Produção de milho 2019: Como a safra recorde no Brasil e quebra de produção nos Estados Unidos têm impactado o mercado desse grão

Segundo dados da Conab, a safra de grãos brasileira de 2018/19 deve chegar a 240,7 milhões de toneladas.

Um dos grandes destaques é justamente o milho safrinha, com produção de 72,4 milhões de toneladas.

Com toda essa oferta de milho no mercado, será que os preços pagos por esse grão irão diminuir? E como será o impacto da quebra de safra do milho dos Estados Unidos?

Se você também está curioso por estas respostas, tire essas e outras dúvidas a seguir!

Produção de milho 2019: Expectativas de safra

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou, neste mês de julho de 2019, alguns números a respeito da produção de grãos brasileira 2018/19.

Novamente, safra após safra, ano após ano, os agricultores estão dando show no quesito de produção agropecuária.

A safra deste ano será mais um recorde na série histórica, com números que se aproximam de 240,7 milhões de toneladas. Isso representa 5,7% ou 13 milhões de toneladas de grãos a mais que na safra passada.

A colheita de milho segunda safra (safrinha) é o grande destaque. Com previsão de colheita da ordem de 72,4 milhões de toneladas, o milho safrinha apresenta crescimento de 34,2% frente ao volume colhido em 2017/18.

O milho primeira safra deve produzir algo em torno de 26,2 milhões de toneladas, volume que chega a ser 2,5% menor que na safra passada.

Os valores da produção total, ou seja, primeira e segunda safra juntos, chegam a 98,5 milhões de toneladas. Esse índice representa 22% de crescimento em relação à safra anterior.

Com o aumento da área plantada, os números da safra 2018/19 ultrapassam 17 milhões de hectares semeados.

Analisando a produtividade média nacional, também notamos grandes avanços. Os valores da safra 2018/19 chegam a 5,7 toneladas por hectare, 17,5% a mais que na safra passada, que era de 4,8 toneladas por hectare.

produção de milho 2019

Produção de milho 2019 é maior na safrinha: 72,4 milhões de toneladas devem ser colhidas, segundo levantamento de safra da Conab

(Fonte: Revista Globo Rural)

Produção de milho 2019: Cenário internacional

Conhecer o comportamento dos compradores mundiais, bem como a flutuação de preço do milho, pode acarretar em lucro ou prejuízo.

O mercado global de milho neste ano vem passando por momentos que podem abrir oportunidades aos agricultores brasileiros.

Nos Estados Unidos, o plantio de milho atrasou devido a condições de chuva que afetaram as regiões produtoras do grão do país. Aliás, boa parte nem sequer foi semeada, representando uma diminuição do grão no mercado, já que os Estados Unidos é o país que mais produz o grão.

Na Argentina, outro grande produtor de milho, as chuvas constantes durante o mês de junho também têm afetado a produção.

Segundo informações do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção de milho norte-americana deve ficar em torno de 350 milhões de toneladas na safra 2019/2020.

Por mais que este número pareça alto, a produção sofrerá redução de 5,1% em relação ao colhido no ano passado. Esse volume de produção também será o menor desde a safra 2015/16 nos EUA.

De acordo com este cenário de redução na produção norte-americana, os preços futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT) sofreram altas significativas, segundo Leonardo Sologuren.

Conforme Sologuren, as exportações norte-americanas não irão atingir o volume pretendido, chegando a projeções de redução de 2,3% na safra 2019/20.

Os agricultores brasileiros podem agarrar parte dessa fatia de mercado em exportações, uma vez que o nosso país é o 2º maior exportador dessa commodity.

Produção mundial de milho 2019/20 de acordo com o 3º Levantamento do USDA/Fiesp 

(Fonte: Fiesp)

Contratos futuros

Os contratos de mercados futuros, negociados com base na CBOT (Bolsa de Chicago), vem com sucessivas altas de preços.

