Produção de cafés especiais: entenda melhor esse mercado e veja as dicas de como implantar ou adaptar sua lavoura para esse tipo de bebida

O consumo de cafés especiais no Brasil cresce 15% ao ano, ritmo quatro vezes maior que o dos cafés tradicionais! No mundo, a tendência também é de aumento.

O mercado de cafés especiais, portanto, é um nicho a ser explorado. Os preços pagos são maiores e a qualidade final do produto também. 

Mas para focar na produção de cafés especiais é preciso mudar o modo como se pensa a cafeicultura. Alterações são necessárias desde à lavoura até a comercialização do produto.

Separei algumas dicas sobre como produzir cafés especiais e como não errar na transição de uma produção de cafés convencionais para os especiais. Confira!

O que são cafés especiais

O Brasil é o maior produtor de café do mundo e só perde para os Estados Unidos em consumo. Mas apenas 10% do consumo de cafés no nosso país fica por conta dos especiais. Isso por enquanto, pois esse mercado vem mudando rapidamente e o crescimento é inevitável.

Mas, afinal, o que são esses café especiais?

A SCA (Specialty Coffee Association – Associação de Cafés Especiais) padroniza a metodologia para classificação de cafés em nível mundial.

Segundo a SCA, os cafés especiais em grão verde são 100% arábica e não podem apresentar nenhum defeito primário (grãos pretos, ardidos, fungados, material estranho, etc) e, no máximo, dois defeitos secundários (defeitos parciais). 

Defeitos dos cafés em grão verde

Defeitos dos cafés em grão verde
(Fonte: Mexido de ideias.com)

Ela também considera como especiais aqueles cafés com 80 pontos ou mais em sua avaliação de bebida (que vai de 0 a 100) e analisa diversos parâmetros como mostra o vídeo explicativo abaixo.

No Brasil, a BSCA (Cafés especiais do Brasil) se baseia nessas diretrizes também. 

A seguir, veremos como produzir cafés especiais que atendam a esses parâmetros. 

Como produzir cafés especiais

É importante lembrar que a produção de cafés especiais deve visar, acima de tudo, atender à demanda do mercado consumidor desses cafés. É ele que vai direcionar as ações do produtor.

Portanto, vamos começar de trás para frente, mostrando primeiramente o que o consumidor quer e, depois, abordando como produzir café para atendê-lo.

Entenda o mercado

Segundo levantamento do Sebrae, os consumidores de cafés especiais no Brasil querem saber a origem do café e se a produção é sustentável, além de exigir qualidade, é claro

Do ponto de vista do consumo em si – do café na xícara – o mercado busca toda uma experiência de consumo, com ampla variedade de cafés e métodos de preparo, um ambiente agradável e maior proximidade com a origem do café, com o produtor.

Formas de atender à demanda

Partindo desse princípio, o produtor tem alguns caminhos a tomar, por exemplo:

  1. Produzir cafés de qualidade e se associar a cooperativas para venda.
  2. Criar a própria marca de café e vender o produto final diretamente ao varejo/consumidor final.
  3. Fornecer a experiência de se tomar um café especial, com um espaço para receber os clientes, servir, vender e contar como foi produzido aquele café.
Exemplo de cafés especiais com produção artesanal e, consequentemente, maior valor agregado

Exemplo de cafés especiais com produção artesanal e, consequentemente, maior valor agregado
(Fonte: Cafezal em Flor)

Não é o intuito deste texto entrar em detalhes sobre cada um desses modelos, pois a prosa seria longa e são apenas modelos gerais para ilustrar. Mas algumas considerações cabem aqui.

Transição de lavouras convencionais para produção de cafés especiais

Perceba que cada um desses três exemplos acima representam níveis de complexidade e detalhamento do negócio diferentes.

No primeiro caso, a transição para a produção de cafés especiais é mais fácil e necessita apenas de algumas modificações no sistema produtivo convencional.

Nos outros dois, o produtor tem que dominar as técnicas de cultivo e processamento, e entender a fundo o mercado, os canais para acessar o cliente e, mais importante, como lidar diretamente com esse público. 

O desafio é ainda maior caso se deseje explorar o competitivo mercado internacional de cafés. De qualquer maneira, todo bom café parte de boas práticas em sua produção!

Baixe grátis a Planilha de Adubação de Café

Plantio, escolha de variedades e manejo da lavoura

Como os consumidores se preocupam com as origens dos cafés especiais, é importante haver a rastreabilidade da semente à xícara. 

Portanto, no plantio ou renovação da lavoura é fundamental comprar mudas de viveiristas certificados e que sigam boas práticas na produção.

Teoricamente, qualquer variedade pode produzir cafés especiais, por isso, não é necessário que se troque a variedade já existente no local. 

No caso de lavouras novas ou em reforma, opte por escalonar a produção, com variedades precoces, médias e tardias. 

Dessa maneira a sua colheita será gradual, permitindo dedicar mais tempo à ela e colher somente os frutos realmente maduros, reduzindo a porcentagem dos verdes. 

