Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

inseticidas ecdisteroides

Inseticidas ecdisteroides: como agem nos insetos e por que são uma boa opção de manejo

- 24 de março de 2021

Inseticidas ecdisteroides: entenda como contribuem para redução das pragas sem gerar efeitos colaterais como outros químicos!

A agricultura brasileira é um dos setores mais importantes para a economia do país

Está enganado quem pensa ser possível produzir a quantidade de alimentos produzida hoje sem o uso de pesticidas. Existem 33 sítios de ação registrados e diversos grupos químicos de inseticidas no mercado para controle de insetos-praga. 

É importante buscar conhecimento sobre a ação desses pesticidas. 

Os reguladores de crescimento agem de maneira mais seletiva. Já os inseticidas ecdisteroides são exemplos dos que agem com um espectro menor. 

Eles contribuem com a redução das pragas sem gerar grandes efeitos colaterais, como acontece com outros grupos químicos. Entenda mais sobre esses compostos a seguir! 

O que são inseticidas ecdisteroides?

Para que você possa compreender melhor o que são esses inseticidas, vamos recapitular quais são suas classificações.

Segundo o Irac-Brasil (Comitê de Ação à Resistência a Inseticidas), os inseticidas se enquadram em cinco categorias de acordo com a atuação nos seguintes aspectos:

  • sistema nervoso central;
  • sistema digestivo;
  • respiração celular; 
  • crescimento e desenvolvimento;
  • compostos com modo de ação desconhecido ou incerto. 

Aqui, o nosso foco será no grupo de inseticidas que atuam no crescimento e desenvolvimento dos insetos. 

Esse grupo é dos IRCs (Inseticidas Reguladores de Crescimento),  introduzidos no mercado na década de 70 pela empresa Bayer Cropscience

O grupo possui classificações e especificações diferentes para atuar no crescimento e no desenvolvimento dos insetos. Por isso, os IRCs podem ser:

  • mímicos do hormônio juvenil;
  • inibidores da biossíntese de quitina;
  • agonistas receptores de ecdisteroides

Cada um deles tem um sítio de ação e resultam em algum efeito adverso no processo de desenvolvimento e crescimento da fase jovem dos insetos-praga.

São inseticidas bastante seletivos. Isso implica em uma efetiva ação sobre as pragas, mas que não prejudica organismos benéficos. 

Os inseticidas ecdisteroides são tipos de IRC e atuam na muda dos insetos, fazendo com que eles acelerem o processo de desenvolvimento e fiquem deformados. 

A forma mais comum de rota de exposição aos insetos-praga é por meio da ingestão. 

Esses inseticidas não possuem ação de choque, por isso é comum observar que os efeitos são mais lentos que os inseticidas de amplo espectro. Entretanto, esse não é um ponto desvantajoso quando comparado com outros grupos.

Modo de ação de inseticidas ecdisteroides 

Como já citado, os inseticidas ecdisteroides estão no grupo que atua no crescimento e desenvolvimento dos insetos.

O subgrupo que representa essa classe são as diacilhidrazinas, que são agonistas dos receptores de ecdisteroides (hormônio da ecdise). 

Mas para que você entenda como esses inseticidas agem nos insetos é necessário saber como o organismo do inseto funciona sem a ação desses compostos.

Durante a fase jovem, o exoesqueleto dos insetos vai se tornando insuficiente para os tecidos e órgãos que estão em desenvolvimento dentro deles. Por isso, é necessário que ocorra a muda e a cutícula seja trocada. 

O processo de muda começa quando as células epidérmicas cuticulares são estimuladas pela exposição do hormônio 20-hidroxiecdisona (o hormônio da muda do inseto). 

ilustração de células cuticulares epidérmicas de inseto jovem no início do processo de muda com a ação do hormônio 20-hidroxiecdisona

Células cuticulares epidérmicas de inseto jovem no início do processo de muda com a ação do hormônio 20-hidroxiecdisona
(Fonte: Larry Keeley)

Esse hormônio entra nas células epidérmicas, onde estimula genes relacionados à muda e à formação de uma nova cutícula. 

Depois disso, as células epidérmicas passam por mitose ou crescem pelo alargamento celular. Esse é o período em que o inseto jovem cresce e forma uma cutícula maior para começar o próximo instar. 

A cutícula velha (exúvia) se separa da epiderme no processo de apólise e dá lugar à nova cutícula. Dessa maneira, ocorre a muda ou ecdise, onde o inseto faz a troca de exoesqueleto. 

ilustração de momento em que ocorre a muda ou ecdise do inseto para troca de exoesqueleto

Momento em que ocorre a muda ou ecdise do inseto para troca de exoesqueleto 
(Fonte: Larry Keeley)

Ação do inseticida ecdisteroide

Quando os inseticidas ecdisteroides entram em ação, eles agem como se fossem o hormônio 20-hidroxiecdisona. 

E, como você viu, esse hormônio estimula as células epidérmicas cuticulares a começarem um novo processo de muda. 

Por isso, o inseto sofre uma mudança de forma prematura. Quando o composto começa a agir, a larva sofre inanição. 

