alternado a aplicação em faixas com a aplicação em área total.

Isso garante o fornecimento de fósforo na planta em seus primeiros estádios, favorecendo seu desenvolvimento.

Fosfatagem com aplicação em sulco

A aplicação de fósforo em sulco é comum para que a planta tenha esse nutriente logo no começo de seu desenvolvimento, favorecendo a produção.

Como já falamos, a dose da fosfatagem pode ser adicionada à adubação de base (no sulco), sendo parcelada em até 5 cultivos.

Essa é uma forma econômica e prática de aplicação, mas que, normalmente, gera apenas pequenas faixas de solo com níveis adequados de fósforo, e não a área toda.

fosfatagem

(Fonte: Agrimaisonline)

Fosfatagem com aplicação em área total

A aplicação em área total é muito utilizada, permitindo que altas doses sejam colocadas no solo sem danificar a planta.

O suprimento de fósforo em uma maior área também favorece o crescimento de raízes, oferecendo um reservatório maior de umidade e nutrientes.

Dependendo da situação de seu solo e seu sistema de produção um tipo de aplicação é mais indicada.

Por exemplo, solos com grande poder de fixação de fósforo talvez seja mais indicado a aplicação em faixas, enquanto outros podem fazer em área total.

> Tudo o que você precisa saber sobre área de refúgio para plantas Bt [Infográfico]

Custos envolvidos na aplicação da fosfatagem

Nem sempre é fácil ter dinheiro o suficiente para, além de todos os custos de produção, realizar a fosfatagem em uma única aplicação.

Os preços dos fertilizantes fosfatados e as altas doses que alguns solos podem precisar, inviabiliza totalmente a aplicação dessa dose toda de uma vez.

Nesse caso, você pode acrescentar na aplicação no sulco de semeadura a dose de correção, mas parcelando essa quantidade em vários cultivos.

Assim, após alguns anos você aplicou a dose total recomendada na correção.

No entanto, não faça esse parcelamento em mais de 5 cultivos para que o nível de fósforo atinja os níveis adequados.

>> 4 motivos pelos quais você não deve ignorar cigarrinha-do-milho

O que impacta na disponibilidade de fósforo do meu solo?

Quantidade e tipo de argila

Quanto maior a quantidade de argila, maior será a fixação de fósforo.

Além disso, a argila do tipo caulinita, óxidos e hidróxidos de ferro e alumínio e minerais de argila amorfos, fixam mais o fósforo dos fertilizantes.

Aeração

A aeração é essencial para decomposição da matéria orgânica do solo, fonte de fósforo, e para o crescimento de raízes.

Em áreas compactadas tanto a decomposição orgânica quanto o crescimento das raízes não ocorre, prejudicando a planta como um todo e a disponibilidade de fósforo para a planta.

Umidade

Uma maior quantidade de água no solo faz com que o fósforo se solubilize mais, ficando mais disponível.

Mas é claro que o excesso de água reduz a aeração e também pode ser prejudicial para a disponibilidade desse nutriente.

Níveis de fosfato no solo

Dependendo do nível de fosfato no solo a disponibilidade será diferente.

Em casos de solos que receberam fertilizantes de fósforo por muito tempo é possível que os níveis sejam altos, com maior disponibilidade para a planta.

Para saber os níveis de fosfato no solo devemos fazer a análise de solo periodicamente.

Outros nutrientes

A aplicação de cálcio em solos ácidos como os nossos aumentam a disponibilidade de fósforo, enquanto que zinco a limita.

pH do solo

O fósforo se encontra nas suas formas mais disponíveis para as plantas quando o pH do solo está na faixa de 5,5 a 7.

Desse modo, a calagem é um método de melhoria da fixação de fósforo, já que a prática libera íons OH‾ que tomam o lugar do fósforo fixado.

Isso é um dos benefícios indiretos da calagem que poucos conhecem.

fixação-fósforo-solo

(Fonte: International Plant Nutrition Institute – IPNI)

Conclusão

A fosfatagem é uma importante prática para os solos brasileiros, garantindo o fornecimento adequado de fósforo para nossas culturas.

Aqui nós vimos que existem diferentes modos de aplicação e métodos de cálculo para essa medida.

Com o controle completo de sua fazenda você consegue verificar quais são as melhores escolhas para a sua propriedade, considerando a parte financeira e agronômica.

