Capim-arroz: saiba quais as espécies, como identificá-las e os herbicidas recomendados para o controle.

As plantas daninhas estão entre os principais desafios diários enfrentados no campo. 

O capim-arroz é uma das plantas invasoras que mais interferem na produção de arroz, podendo representar perdas de até 90% na produtividade. 

Além disso, também afeta outras culturas, sendo prejudicial à produção de grãos, por exemplo.

Confira neste artigo as três principais espécies de capim-arroz, os casos de resistência no Brasil e no mundo e os herbicidas que controlam esta daninha!

Importância do capim-arroz

As plantas daninhas conhecidas por capim-arroz pertencem ao complexo de espécies do gênero Echinochloa, dentre elas:

  • Echinochloa colona;
  • Echinochloa crus-galli;
  • Echinochloa crus-pavonis.

O principal problema com estas daninhas é a semelhança com o arroz cultivado. Por este motivo, o controle de capim-arroz com herbicidas seletivos na cultura do arroz é mais difícil.

Vou explicar as características das três principais espécies e como fazer o controle a seguir:

Foto da autora de Echinochloa colona (capim-arroz)

Echinochloa colona (capim-arroz)
(Fonte: arquivo pessoal da autora)

Echinochloa colona 

Esta espécie também é conhecida por angolinho-branco, capim-arroz, capim-colônia, capim-da-colônia, capim-coloninho, capim-jaú ou capituva. 

Echinochloa colona (capim-arroz)

Echinochloa colona (capim-arroz)
(Fonte: Moreira e Bragança, 2010)

É uma gramínea anual pertencente à família Poaceae.

Planta ereta, entouceirada e que se desenvolve em todo o país, ocupando áreas de baixadas, onde os solos são saturados ou com pouca umidade. 

Sendo assim, uma planta daninha comum em lavouras de arroz irrigado. 

Indiretamente, interfere sobre as plantas cultivadas pois hospeda nematoides e vírus causadores de doenças.

O colmo da planta é adaptado para áreas encharcadas e possui algumas características como:

  • presença de aerênquima;
  • chega a 80 cm de altura;
  • cilíndrico;
  • delgado;
  • muito ramificado;
  • tem capacidade de emitir raízes nos nós basais. 

As folhas possuem pequena fenda lateral, não possuem ligula, sendo substituída por um colar branco ou levemente rosado. 

A lâmina é lanceolada, glabra (sem pelos) nas duas faces e com a base arredondada, além do ápice agudo, as margens são serrilhadas. 

A inflorescência é do tipo panícula com longo eixo onde cada ramificação do colmo termina em uma unidade de inflorescência. 

A espécie pode ser identificada em campo por meio da panícula, que comporta uma associação de espigas inseridas de forma alternada, opostas e verticiladas num mesmo eixo. 

duas fotos representativas do Echinochloa colona (capim-arroz)

Echinochloa colona (capim-arroz)
(Fonte: UFSCar/CCA)

Casos de resistência no Brasil e no mundo

São 26 casos de Echinochloa colona resistente a herbicidas no mundo, mas nenhum caso registrado no Brasil.

Echinochloa crus-galli

Esta espécie também é conhecida pelos nomes de barbudinho, capim-arroz, capim-capivara, capim-da-colônia, capim-jaú, capim-pé-de-galinha, canevão, capituva, inço-de-arroz ou gervão. 

Echinochloa crus-galli (capim-arroz)

Echinochloa crus-galli (capim-arroz)
(Fonte: Moreira e Bragança, 2010)

É uma gramínea anual pertencente à família Poaceae.

Sendo, assim, ereta quando vegeta em área com lâmina d’água ou decumbente com enraizamento nos nós basais quando está em solos secos.

Forma touceiras e se desenvolve em todo o país, ocupando áreas úmidas, cultivadas ou passíveis de cultivo. 

Está entre as principais plantas daninhas em lavouras de arroz irrigado e arroz de várzea.

A planta possui colmo cilíndrico ou achatado e com ramificações basais. As folhas têm a bainha aberta, em longa fenda lateral e, lígula ausente. 

A lâmina é linear-lanceolada, glabra e com as margens inteiras ou discreta e levemente onduladas. 