Isso se deve à previsão de menores quantidades de milho no mercado devido à quebra de safra de alguns países, especialmente Estados Unidos.

Com a previsão de melhora nas condições climáticas americanas, houve algumas desvalorizações nos últimos dias. O contrato setembro/19 opera nesta data a US$ 4,25 por bushel, enquanto, o dezembro/19, US$ 4,29 por bushel.

Mesmo assim, o contrato futuro pode ser uma boa alternativa ao mercado interno, já que a safra brasileira será recorde de produção, o que pode resultar em preços internos menores, mesmo que esses preços sejam impactados pelo mercado internacional.

Exportações e tendências de preços do milho 2019

Atrelado a esse espaço no mercado de exportações, temos um panorama de desvalorização do Real frente ao dólar. E isso ajuda na hora das exportações de nossas mercadorias.

Com isso, temos o milho brasileiro sendo negociado a um preço atrativo no mercado internacional. Assim, os agricultores brasileiros tornam-se ainda mais competitivos nas vendas externas.

Nesse cenário positivo, nosso país deve exportar cerca de 35 milhões de toneladas de milho da safra corrente. Essa quantidade seria um recorde histórico.

Com a colheita chegando ao fim (cerca de 70% colhido no Sul e 90% no Centro-Oeste), os portos brasileiros começar a aquecer para a cultura do milho. 

Os compradores com necessidade recorrente do grão buscam a compra com preços menores, mas os produtores não estão cedendo a pressão e preferem não vender ainda.

Para quem gosta de acompanhar as flutuações de preços das commodities agrícolas, o Cepea é uma ótima referência.

No site, é possível acompanhar as variações dos preços de acordo com as regiões produtoras. Você também pode visualizar uma estimativa de custos de produção e analisar relatórios agrícolas mensais de diversas culturas, como soja e milho. Veja as últimas cotações do milho:

Planejamento Agrícola

Para o correto destino da nossa safra, um bom planejamento agrícola é essencial para o sucesso da nossa cadeia produtiva.

Frente ao volume produzido e aos custos que você teve na sua produção, um bom planejamento com coleta de dados pode auxiliar a escolher o destino final do seu milho.

Armazenamento de grãos

O Brasil tem capacidade de armazenagem de 169,5 milhões de toneladas, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O Estado do Mato Grosso possui a maior capacidade de armazenagem, com 39,8 milhões de toneladas.

O maior volume estocado no Brasil hoje é de milho.

Conforme os números contabilizados no segundo semestre de 2018, são 7.789 estabelecimentos ativos no país.

produção de milho 2019

Número de estabelecimentos e capacidade útil instalada, por tipo, segundo as Unidades da Federação

(Fonte: IBGE)

No entanto, você deve levar em conta custos e manutenções dos equipamentos para evitar perda da qualidade dos produtos.

A armazenagem pode ser uma alternativa a quem possui silo ou armazém perto da propriedade ou com valores acessíveis para guardar o excedente e tentar negociar por valores mais atrativos depois. 

Conclusão

A situação desfavorável da produção de milho dos Estados Unidos favorece os agricultores brasileiros. 

Com a menor produção naquele país, há mais chance para a comercialização do grão no mercado internacional. 

Assim, a exportação de milho, bem como contratos baseados no mercado internacional, pode ser uma boa opção aos agricultores brasileiros.

O armazenamento desses grãos também pode ser uma alternativa interessante, considerando que a menor produção norte-americana pode elevar os preços globais do milho nos próximos meses.

Com as informações passadas aqui, espero que você se prepare e tenha a melhor venda da sua safra!

>> Leia mais: “Perspectivas do agronegócio brasileiro 2019

>> Leia mais: “Demanda chinesa, clima e câmbio direcionam preços da soja 2019”

Como está sua expectativa em relação à produção de milho 2019? Você acompanha os preços do grão no mercado nacional e internacional? Adoraria ver seu comentário abaixo!