Verifique a condição de seu solo e consulte suas opções, por fim utilize as informações deste artigo e faça boas escolhas na hora da fosfatagem!

>> 4 Principais inseticidas para combater pragas de grãos

>> Tudo o que você precisa saber sobre plantas daninhas na pré-safra

>> 9 plantas daninhas resistentes a herbicidas (+3 livros e guias para controlar)

>> Como fazer o controle de plantas daninhas na pré-safra

Gostou do texto? Tem mais alguma dúvida sobre fosfatagem? Você costuma realizar essa prática na sua propriedade? Deixe seu comentário abaixo!

Comentários

  1. Sérgio Pereira Filho disse:

    Boa tarde,
    Você poderia fazer a resolução de um exemplo com a fórmula:

    Método de Mehlich-1, 80% da produtividade potencial das culturas
    Dose de fósforo (kg ha-1 de P2O5) = [(23 – 0,28 x argila %) – Teor atual de fósforo] x (2,43 x e ^0,0483 argila %)

    Estou com dificuldade de interpretar o “(2,43 x e ^0,0483 argila %)” da fórmula.
    Grato.

    1. Oi Sérgio!
      Na fórmula que mostramos aqui, com a extração de fósforo por Melich seria [(23 – (0,28x teor de argila em porcentagem)) – teor atual de fósforo] x 2,43 x função exponencial da calculadora com o teor de argila em porcentagem x 0,0483.
      Espero ter ajudado!

      Abraço e obrigada por nos acompanhar!

  2. Li seu artigo, sou leigo no assunto. Comparando com outros artigos, não vi em suas formulações correlação com a produtividade pretendida, isto é: Os resultados dessa formulação se referem à uma produtividade esperada tipo – 4t/ha? Se assim o é, qual seria o valor a se acrescentar por t/ha a mais na produtividade pretendida?

  3. JOÃO KÜMMEL disse:

    MAIARA,
    GOSTEI MUITO DA SUA PUBLICAÇÃO.
    E QUERIA SUA ORIENTAÇÃO, SE POSSÍVEL.
    ESTOU CONDUZINDO UM COQUEIRAL IRRIGADO, COM 4,0 ANOS, QUE ESTAVA SENDO MAL MANEJADO.
    DENTRE OUTROS PROBLEMAS, HÁ GRANDE FALTA DE NUTRIENTES.
    ESTOU APLICANDO MENSALMENTE NPK EM COROA, SOBRE O SOLO.
    COMO FAZER PARA QUE O FÓSFORO, DE BAIXA MOBILIDADE NO SOLO, PENETRE ATÉ AS RAÍZES MAIS PROFUNDAS DO COQUEIRO?
    PENSEI EM PLANTAR STYLOSANTHES NO ENTORNO DAS ÁRVORES.
    VC. PODERIA ME AJUDAR, DANDO A SUA SUGESTÃO??
    MUITO OBRIGADO

    1. Raíssa Natasha Ciccheli disse:

      Olá, João
      Sou da comunicação da Aegro.
      A questão de deficiência de P nos solos brasileiros é bem delicada, pois nossos solos, ainda mais em ambientes tropicais, tendem a ser mais drenos de P. O P é um elemento de muita deficiência, apesar de não ser tão requisitado pelas plantas no seu desenvolvimento. O que podemos sugerir é que você veja com o responsável técnico que te atende a opção de fertilizantes com liberação lenta de nutrientes (fertilizantes polimerizados) ou que faça a adubação de forma parcelada. Esse tipo de manejo ajuda a melhorar a eficiência da adubação fosfatada, mas é bom verificar se no coqueiral é possível.

  4. J.G.NARCISO disse:

    Boa matéria muito esclarecedora.

  5. Marcos Henrique Rocha Monnerat disse:

    posso colocar FOSFATO MAP (N=12 P=61) no sulco de plantio com sementes de braquiária Mavuno?

    1. Raíssa Ciccheli disse:

      Olá, Marcos
      Sou da comunicação da Aegro.
      Verifiquei com uma de nossas especialistas sobre sua dúvida:
      Sim, de modo geral, o MAP é um dos o adubos mais utilizados para aportar fósforo em pastagem e ele pode ir tranquilamente na linha de plantio.

      Agradecemos por nos acompanhar,
      Abraço! 🙂

  6. Cicero Bizerra disse:

    Gostei muito da publicação, bem explicado e com uma riqueza de detalhes muito assimilável.
    Parabéns pelo trabalho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.