Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

Podridão vermelha da raiz da soja: importância, sintomas, patógenos e medidas de controle da doença

Das mais de 40 doenças de soja já identificadas no Brasil, uma delas tem merecido atenção especial do produtor nos últimos anos: a podridão vermelha da raiz.

Além de poder causar perdas severas de produtividade, essa doença é causada por um fungo de solo, o que dificulta muito seu controle.

Mas como identificar os sintomas desse problema precocemente e garantir um manejo mais eficiente?

Confira essas e outras recomendações a seguir!

Importância da podridão vermelha da raiz em soja

A podridão vermelha da raiz, também chamada de síndrome da morte súbita da soja, tem sido encontrada em todas as regiões produtivas da cultura no Brasil. No entanto, é predominante em solos úmidos e temperaturas amenas

foto que mostra podridão vermelha da raiz da soja em folhas

(Fonte: Austeclinio Lopes de Faria Neto em Embrapa)

Foi observada pela primeira vez no Brasil na safra 1981/82, em Minas Gerais. Portanto, é considerada uma doença relativamente nova.

Pode ser causada por três espécies de Fusarium (que foram relatadas no Brasil): F. brasiliense; F. tucumaniae; e F. crassistipitatum, que são diferenciadas por estruturas reprodutivas, crescimento das colônias e técnicas moleculares.

A podridão vermelha da raiz pode interferir no processo de formação de vagens e grãos da soja, por afetar o sistema radicular das plantas. Isso compromete a absorção de água e nutrientes, interferindo na taxa fotossintética. 

Nos casos mais severos, há relatos de que pode causar entre 40% e 60% de perdas na lavoura. 

Para que você conheça mais sobre essa doença, veja quais sintomas ela causa nas plantas de soja.

kit da lavoura campeã de produtividade Aegro, baixe grátis

Sintomas da podridão vermelha da raiz

Como o próprio nome diz, o patógeno infecta a raiz da planta, tendo como sintoma inicial uma mancha avermelhada, que é visível na raiz principal, poucos centímetros abaixo do nível do solo.

Com o passar do tempo, essa mancha se expande e circunda toda a raiz, adquirindo coloração mais escura. O córtex da raiz pode sofrer necrose e a medula fica com coloração castanho clara, característica que se estende até alguns centímetros acima do solo.

Em condições de alta umidade, pode ser observado um anel vermelho na base da haste da planta.

Além disso, o fungo que causa a podridão vermelha da raiz pode produzir toxinas que se translocam até as folhas e provocam necrose internerval, tendo como sintoma a folha carijó. 

Assim, as folhas apresentam manchas cloróticas e necróticas internevais, sendo que a região das nervuras permanece com coloração verde normal.

Esses sintomas são mais evidentes próximo à floração, ou seja, os sintomas foliares se desenvolvem ao longo ou após a floração, podendo causar desfolha nas plantas, abortamento das vagens e até morte das plantas.

fotos com podridão vermelha da raiz (foto 1); sintomas foliares iniciais (foto 2) e sintoma carijó (fotos 3 e 4)

Podridão vermelha da raiz (1); sintomas foliares iniciais (2); sintoma carijó (3 e 4)
(Fonte: Pablo de Melo Oliveira)

As raízes secundárias podem apresentar rápida degradação pela doença, somente ficando a raiz principal.

Em condições de solo úmido, o córtex da raiz principal pode se destacar com facilidade, expondo seu lenho de cor clara.

Como diferenciar os sintomas de outras doenças

Na planta com sintomas de podridão vermelha da raiz, você pode observar que seu sistema radicular é menos vigoroso que o de uma planta sadia.

Para você não confundir essa doença com outras que também podem apresentar o sintoma carijó, atente-se a essas dicas:

  • podridão da haste: apresenta descoloração da parte interna da haste, o que não acontece na podridão vermelha da raiz.
  • cancro da haste: apresenta cancro na haste, o que não é observado na podridão vermelha da raiz.

Agora que já conhece sobre os sintomas, vamos falar sobre as condições favoráveis ao desenvolvimento da doença.

Patógeno e condições favoráveis da podridão vermelha da raiz de soja

As espécies de Fusarium que causam a podridão vermelha da raiz são consideradas fungos de solo.

Os conídios (esporos) de Fusarium são disseminados pela água e sobrevivem pouco tempo no solo.

Já os clamidósporos, que são estruturas de resistência do fungo, podem sobreviver no solo e em restos culturais, sendo o inóculo primário da doença.

A podridão vermelha da raiz pode ser mais severa quando há presença do nematoide do cisto da soja (Heterodera glycines), uma vez que pode ocorrer uma associação do fungo com o nematoide.

A alta umidade do solo e temperaturas amenas são favoráveis para o desenvolvimento da doença. Temperaturas em torno de 15℃ favorecem o desenvolvimento dos sintomas na raiz das plantas. Já temperaturas em torno de 22℃ a 24℃ favorecem os sintomas na parte aérea.

Além disso, solo compactado e acúmulo de água favorecem o desenvolvimento da doença, que pode ocorrer a doença em forma de reboleira ou de forma generalizada na lavoura. 

Mas como podemos manejar a doença na cultura da soja?

Manejo da podridão vermelha da raiz 

Quando falamos de manejo das doenças de plantas, discutimos sobre a realização do manejo integrado das doenças. Isso não deve ser diferente para a podridão vermelha da raiz de soja, principalmente porque ela é causada por patógeno de solo, que é de difícil controle.

Cultivares de soja precoces tendem a sofrer menos com a doença, por isso são mais recomendadas.

Como não há cultivares com resistência total a doença, você pode utilizar cultivares que apresentam certa resistência. Além disso, não é recomendado semear muito cedo a soja, pois as condições climáticas podem propiciar o desenvolvimento do patógeno.

Não há um controle químico adequado para a podridão vermelha da raiz, já que é uma doença de solo e o seu controle se torna bastante complicado. O que se tem realizado é o tratamento de sementes, que pode reduzir a incidência da doença.

Outra medida de manejo é a rotação ou sucessão de culturas, a exemplo de sorgo e trigo.

Evite também a semeadura da soja em solos mal drenados e compactados.

Além disso, evite o plantio em áreas com histórico da doença, melhore a drenagem de solos que apresentam encharcamento e previna a compactação do solo.

E, como uma dica final, para te auxiliar a recomendar as medidas de manejo da podridão vermelha da raiz procure um (a) engenheiro (a) agrônomo (a).

Conclusão

Doenças podem causar muitas perdas na soja. Uma das que tem preocupado os sojicultores é a podridão vermelha da raiz, que já há relatos de causar grandes prejuízos nas lavouras.

Nesse artigo, além de discutirmos a importância da doença na cultura da soja, você também viu como identificar os sintomas que a doença causa.

Também pôde entender mais sobre o patógeno, condições favoráveis a seu desenvolvimento e as medidas de manejo mais indicadas.

Você tem problema com a podridão vermelha da raiz da soja? Aproveite e assine nossa newsletter para receber sempre novos artigos sobre soja!