Mapeamento de fertilidade do solo: saiba como fazer a aplicação de insumos de forma eficiente nas lavouras.

Ferramentas de agricultura de precisão estão cada dia mais presentes nas propriedades.

O mapeamento da fertilidade do solo, por exemplo, é uma prática que auxilia a entender melhor as manchas nas lavouras e a fazer a aplicação mais racional dos produtos. Isso se traduz em eficiência e até mesmo economia na utilização.

Quer entender mais sobre como gerar os mapas de fertilidade e utilizá-los da melhor forma na fazenda? Confira a seguir!

O que são mapas de fertilidade do solo?

O mapeamento de fertilidade do solo é uma prática que considera a variabilidade dos elementos presentes no solo. Os mapas indicam as manchas de nutrientes conforme sua localização espacial e têm grande utilidade para a Agricultura de Precisão (AP).

Em outras palavras, os mapas de fertilidade servem para aplicação de fertilizantes e corretivos em doses variadas nas áreas. Isso faz com que a aplicação seja otimizada, baseada nos mapas de cada talhão ou lavoura.

Algumas soluções de AP utilizadas no Brasil, como os mapas de fertilidade do solo, são focadas na aplicação desses insumos, de acordo com as manchas. Porém, o conceito de agricultura de precisão vai além da aplicação de fertilizantes e corretivos em taxas variadas.

mapa de monitoramento do solo pela SLC Agrícola

(Fonte: SLC Agrícola)

Dentro dos conceitos de agricultura de precisão temos também toda a gestão da lavoura de forma diferenciada, seja para sementes, produtividade, compactação do solo, infestações de pragas, plantas daninhas, entre outras.

Os mapas de fertilidade do solo e os de produtividade são as principais estratégias para manejo das lavouras e reposição de nutrientes de forma localizada.

A maioria dos usuários de agricultura de precisão no Brasil inicia seu manejo com amostragens georreferenciadas de solo.

As amostragens geralmente são em grade, por ponto ou célula, ou amostragem inteligente, levando em consideração outros atributos dos talhões para orientar as coletas de solo.

A amostragem georreferenciada é relativamente simples e, devido a isso, é muito utilizada para criação dos mapas de fertilidade do solo.

Como realizar o mapeamento da fertilidade do solo

O primeiro passo para realizar o mapeamento da fertilidade do solo consiste na criação da grade amostral. Isso pode ser feito em aplicativos de celular ou softwares dedicados de sistema de informação geográfica (SIG), como o QGIS, entre outros.

Posteriormente à criação da grade, o usuário vai a campo realizar a retirada das amostras com trado, quadriciclos ou amostradoras elétricas, à combustão ou hidráulicas.

Essas amostras são enviadas ao laboratório que, por sua vez, realiza as análises e devolve os dados brutos ou até mesmo já processados e interpolados ao usuário.

Tais mapas podem ser utilizados para confecção dos mapas de recomendação de adubação e posterior aplicação no campo com máquinas específicas. Todo esse procedimento leva em torno de 10 a 20 dias.

A agilidade dessa metodologia satisfaz os produtores com a criação dos mapas de fertilidade. Uma vez com estes mapas, é possível aplicar os insumos de acordo com os teores e necessidades no solo.

A outra forma de realizar a aplicação é baseada nos mapas de produtividade, que além de analisar somente os nutrientes presentes nos solos, leva em consideração a produtividade das culturas e, consequentemente, extração de nutrientes.

A utilização dos mapas de produtividade requer certo conhecimento por parte do produtor, além da correta calibração dos equipamentos instalados nas máquinas. Devido a esses fatores, os mapas de produtividade ainda não são os mais utilizados no Brasil.

Como interpretar os mapas de fertilidade corretamente

Os mapas de fertilidade analisados em conjunto com os mapas de produtividade trazem melhores resultados aos produtores. O maior volume de dados facilita o diagnóstico de acordo com a variabilidade e as manchas presentes nas lavouras.

O entendimento das relações entre causa e efeito podem ser melhor interpretados com o auxílio de ambos os mapas, uma vez que áreas com fertilidades mais baixas apresentam menores produtividades.

Algumas interpretações podem ser realizadas de acordo com o modelo de gestão de cada fazenda.

Algumas fazendas buscam aumentos de produtividade. Dessa forma, analisam os mapas de fertilidade e, além de simplesmente repor os nutrientes, utilizam conceitos agronômicos para inserção de maiores doses para elevar a produtividade.

Outra estratégia de gestão pode ser a redução do uso de insumos. Nesse caso, os mapas de fertilidade do solo servirão de guia para aplicações localizadas, visando suprir o que foi extraído pelas culturas ou o que está em falta nos solos.

A economia de insumos é evidente em muitos casos, principalmente para calcário e fertilizantes, devido ao simples fato da recomendação em dose única se basear, geralmente, nas maiores necessidades dos talhões.

Como aplicar os insumos em taxas variadas 

A aplicação dos insumos em taxas variadas baseadas no mapeamento de fertilidade do solo é governada por equipamentos específicos para esta finalidade.

As máquinas possuem alguns sistemas acessórios e, dentre eles, sempre estão presentes:

  • GPS (para localização das lavouras);
  • monitor (responsável por integrar todo o sistema e ler o mapa de recomendação);
  • controladores (que governam a aplicação, atuando na velocidade da esteira ou abertura da comporta).
foto de trator digitalizado  na lavoura, com imagens de gps e monitoramento

(Fonte: Dinheiro Rural)

Mesmo quem não tem máquinas com estes kits pode aplicar de forma diferenciada e otimizada.

A aplicação de insumos pode ser realizada com a demarcação prévia de zonas dentro das lavouras, com auxílio de aplicativos de celular.

As aplicações dentro das zonas será fixa, porém, de uma zona a outra, pode-se mudar a dose e regular a máquina para nova taxa, realizando a aplicação sem a necessidade de máquinas ou equipamentos mais caros. 

Um aplicativo que pode ser utilizado nestes casos é o Field Navigator. Com o auxílio do GPS do celular, é possível demarcar as zonas no campo e realizar as aplicações baseadas nos mapas de fertilidade dos solos.

Ilustração do ícone do aplicativo Field Navigator

Fonte: (Field Navigator)

Conclusão

O mapeamento da fertilidade do solo auxilia no correto entendimento das manchas e das necessidades dos insumos de cada porção das lavouras.

Os mapas de fertilidade do solo pode ser o início dos mapeamentos para quem quer iniciar a agricultura de precisão em suas lavouras.

Atualmente, temos inúmeros prestadores de serviço que realizam desde a amostragem georreferenciada do solo até a criação dos mapas de recomendações para aplicações otimizadas dos insumos.

Cabe a você decidir se irá realizar os mapeamentos por conta própria ou terceirizar este tipo de serviços em suas propriedades.

Uma coisa é certa: realizando ou não a amostragem, os mapas de fertilidade de cada talhão devem ser guardados e analisados ano após ano. O acompanhamento histórico pode auxiliar bastante no entendimento correto do que ocorre em cada mancha da sua lavoura!

>> Leia mais:

Agricultura digital: realidade e tendências

Você realiza o mapeamento de fertilidade do solo da sua fazenda? Aplica os insumos de forma otimizada? Adoraria ver seu comentário abaixo!