Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

colheita mecanizada do café

Como a colheita mecanizada do café pode reduzir os custos da sua operação

- 20 de julho de 2021

Colheita mecanizada do café: confira as vantagens, desvantagens e cuidados que você deve ter utilizando esse método!

A colheita mecanizada na cafeicultura brasileira ganhou novo impulso com a pandemia da Covid-19. A mão de obra no campo foi reduzida por conta do distanciamento social

Os avanços em pesquisa e inovação têm mostrado diversos benefícios deste método de colheita.

redução de custos de até 62,36% em relação à colheita manual. Além disso, há ganho de qualidade do grão com a colheita seletiva, essencial para cafés especiais.

Mas a colheita mecanizada do café exige diversos cuidados para que seja realizada de maneira eficiente, como você verá neste artigo. Confira!   

A colheita mecanizada de café no Brasil

No Brasil, a maior parte das áreas produtivas realiza a colheita do café entre maio/junho e segue até agosto/setembro

Líder mundial na produção, o país deve colher em 2021 pouco mais de 47 milhões de sacas de 60 kg do grão, 68% do tipo arábica e 32% da variedade conilon (ou robusta).

A colheita mecanizada do café responde por metade dos métodos empregados nessa fase da produção no Brasil:

  • 24% dos produtores fazem a colheita manual;
  • 22% usam a derriçadora, máquina portátil que retira o café;
  • 4% realizam a colheita manual seletiva;
  • e 50% a colheita mecanizada.

A colheita mecanizada do café predomina em propriedades acima de 25 hectares. Isso principalmente nas áreas com 26 a 50 hectares, em que 59% usam este método

Mas até em propriedades menores (entre 6 e 15 hectares), a colheita mecanizada chega a 25%. Nas áreas com 15 a 25 hectares, 38%.

máquina azul e colheita mecanizada em área de produção de café no oeste da Bahia

Colheita mecanizada em área de produção no oeste da Bahia
(Foto: Divulgação/Pinhalense)

Métodos de colheita de café

Há três tipos:

1. Manual   

Neste método, são selecionados os frutos maduros por meio da catação, a dedos ou da derriça. Os grãos são jogados em uma lona ao chão, recolhidos, peneirados e ensacados. 

2. Semimecanizada

É feita com o uso de derriçadores portáteis (costais). Alguns podem multiplicar por quatro a produtividade em campo.

3. Mecanizada 

Utiliza máquinas automotrizes cuja eficiência depende de regulagens, conforme a topografia do terreno e o objetivo da colheita.

A colheita deve ser feita de duas a três passadas, em intervalos de até 25 dias, a depender da região.

Vantagens da colheita mecanizada do café

A principal vantagem da colheita mecanizada no café, em relação à colheita manual, é a redução de custos. Ela varia entre 30% a 40%, mas pode chegar a 62,36%.

Outra vantagem é a redução do tempo da colheita, pois o uso de máquinas multiplica o trabalho. Os custos de mão de obra também são reduzidos.

Quando a planta é liberada mais cedo da época de colheita, ela ganha tempo de recuperação para a próxima floração, o que pode resultar em maior produtividade.

Desvantagens

A exemplo de outras culturas, a mecanização na cafeicultura só não é possível em áreas de muito declive. 

As máquinas conseguem atuar em áreas com inclinação de até 20% – a maioria, até abaixo disso, no máximo 15%.

Quando as condições topográficas não são favoráveis, é preciso empregar outros tipos de máquinas, geralmente de menor capacidade. Isso prolonga o tempo de colheita e eleva o custo.

O custo inicial elevado (uma colhedora custa entre R$ 300 a R$ 450 mil) é a principal desvantagem da colheita mecanizada.

Porém, a depender da área de produção, o investimento pode ser recuperado em duas ou três safras.

Principais modelos de colhedoras

No Brasil, as principais são:

  • Case;
  • Jacto;
  • Avery;
  • Matão;
  • Selecta;
  • Pinhalense;
  • Vn Suprema;
  • Maco Matao;
  • IH.

É importante observar que há máquinas específicas para atuação em lavouras de café conilon e arábica. A regulagem de cada uma depende das particularidades do cafezal.

As colhedoras, geralmente, trabalham com segurança em áreas com declividade de até 20%. Algumas chegam a operar com pouco mais que isso. 

tabela com detalhes dos modelos de algumas colhedoras

Detalhes dos modelos de algumas colhedoras
(Foto: Grupo Cultivar)

A maioria das colhedoras opera de forma parecida na derriça e recolhimento dos frutos.

A descarga do café normalmente é feita por meio da bica lateral em carreta graneleira, ensaque ou depósito. Elas rendem em torno de 3 mil litros de café por hora.

