Helicoverpa armigera: Tecnologias e dicas essenciais para o controle eficiente da lagarta na lavoura

Só quem já tentou combater a Helicoverpa armigera sabe o trabalho e os custos que isso gera. Em safras anteriores, essa lagarta já causou prejuízos de R$ 1,5 bilhão

Mas não pense que somente um cultivar resistente dará conta do recado. Ou que a salvação está em um único inseticida.

No entanto, há tecnologias que, juntas e de forma consciente, podem reverter essa verdadeira briga que travamos contra a Helicoverpa armigera.

1ª Tecnologia: Inseticidas para controle de Helicoverpa armigera liberados no Brasil

Os inseticidas são boas ferramentas de controle, embora não devam ser usados sozinhos.

Estudos indicam que os inseticidas flubendiamida (Belt) e espinosade (Tracer) mostraram ser muito eficientes no controle da Helicoverpa armigera.

A lista completa de inseticidas químicos para combate de lagartas, inclusive do gênero Helicoverpa pode ser acessada no portal Agrofit.

No entanto, devemos nos atentar muito a resistência dessa lagarta a inseticidas. Especialmente porque, segundo Embrapa, há mais de 600 relatos de resistência da Helicoverpa armigera a múltiplos grupos de inseticidas em todo o mundo.

No Brasil, já foram relatadas populações dessa lagarta resistentes aos inseticidas piretróides.

Frente a tal informação, o correto manejo dos inseticidas químicos pode ser a diferença entre sucesso e dinheiro jogado fora no combate às lagartas.

Por isso, uma das principais ações é evitar os inseticidas menos seletivos, ou seja, aqueles que prejudicam diversos insetos e não só a H. armigeraIsso porque esses produtos matam outros organismos que podem ajudar a combater essa lagarta.

Confira abaixo os inseticidas mais e menos seletivos:

grafico_site helicoverpa

(Fonte: Embrapa)

Assim, evite o desenvolvimento de resistência a inseticidas em sua área realizando algumas atividades:

  • Conheça o mecanismo de ação dos inseticidas e sua seletividade;
  • Realize rotação de grupos químicos desses produtos para evitar resistência;
  • Evitar inseticidas não seletivos;
  • Não aplicar inseticidas preventivamente (antes de praga estar na área);
  • Evite aplicações calendarizadas;
  • Faça monitoramento constante da lavoura;
  • Utilize inseticidas autorizados pelo MAPA;
  • Fique atento quanto às tecnologias de aplicação e condições climáticas ideais

Saiba mais sobre defensivos agrícolas aqui:

>> Defensivos agrícolas: 8 curiosidades que você deveria saber
>> Como fazer controle de estoque de defensivos agrícolas em 5 passos

Nesse contexto, o controle biológico se torna uma excelente opção de controle:

2° Tecnologia: Controle Biológico

O manejo biológico também é indicado para controle de lagartas.

Entre os insetos benéficos, podemos encontrar os parasitoides e predadores da lagarta.

Existem, ainda, vírus, bactérias, fungos, nematoides capazes de diminuir a população das lagartas.

Veja a seguir produtos biológicos que já estão dando certo:

Bacillus thuringiensis

Em pesquisa realizada em Jaboticabal, pesquisadores encontraram o inseticida microbiológico BtControl, capaz de quebrar o ciclo de vida da lagarta Helicoverpa armigera.

O Bacillus thuringiensis (Bt) é uma bactéria capaz de combater as lagartas do gênero Helicoverpa.

A bactéria produz esporos que liberam toxinas e ao serem ingeridos pelas lagartas, estas acabam morrendo de 3 a 4 dias após a ingestão.

No entanto, a tecnologia Bt também está presente nas sementes, por isso, se sua lavoura for Bt não recomendo o uso de um produto biológico de mesma tecnologia.

Isso é devido a pressão de seleção a resistência, que aumenta muito quando são utilizados dois produtos com mesma ação.

Trichogramma spp.

O Trichogramma spp. também pode ser utilizado no controle biológico. É um gênero de vespas que parasitam os ovos dos insetos da ordem Lepidoptera.

As vespas fêmeas ovipositam dentro do ovo do hospedeiro. As larvas nascem e se alimentam do conteúdo dos ovos. Posteriormente, sai a vespa adulta do ovo que reinicia o ciclo.

trichogramma-helicoverpa

(Fonte: Mundo Horta em Amtecbioagricola)

Você precisa também estar atento ao ciclo de vida Helicoverpa armigera.

Nesse sentido, o Hunter, da Koppert, é a base de Trichogramma pretiosum, permitindo realizar liberação mecanizada em cápsulas biodegradáveis ou manualmente.

É um bom exemplo de produto biológico que vem apresentando eficiência no controle de Helicoverpa armigera.

Helicoverpa armigera Nucleopolyhedrovirus (HearNPV)

Esse produto é constituído por pelo vírus Nucleopolyhedrovirus (HearNPV) e tem ação após ser ingerido pela lagarta.

Assim, o produto age no intestino da lagarta, provocando infecção e, consequentemente, redução da alimentação e locomoção, até a morte. No Brasil é comercializado pela Koppert, com nome comercial de Diplomata.

O interessante é que as lagartas ficam com aspecto liquefeito e contribuem para dispersar o vírus no ambiente.

