Plantação de arroz: veja as principais orientações para melhorar sua produtividade e aumentar a lucratividade da sua lavoura. 

Sabemos da importância da produção de arroz para o mercado interno brasileiro, pois juntamente com o feijão é a base da alimentação nacional. 

Na última safra (2018/19) este cultivo ocupou uma área de 1,69 milhões de hectares, produzindo cerca de 10,44 milhões de toneladas de alimento.

Porém, o cultivo de arroz vem decaindo nos últimos anos principalmente em condições de terras altas. Somente em relação à última safra houve uma queda de 13,9% da área cultivada com arroz. 

Devido à importância desta cultura para a alimentação brasileira, é importante que o produtor esteja sempre antenado com dicas que possam melhorar sua produtividade. 

Por isso, veja as 7 principais orientações de manejo para melhorar sua produtividade na plantação de arroz.  

1ª – Época de semeadura 

Muito se fala sobre a importância de escolher corretamente a época de semeadura. Realmente, essa escolha está diretamente ligada a altas produtividades na lavoura de arroz.

Esta operação determina o estande inicial do cultivo e principalmente as prováveis condições climáticas que o cultivo será exposto nos momentos mais importantes do seu ciclo.

Por isso é importante que o produtor faça um bom manejo antecipado do solo, assim como um bom controle de plantas daninhas.

Além disso, o produtor deve se preparar para condições adversas na semeadura, como muitas chuvas, mantendo sempre o sistema de drenagem da área em bom estado. 

Para auxiliar o produtor a determinar o momento ideal de semeadura, a Embrapa disponibiliza uma ferramenta online que identifica a melhor data de semeadura do arroz. Confira aqui!

plantação de arroz

Semeadura de arroz
(Fonte: IRGA)

2ª – Manejo da palha do arroz 

Um dos gargalos da plantação de arroz é o bom aproveitamento da palha residual após a colheita

Pois se não for bem manejada, prejudicará a ciclagem de nutrientes do cultivo (incorporação dos nutrientes da palha no solo), demandará mais operações de preparo de solo e ainda pode prejudicar a distribuição de sementes no solo (principalmente quanto à profundidade).

Para solucionar este problema, muitos produtores de arroz irrigado vêm implementando uma operação de rolo-faca para melhor incorporação da palha. 

Os principais benefícios do rolo-faca citados por esses produtores são a diminuição das operações de preparo de solo (diminuindo de 1 a 2 gradagens), melhor incorporação de nutrientes ao solo (aumentando boro e enxofre), facilidade da semeadura e o controle de plantas daninhas.

Além disso, essa técnica pode substituir a queima da palha que foi muito utilizada nos últimos anos, sendo um manejo mais sustentável – com menos danos ao meio ambiente.   

Este manejo está sendo possível principalmente pelo lançamento de novas cultivares com menor produção de palha, o que facilita a operação do rolo-faca. 

Operação com rolo-faca

Operação com rolo-faca para incorporação de palha de arroz
(Fonte: Metalúrgica Scarabelot)

3ª – Plantação de Arroz: escolha de cultivares

A escolha das cultivares para sua lavoura é um passo muito importante para atingir bons resultados e altas produtividades

Isso porque uma nova cultivar no mercado pode ter um teto produtivo maior e apresentar resistência a um problema presente em sua área, como doenças e pragas

É importante que a cultivar escolhida se adapte bem às condições ambientais de sua lavoura, assim como a disponibilidade de água e nutrientes, problemas de toxidez por ferro, incidência de doenças e insetos. 

Além disso, variedades Clearfield (sistema de produção para otimizar recursos e produtividade) podem ser ótimas opções em áreas com muitos problemas de plantas daninhas.

A escolha correta de boas variedades aumenta a produtividade e ainda pode diminuir o uso de produtos fitossanitários, diminuindo assim o custo da sua plantação de arroz. 

4ª – Rotação de culturas 

A rotação de culturas é essencial para melhorar qualquer sistema produtivo, pois diversifica o ecossistema para o controle natural de muitas doenças e pragas.

O uso de consórcio com forrageiras também pode ser utilizado no sistema de integração lavoura-pecuária, proporcionando uma renda no período em que a área poderia estar em pousio e, dessa forma, ajudando no controle de plantas daninhas. 

Atualmente as culturas mais utilizadas em sistema de rotação com o plantio de arroz são a soja e o milho, porém ainda há necessidade do desenvolvimento de variedades e híbridos mais adaptados a este sistema, principalmente em área com alta acidez no solo. 

Rotação de culturas com arroz de terras altas

Rotação de culturas com arroz de terras altas
(Fonte:Revista Globo Rural)

5ª – Manejo integrado de pragas e doenças

O manejo integrado de pragas e doenças é o alicerce para a lucratividade em qualquer cultivo. 

Nesse sistema se prioriza a utilização de vários métodos de controle de pragas e doenças, visando diminuir o uso de fitossanitários. 

Mas esta modalidade de controle exige que o produtor, juntamente com o técnico responsável, tenha um bom conhecimento sobre a biologia das pragas e doenças que afetam a área, para manter essa população sempre abaixo do nível de dano econômico. 

6ª – Plantação de Arroz: bom manejo de águas 

A cultura do arroz exige muita água, sobretudo no cultivo na várzea, por isso o produtor deve estar sempre atento à qualidade de sua água – vistoriando frequentemente o sistema de abastecimento e de drenagem.

Outro ponto para levar em consideração é que o produtor se atente às normas para uso da água, de modo que evite danos ambientais em decorrência do cultivo. 

Também é importante que o produtor sempre pesquise sobre alternativas para melhorar a eficiência do uso da água em seu cultivo. 

plantação de arroz

Lâmina de água na plantação de arroz
(Fonte: Semagro – MS)

7ª – Controle de custos 

Devido ao preparo da água e sistema de irrigação ou inundação, a cultura do arroz demanda muito investimento. 

Por isso, é necessário que o produtor esteja sempre atento com seus gastos e tenha um bom planejamento para novas possibilidades e adequações durante a plantação de arroz. 

Além de focar em altas produtividades, o ideal é que o produtor se concentre em ter um baixo custo. Esta é a chave da lucratividade!

Conclusão

Neste texto vimos a importância do cultivo do arroz para o Brasil. 

Abordamos algumas práticas que podem melhorar a lucratividade do produtor beneficiando o meio ambiente, como rotação de culturas e bom manejo de águas. 

Também demonstramos uma técnica de manejo que vem ajudando os produtores a melhorar a nutrição do cultivo, facilitando assim a semeadura. 

Além disso, foi ressaltado a importância de um bom controle de custos para obter o máximo de lucros possíveis evitando surpresas desagradáveis no futuro. 

Já implementou alguma destas orientações em sua plantação de arroz? Utiliza outras técnicas que vem melhorando sua produtividade? Adoraria ver seu comentário abaixo!