Colheita do café: Aprenda a estimar a produtividade, saiba mais sobre os tipos de colheita e outros cuidados que se deve ter para evitar perdas!

A colheita do café é o momento que mais esperamos. É quando todo nosso esforço é recompensado!

Mas, para que ela seja satisfatória, precisamos ter planejamento!

A fase que antecede a colheita é tão importante quanto a própria colheita em si. Ela é fundamental para obter bons resultados, garantir a qualidade e rentabilidade do nosso café.

Reuni aqui algumas dicas que podem te ajudar na hora da colheita do café. Confira a seguir!

 


1 – Planejando a colheita do café: Não deixe tudo pra última hora

A safra brasileira de café será de 52 milhões de sacas em 2019, segundo a Conab. O ano é de baixa, mas ainda assim é “um mundo de café”!

Para colher toda essa quantidade, é necessária uma gigantesca operação de colheita por todo o país.

Sabemos que colheita e mão de obra podem representar a maior parte dos custos de produção. Por isso, um bom planejamento dessa atividade é essencial.

Antes da colheita, é hora de revisar os equipamentos, avaliar o estado do terreiro/secadores e verificar a necessidade de compra de materiais para a colheita (panos, lonas, etc).

Não deixe tudo para a última hora! Isso só irá ocasionar problemas… A colheita pode atrasar e aí teremos prejuízos.

Saber quanto seu cafezal irá produzir ajuda no planejamento, na determinação do tempo de colheita, área de terreiro necessária e dimensionamento de mão de obra.

Por isso, vou te explicar agora como calcular essa produtividade.

2 – Como estimar a produtividade do seu cafezal

colheita do café
(Fonte: Senado)

A produtividade do cafezal depende de alguns fatores como:

  • População de plantas
  • Número de ramos produtivos por planta
  • Número de nós por ramo
  • Número de frutos por nó

Avaliar esses parâmetros a campo pode ser um pouco complicado, já que há muita variação no cafezal.

Na prática, a estimativa de produtividade é feita visualmente, com a experiência de campo do produtor ou consultor.

Uma pessoa experiente consegue estimar de maneira precisa a produção do cafezal, geralmente em litros/planta.

Considerando uma produção média, multiplica-se pela população de plantas, obtendo-se então a produtividade daquela área.

Sabe-se que são necessários de 450 L a 500 L aproximadamente para formar uma saca de café beneficiado.

Assim, ao dividir o valor obtido por algo entre 450-500, o resultado será em sacas/ha.

Mas, se eu não tenho experiência, o que eu faço?

Calma, meu amigo! Existe uma coisa simples que você pode fazer:

Escolher algumas (4 ou mais) plantas que representem bem o talhão e colher todos os frutos. Esses frutos colhidos são então colocados em um recipiente para determinar a “litragem” por planta.

Por exemplo, se os frutos de um pé de café encherem um balde de 5 litros, então você tem 5L de produção em uma planta.

A partir daí, continuamos o mesmo cálculo exemplificado anteriormente para obtermos a produtividade em sc/ha.

Veja este exemplo de como estimar a produtividade:

Considerando uma produção de 4 L/planta, uma população de 5.000 plantas/ha e 480 L para formar uma saca, teremos:

  • 4 L/planta x 5.000 plantas/ha = 20.000 L/ha.
  • 20.000 (L/ha) / 480 (L/saca) = 41,6 sc/ha

Nesse exemplo a produtividade estimada seria de aproximadamente 42 sc/ha.

Pronto, estimamos a produtividade do nosso cafezal! Aos poucos você vai calibrando os olhos e conseguirá estimar visualmente!

colheita do café
(Fonte: Conab)

Antes da colheita: baixe aqui uma planilha gratuita para adubação do cafezal!

3 – Deixe a lavoura arrumada antes da colheita do café

Aproximadamente 30 dias antes do início da colheita do café, recomenda-se fazer a arruação da lavoura.

Essa prática consiste em roçar o mato na entrelinha e enleirar os resíduos abaixo da saia, no meio da entrelinha do cafezal.

A arruação visa a limpeza do solo próximo ao café para facilitar o processo de colheita.

Para realizar essa operação no tempo certo, precisamos saber quando será a colheita.

E isso se consegue com monitoramento da lavoura. Vou explicar melhor:

4 – Monitore sua lavoura de café

Aqui no Brasil, a colheita do café vai de abril até setembro, concentrando-se entre junho e agosto. Esse período varia do Sul de Minas à Bahia, de talhão para talhão.

Cabe ao produtor monitorar a maturação de seus talhões e glebas para o iniciar a colheita na época certa.

Isso pode ser feito através da amostragem de plantas, colhendo-se frutos e avaliando a porcentagem dos verdes.

5 – Comece a colheita com os frutos maduros

Como eu disse anteriormente, o início da colheita depende da maturação dos frutos.

E depende também do volume de produção, tipo de colheita, mão de obra disponível, estrutura de secagem e da qualidade do café que se deseja colher.