A troca do exoesqueleto fora da hora faz com que a nova cutícula seja deformada. O inseto continua sem se alimentar e acaba morrendo. 

Como eu disse, a ação desses inseticidas é mais lenta que os de amplo espectro (que agem em vários organismos), mas o processo todo não demora mais que um dia. 

Por ter uma ação específica nas pragas e pela segurança aos inimigos naturais presentes na área de cultivo, são bastante recomendados em programas de MIP (Manejo Integrado de Pragas). 

Principais pragas que controlam

Esses inseticidas têm ação específica sobre lepidópteros-praga em diversas culturas como algodão, cana-de-açúcar, citros, eucalipto, milho e soja

Veja alguns exemplos de pragas que são controladas pelas diacilhidrazinas:

Algodão 

  • Curuquerê-do-algodoeiro (Alabama argillacea)
  • Lagarta-das-maçãs (Chloridea virescens)

Cana-de-açúcar

Citros

  • Larva-minadora-das-folhas (Phyllocnistis citrella)
  • Bicho-furão (Ecdytolopha aurantiana)

Eucalipto

  • Lagarta-de-cor-parda (Thyrinteina arnobia)

Milho

Soja

ebook Aegro mip mais onze pragas da soja, baixe agora

Produtos ecdisteroides no mercado

As diacilhidrazinas possuem quatro ingredientes ativos segundo o Irac, que são:

  • cromafenozida;
  • halofenozida;
  • metoxifenozida;
  • tebufenozida.

Entretanto, os ingredientes ativos registrados no Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) são cromafenozida, metoxifenozida e tebufenozida

captura de tela da agrofit, Ingredientes ativos de diacilhidrazinas registrados pelo Mapa

Ingredientes ativos de diacilhidrazinas registrados pelo Mapa
(Fonte: Agrofit)

Cromafenozida

Existem dois produtos registrados com este ingrediente ativo, ambos da empresa Iharabras: Ciclone e Matric. 

captura de tela Agrofit com Produtos registrados com cromafenozida

Produtos registrados com cromafenozida
(Fonte: Agrofit)

Metoxifenozida

Existem 6 produtos registrados com este ingrediente ativo, de diferentes empresas.

Os produtos Fidele, Intrepid Edge, Intrepid 240 SC e Revolux da Dow Agrosciences; Masterole da Rainbow Defensivos; e Tecal 240 SC da Rotam do Brasil Agroquímica. 

captura de tela da Agrofit com Produtos registrados com metoxifenozida

Produtos registrados com metoxifenozida
(Fonte: Agrofit)

Tebufenozida

Existe apenas um produto registrado com este ingrediente ativo, da empresa Iharabras S.A., o Mimic 240 SC.

captura de tela Agrofit com Produto registrado com tebufenozida

Produto registrado com tebufenozida
(Fonte: Agrofit)

Cada ingrediente ativo possui as pragas-alvo principais. Por isso, é importante que você leia a bula e siga as instruções corretamente. 

Além disso, é essencial que você consulte um(a) engenheiro(a)-agrônomo(a). 

Conclusão

Neste artigo, você encontrou informações sobre os inseticidas reguladores de crescimento, que são os que agem no crescimento e desenvolvimento dos insetos. 

Existem três sítios de ação desses produtos e o foco aqui foi sobre os agonistas dos receptores de ecdisteroides, que provocam a muda prematura em lagartas

No mercado brasileiro, você encontra 9 produtos que pertencem ao grupo das diacilhidrazinas e que podem controlar diversas pragas de diferentes culturas. 

Referência

NATION SR, James L. Insect physiology and biochemistry. CRC press, 2015. 

Restou alguma dúvida sobre os inseticidas ecdisteroides? Adoraria ler seu comentário!

Comentários

  1. Muito interessante e claro o artigo sobre “Inseticidas ecdisteroides”.
    Gostaria de saber sobre o efeito destes produtos para apicultura e meliponicultura.
    att.
    Bart VDB

    1. Thaís Fagundes Matioli disse:

      Oi, Bart! Que bom que gostou do artigo.
      Embora, em geral, sejam inseticidas mais seletivos aos inimigos naturais, existe um risco de que afetem abelhas forrageiras.
      Mesmo com esse risco, a possibilidade de serem usados e não causarem efeitos adversos, também existe. Seria importante que as pulverizações fossem feitas em épocas em que não houvesse a flora apícola.

      1. Sérgio Seiji Mizuguchi disse:

        Bom dia
        Sou produtor rural de legumes e frutas .Tenho uma lavoura de chuchu e tenho muito problemas com ácaros rajados e vermelhos no poderia indicar algum produto eficiente .
        Obrigado

        1. Raíssa Natasha Ciccheli disse:

          Olá, Sérgio
          Sou da comunicação da Aegro.
          Não recomendamos produtos específicos, porque sempre é indicado a análise de sua área por um(a) agrônomo(a).

          Agradecemos por nos acompanhar,
          Abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Banner de teste grátis do Aegro na cor verde com uma imagem no meio de uma máquina trabalhando no campo