A partir daí, o manejo pode ser convencional ou até orgânico. De qualquer maneira, o manejo sempre deve seguir boas práticas de manejo nutricional, de pragas e doenças, para uma produção sustentável de café.

Colheita e pós-colheita de cafés especiais

Talvez essa seja a parte mais importante de toda essa conversa!

Quando se fala em cafés especiais, todo capricho é pouco na hora da colheita e do processamento. É necessário padronização, uniformidade.

Primeiramente, deve-se evitar a colheita de grãos verdes, selecionando só os cerejas. No caso de colheita mecanizada, é indicado manter os verdes abaixo de 20% e separá-los após a colheita.

Cafés no ponto ideal para colheita

Cafés no ponto ideal para colheita
(Fonte: World Coffee Research)

Também é ideal dividir os cafés colhidos em lotes menores, de acordo com a variedade, expectativa de produção do talhão e também histórico da área, por exemplo. Isso facilita o controle dos cafés e a obtenção de lote mais homogêneos e melhores. 

Separação de cafés em microlotes para secagem

Separação de cafés em microlotes para secagem
(Fonte: agenciaminas.mg.gov.br)

Após a colheita, existem inúmeras possibilidades de processamento e pós-colheita para a obtenção de diversos tipos cafés especiais. Tudo é bem controlado e detalhado.  

Já falamos especificamente sobre esse processo aqui no Lavoura10! Confira aqui as tendências e perspectivas na pós-colheita para um café de qualidade.

Vale lembrar que nem toda a produção da lavoura será especial, mesmo que tudo seja controlado. Por isso, é tão importante a separação de lotes e um controle rígido sobre os cafés.

Custo de produção de cafés especiais

Quando o assunto é custo de produção, cada caso é um caso. Para cada situação podem existir diferentes questões que reduzem ou aumentam os custos.

No caso dos cafés especiais, a transição de uma produção focada no convencional para o especial pode ser mais custosa, dependendo do nível de detalhamento já empregado no manejo e gerenciamento da propriedade. 

Mas, de modo geral, os custos da produção de cafés especiais são mais elevados, pois demandam maior investimento tanto na lavoura como no pós-colheita. 

É preciso investir mais em análises de solo, foliar, no monitoramento de pragas/doenças (que precisa ser mais frequente) e no gerenciamento de talhões. Na colheita/pós-colheita, paga-se o preço de uma colheita mais seletiva, separação de lotes distintos e secagem diferenciada, por exemplo.

Contudo, devido ao maior preço pago pelo café especial, as receitas também são maiores, o que pode aumentar a lucratividade da produtividade.  

Dependendo do nicho de mercado que se quer explorar, sabemos que cafés especiais podem atingir preços elevadíssimos, onde micro-lotes equivalem a muitas e muitas sacas do convencional. Duvida que isso seja possível? Vamos lá!

Concursos de qualidade

Anualmente, a BSCA realiza o “Cup of Excellence – Brazil”, o principal concurso de qualidade de café do mundo. Uma forma de premiar os melhores cafés, melhorar a imagem do café do Brasil internacionalmente e incentivar a produção de café especiais.

Na edição do ano passado, 2019, o ganhador era da região Sul de Minas Gerais e vendeu seu café por “míseros” US$ 7.900 a saca! Isso mesmo! E, na média dos competidores do concurso, nenhum café saiu por menos de US$ 1.500 a saca.

Regiões brasileiras produtoras de café arábica e robusta

Regiões brasileiras produtoras de café arábica e robusta
(Fonte: BSCA)

Esse exemplo ilustra muito bem como a produção de cafés especiais pode ser uma solução, especialmente em tempos de baixo preço do café na bolsa de Nova York.

Logicamente, essa qualidade não se fez da noite para o dia. Houve muita dedicação e trabalho por parte desses produtores para chegar a isso. Mas se eles conseguiram, por que você também não pode conseguir? E aí, o que me diz?

Conclusão

O mercado de cafés especiais é um nicho a ser explorado pelo cafeicultor brasileiro. São várias opções a seguir, mas, para fazê-lo, é necessário tomar cuidados adicionais, desde o campo até a xícara. 

Nesse quesito, o produtor brasileiro está com a “faca e o queijo na mão” ou melhor “com o “coador e a xícara na mão”! Já sabemos produzir café muito bem, basta alguns ajustes para obter maior qualidade no produto. 

A produção de cafés especiais deve ser voltada para as exigências do mercado. Assim, embora tenha um maior custo associado, a produção pode ser vantajosa, pois os preços pagos pelo produto também são maiores.

Não existe uma receita pronta sobre como produzir cafés especiais. Para cada realidade, o mercado desses cafés pode ser explorado de forma distinta e igualmente válida!

>> Leia mais:

10 dicas para melhorar a gestão da sua lavoura de café

Adubação para café: simples e prática (+ planilha)

Você já pensou em adaptar sua lavoura para a produção de cafés especiais? Quais as maiores dificuldades para isso? Conte para gente nos comentários. Grande abraço e até a próxima!