De qualquer maneira, o ponto ideal de colheita é quando a maioria dos frutos estiver cereja. Isso ocorre, em média, sete meses após a floração, dependendo das condições climáticas.

colheita do café
Café cereja – cultivares vermelho e amarelo
(Foto: Arquivo pessoal do autor)

Contudo, o cafeeiro apresenta mais de uma florada. Isso faz com que nem todos os frutos estejam maduros ao mesmo tempo.

colheita do café
Frutos colhidos ao mesmo tempo em diversos graus de maturação. Da esquerda para a direita: verde, verde-cana, cereja, passa e boia
(Foto: Arquivo pessoal do autor)

A presença de grãos verdes traz prejuízos no peso dos grãos, qualidade e ao bolso do produtor.

Recomenda-se iniciar a colheita com no máximo 20% de frutos verdes. Quanto menos verdes, melhor.

Esse ponto inicial depende daqueles fatores que eu mencionei acima, principalmente do rendimento da operação, relacionado ao tipo de colheita.

6 – Qual tipo de colheita do café é a ideal para minha lavoura?

A declividade do terreno, o espaçamento, o sistema de produção e a idade da lavoura de café podem determinar qual tipo de colheita deve ser utilizado.

Também existem diferenças entre a colheita do café arábica e do conilon. Vou detalhá-las:

Colheita mecanizada

No café arábica, a colheita mecanizada é empregada sempre que não houver limitações como declividade do terreno ou, em alguns casos, arborização.

Ela pode ser seletiva ou não, mas apresenta maior rendimento operacional, reduzindo custos de colheita.

O segredo para uma colheita mecanizada bem-feita é regular à velocidade da operação e a vibração das hastes.

colheita do café
Exemplo de máquina colhedora de café
(Foto: Arquivo pessoal do autor)

Em alguns casos, não é possível fazer a colheita mecanizada.

Tem-se então duas opções: a colheita semi-mecanizada, que faz uso de uma derriçadora manual, ou a colheita manual.

colheita do café
Derriçadora é uma das opções para colheita semi-mecanizada do café
(Foto: Revista de Agronegócios)

Colheita manual

A colheita manual exige grande quantidade de mão de obra. Quanto mais seletiva, maior será essa quantidade.

Isso aumenta muito os custos de produção e diminui o rendimento da operação.

Pode ser realizada a derriça, colhendo-se todos os frutos independentemente do grau de maturação.

Os frutos colhidos trazem detritos consigo, razão pela qual são depositados em uma peneira para realizar o processo chamado de abanação, que compreende a pré-limpeza da colheita.

Outra maneira é realizar a colheita seletiva, para separar os frutos, colhendo apenas os cereja.

É um procedimento demorado e que demanda a maior quantidade de mão de obra dentre os tipos de colheita.

É o método que se adapta melhor a pequenos produtores ou àqueles cujo foco é a qualidade dos grãos, visando bonificações na venda, com cafés especiais.

colheita do café
(Fonte: Hoje Rondônia)

O café conilon

Devido à arquitetura da planta, prevalece a colheita manual nas lavoura de café conilon.

O que tradicionalmente era feito por derriça com posterior poda dos ramos, hoje se modernizou, aumentando o rendimento da operação. 

7 – Capriche na colheita do café e varra bem a sujeira…

Uma colheita do café bem-feita reduz as perdas no campo. Contudo, estima-se que cerca de 10% dos frutos caiam ao chão.

Ao permanecerem ali, esses frutos sofrem fermentações que reduzem a qualidade e facilitam a multiplicação de pragas como a broca-do-café (Hypothenemus hampei).

A prática da varrição é essencial no controle da broca e deve ser feita no pós-colheita do café. Veja:

Dica bônus: Processamento

O que será feito com o café colhido depende do objetivo de cada produtor e seria tema para um outro texto.

Fato é que a etapa de processamento é a que mais influencia na qualidade da bebida de café e, portanto, toda atenção deve ser tomada.

Todo cuidado na roça pode ser em vão caso o processamento não seja bem feito. Pense nisso!

Conclusão

Como pudemos acompanhar, a colheita do café é um passo importantíssimo para garantir a qualidade e rentabilidade de sua lavoura.

Aqui você aprendeu a estimar a produtividade de seu cafezal e como alguns cuidados devem ser tomados antes, durante e depois da colheita para obter bons resultados.

Capriche na colheita, reduzindo a proporção de frutos verdes e evitando quedas de frutos no chão.

De nada adianta o esforço da safra toda se, ao final, fizermos bobagem, não é mesmo?

>> Leia mais: 

“Acerte no adubo líquido para café e não jogue dinheiro fora”

Todas as recomendações para o melhor plantio do café

Variedades de café mais produtivas: como escolher a melhor para sua propriedade

“Adubação para café: Simples e prática (+ planilha)”

E você, já está se preparando para colheita do café? Conte pra gente como você realiza sua colheita e, se tiver alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo. Grande abraço!