Há fatores que interferem na regulagem das colhedoras. Veja:

  • condições das plantas
  • a temperatura;
  • a altitude;
  • chuvas;
  • declividade do terreno;
  • estágio de maturação dos frutos. 

Pesquisas científicas recentes sugerem que a vibração da máquina deve ser entre 800 rpm e 1.000 rpm. A velocidade deve estar entre 1.000 metros/hora e 1.300 metros/hora.

Etapas da colheita mecanizada

O trabalho dessas máquinas, que operam por meio de sistemas hidráulicos, consiste em fazer a derriça com o trabalho de varetas vibratórias. 

Em seguida, é feito o recolhimento, abanação e descarga do café.

O recolhimento mecanizado tem duas etapas. Na primeira, o café e detritos são soprados para as ruas paralelas, e são formadas as leiras, numa operação de 2h/há.

Já na segunda, entra em ação a recolhedora, cujo trabalho é o dobro do tempo.   

Na abanação, o café passa por um processo de limpeza e retirada de detritos. Depois, é enviado para a descarga em sacos ou caçambas.

Regulagem da colheita mecanizada

Na avaliação sobre a regulagem ideal para a eficiência da colheita mecanizada, é essencial que você observe:

  • a cultivar do café;
  • a altura;
  • a idade das plantas;
  • a região da área de produção;
  • o objetivo do plantio.

Pesquisadores recomendam utilizar vibrações menores em plantas mais novas. Assim, elas não ficarão muito danificadas.

Cada cultivar tem uma tem um tipo de maturação (pode ser precoce ou tardia). Além disso, há diferenças na arquitetura e desprendimento dos frutos.

As características climáticas de cada local, sobretudo o regime pluviométrico, influenciam na maturação dos frutos, crescimento e produtividade do café

Caso a irrigação do café seja feita por meio de pivô central, é necessária maior atenção na colheita. Haverá variabilidade de maturação dos dois lados da linha do café.

Café colhido de forma manual

Café colhido de forma manual
(Foto: Fábio Moreira)

Café colhido de forma mecanizada

Café colhido de forma mecanizada
(Foto: Fábio Moreira)

Café de colheita mecanizada seletiva

Café de colheita mecanizada seletiva
(Foto: Fábio Moreira)

Carga de café nas plantas e maturação

Um ponto importante a se observar é a carga de café presente nas plantas. Essa carga influenciará na eficiência da colheita mecanizada. 

Quanto maiores as cargas, maiores as vibrações das varetas e menores velocidades na derriça, para que os frutos sejam recolhidos no sistema de recolhimento. 

A observação da maturação dos frutos é importante, sobretudo na realização da colheita seletiva do café.

Frutos verdes exigem que a vibração das varetas sejam maiores e a velocidade da colhedora reduza. Isso gera maior gasto de combustível.

O contrário ocorre com frutos cereja e secos, o que favorece a colheita seletiva. A partir dessa avaliação, é programado o intervalo para a segunda e terceira passada.   

O intervalo de uma passada para outra é menor em regiões mais quentes. Em geral, fica em torno de 25 a 40 dias, a depender das condições da região da lavoura. 

Para essa segunda operação, é preciso retirar as varetas da parte de baixo da máquina. Mas essa retirada não pode ser total: é preciso deixar a parte de baixo (duas linhas).

A terceira passada é recomendada para áreas com cargas muito altas de café.

Nesse caso, a colheita deve ser iniciada de forma antecipada, para os intervalos coincidirem com o tempo de colheita normal.  

planilha estoque de máquinas e peças Aegro, baixe agora

Conclusão

A colheita mecanizada do café promove redução de custos e influencia diretamente na qualidade da bebida.

Fique por dentro dos fatores que influenciam na eficiência da colheita mecanizada, principalmente na seletiva para cafés especiais.

Os aprimoramentos dos maquinários estão em processo constante, assim como as pesquisas sobre avaliações das condições das plantas e do amadurecimento dos frutos.

Ao escolher o tipo de máquina que você utilizará, considere as necessidades da sua área de produção e a relação custo/benefício

Consultar um especialista no assunto é essencial para ter segurança no que será feito.

>> Leia mais:

O que fazer para minimizar os impactos da geada no café e evitar prejuízos

Pós-colheita do café: Tendências e perspectivas para cafés de qualidade

Você faz a colheita mecanizada do café em sua propriedade? Faz a regulagem da máquina de acordo com as especificações da sua área de plantio? Deixe sua experiência aqui nos comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Banner de teste grátis do Aegro na cor verde com uma imagem no meio de uma máquina trabalhando no campo