Inflorescência terminal do tipo panícula, onde cada ramificação termina por uma unidade de inflorescência. Panícula piramidal constituída por numerosas espigas mais afastadas na base e menores e mais compressas no ápice ou terminando numa espiga. 

Espiguetas ovaladas sem aristas, de coloração verde ou pigmentadas de arroxeado. 

Pode ser determinada em campo por meio da morfologia da inflorescência e das espiguetas. 

Casos de resistência no Brasil e no mundo 

No mundo, são 46 casos de Echinochloa crus-galli resistente a herbicidas.

Destes, 3 casos são no Brasil, todos em lavouras de arroz:

Tabela dividida por ano e herbicida, sendo: 1999 quinclorac, 2009 bispyribac, imazethapyr, penoxsulam e quinclorac e 2015 cyhalofop, penoxsulam e quinclorac.

(Fonte: Heap, 2020)

Duas fotos representativas da Echinochloa crus-galli (capim-arroz)

Echinochloa crus-galli (capim-arroz)
(Fonte: Universidade Federal de São Carlos/CCA)

Echinochloa crus-pavonis

É também conhecida por camarão, capim-arroz, capim-canevão, barbudinho capim-canevão-do-banhado, capim-da-colônia, capim-jaú, capim-pavão, capim-pé-de-galinha, capituva, gervão, inço-de-arroz. 

Echinochloa crus-pavonis (capim-arroz)

Echinochloa crus-pavonis (capim-arroz)
(Fonte: Moreira e Bragança, 2010)

É uma gramínea anual pertencente à família Poaceae.

Também é ereta quando vegeta em área com lâmina d’água ou decumbente com enraizamento nos nós basais quando instalada em solos secos.

Forma touceiras e que se desenvolve em todo o país, ocupando frequentemente áreas úmidas ou passíveis de cultivo. 

Está entre as principais espécies de plantas daninhas invasoras na cultura do arroz irrigado.

Seu colmo é cilíndrico ou achatado e com ramificações basais. As folhas têm bainha aberta em longa fenda lateral e lígula ausente. 

A lâmina é linear-lanceolada, glabra e com as margens inteiras ou discreta e levemente onduladas. A inflorescência é terminal do tipo panícula.

Casos de resistência no Brasil e no mundo

Só há um caso no mundo de capim-arroz Echinochloa crus-pavonis resistente a herbicidas, sendo ele no Brasil, em lavouras de arroz, no ano de 1999, ao herbicida quinclorac.

Duas fotos representativas da Echinochloa crus-pavonis (capim-arroz)

Echinochloa crus-pavonis (capim-arroz)
(Fonte: UFSCar/CCA)

Como fazer o controle do capim-arroz na lavoura

Na tabela abaixo, você pode conferir os herbicidas recomendados para o controle das principais espécies de capim-arroz.

Lembrando que o uso de herbicidas deve ser associado com outras práticas de manejo de plantas daninhas como: controle preventivo, cultural, mecânico, físico ou biológico.

Assim, o uso de cada um destes herbicidas depende da cultura que você semeará.

Tabela com plantas daninhas (Echinochloa colona, Echinochloa crus-falli e Echinochloa crus-pavonis) e herbicidas correspondentes.

Na próxima tabela, veja os herbicidas registrados para o controle de capim-arroz em lavouras de arroz, soja, milho, feijão, algodão e cana-de-açúcar.

Lembrando que a seletividade do herbicida depende de vários fatores como:

  • dose;
  • época de aplicação;
  • modo de aplicação;
  • estádio de desenvolvimento da cultura.

Por isso, verifique a bula do herbicida para saber as recomendações de uso de cada um dos produtos listados.

Tabela com culturas e herbicidas correspondentes.

Conclusão

O capim-arroz é uma planta daninha muito prejudicial a diversas culturas, principalmente em lavouras de arroz, devido à dificuldade de controle com herbicidas seletivos.

Neste texto, você aprendeu como identificar três espécies de capim-arroz e os casos de resistência a herbicidas registrados.

Também viu os principais produtos usados para controle desta planta daninha em outras culturas como grãos, algodão e cana-de-açúcar.

Espero que, com essas informações, você faça um controle eficiente do capim-arroz na sua lavoura!

Gostou do texto? Tem mais dicas sobre controle do capim-arroz? Adoraria ver o seu comentário abaixo!