A empresa afirma que o processo ocorre entre 3 a 7 dias, com efeito mais rápido em lagartas mais jovens, ou seja, nos primeiros ínstares de desenvolvimento.

helicoverpa-armigera-diplomata

(Fonte: Koppert)

3ª Tecnologia: Lista de produtos liberados emergencialmente

Devido à situação da Helicoverpa armigera ser emergencial, o MAPA liberou 5 princípios ativos com efeito sobre as lagartas.

No entanto, é muito importante o correto planejamento da utilização destes inseticidas pelo produtor.

Isso porque, se mal manejados, podem causar efeito inverso, aumentando a presença de Helicoverpa armigera resistentes. Lembre-se também que estes princípios ativos não devem ser misturados.

São eles:

helicoverpa armigera

(Fonte: Embrapa)

Todos esses cuidados com os produtos químicos estão dentro do previsto no Manejo Integrado de Pragas.

4ª Tecnologia: Manejo Integrado de Pragas (MIP)

Embora o MIP seja uma forma de manejo, considero também uma tecnologia por incluir um conjunto de técnicas.

Você pode se aprofundar no tema Manejo Integrado de Pragas, e eu recomendo fortemente que o faça, nos artigos:

>> Tudo o que você precisa saber sobre Manejo Integrado de Pragas [Infográfico]
>> 8 fundamentos sobre Manejo Integrado de Pragas que você ainda não aprendeu

Mas aqui também temos algumas dicas dentro do MIP para controle da Helicoverpa armigera dentro da safra:

Pré-safra

Dê preferência para aplicações de dessecação sequenciais, sem utilização de inseticidas, já que nesse período sua  eficiência é baixa e há efeitos negativos nos inimigos naturais;

Plantio

Realize o tratamento de sementes com inseticidas, além de começar o monitoramento da lavoura com frequência (mesmo se a lavoura for Bt);

Durante a safra

Faça o monitoramento de pragas, de preferência semanalmente, por meio de amostragem.

Faça a divisão de sua plantação em talhões homogêneos (mesma época de semeadura, mesma cultivar, etc.) e não ultrapassando muito 10 hectares.

Além disso, saiba que quando você usa dosagens fora das especificações ou aplica fora do nível de controle, a seleção de indivíduos resistentes aumenta.

Por isso, é fundamental a aplicação de inseticidas (biológicos ou não) somente quando for atingido o nível de controle de Helicoverpa armigera.

niveis-ação-helicoverpa-armigera

(Fonte: Embrapa)

banner planilha manejo integrado de pragas

Agora, iremos ver como a gestão agrícola nos ajuda, e muito, com esse manejo da Helicoverpa armigera:

5ª Tecnologia: Gestão agrícola por softwares

Você pode achar que gestão agrícola não tem nada a ver com manejo de pragas.

Mas vamos analisar alguns pontos que citei durante o texto como cruciais para o controle eficiente da Helicoverpa armigera:

  • Uso de inseticidas com rotação de mecanismos de ação;
  • Aplicação de inseticidas mais seletivos;
  • Uso de outras formas de manejo, como tecnologia Bt e produtos biológicos;
  • Realização do monitoramento e aplicações somente ao atingir o nível de controle.

Em cada uma dessas questões a gestão agrícola pode nos ajudar muito para facilitá-lasEspecialmente em um software onde tudo fica mais automatizado e simples de ser visualizado.

Em um software de gestão agrícola você tem o histórico das safras anteriores.

Desse modo, você pode visualizar os produtos que usou na safra passada e assim fazer a rotação de mecanismos de ação consciente.

Você também fará o planejamento agrícola de maneira fácil e poderá saber com antecedência quais os melhores produtos a serem utilizados. Isso permite maior janela de tempo para a busca de melhores preços.

Além de planejar todos os diferentes métodos de controle, como o plantio de culturas Bt e manejo cultural.

Assim fica mais fácil lembrar o que fazer em cada etapa da safra de forma a obter o manejo eficiente não só da lagarta, mas da lavoura como um todo.

Além disso, você irá planejar o monitoramento de pragas e, após realizado o monitoramento, terá um mapa de calor indicando onde há mais e menos lagartas.

monitoramento-helicoverpa-armigera

Mapa de monitoramento de pragas com o Aegro

Custo do manejo de pragas

Para terminar de te convencer sobre a importância de um software de gestão agrícola no manejo de pragas, vamos falar sobre os custos.

Você sabe quanto gastou em inseticidas na sua safra passada? E esse custo por talhão?

Será que houve prejuízo ou ganhos nos talhões mais infestados?

Com o Aegro, isso fica fácil e simples de ser visualizado.

custos-helicoverpa-armigera

Peça uma demonstração gratuita do AEGRO aqui

Veja também como Elivelton reduziu 40% do seu custo de manutenção de máquinas com aplicativo para agricultura.

Conclusão

Trouxemos aqui 5 tecnologias para você combater de uma vez por todas a Helicoverpa armigera.

Além de fatos interessantes e dicas em cada uma delas, tivemos algumas dicas gerais essenciais.

O ideal é que todas essas tecnologias sejam usadas em conjunto e com a consciência de custos e de pressão de seleção da resistência.

E você? Vai inovar e buscar soluções eficientes e eficazes para usar em sua propriedade para manejar as pragas?

>>Leia mais:

Falsa-medideira: Como controlar adequadamente essa lagarta

Novidade no mercado de defensivos: inseticida Plethora

Você utiliza algum método de controle químico para controle da Helicoverpa armigera que não mencionei? Restou alguma dúvida? Adoraria ver seu comentário abaixo!