A adubação verde é uma prática antiga que envolve incorporação de plantas, produzidas ou não na propriedade.

São plantas utilizadas para melhorar as qualidades físicas, químicas e biológicas do solo.

Um dos melhores benefícios, é que você pode diminuir o uso de fertilizantes e diminuir os custos da sua produção.

E aí que pode entrar as leguminosas para a adubação verde, fornecendo maior quantidade de nitrogênio no solo para os próximos cultivos.

Mas quais as espécies mais indicadas? E em cada região do país?

Neste artigo vamos responder todas essas dúvidas e muito outros fatos sobre a prática de adubação verde. Confira:

O que é adubação verde?

A adubação verde refere-se à utilização de plantas, seja em rotação, sucessão ou em consórcio com as culturas, que são incorporadas ao solo.

adubação verde

(Fonte: Learner)

Ela tem como objetivo principal a ciclagem e o fornecimento de nutrientes, mas também mantém e melhora as características do solo.

A prática de cultura de cobertura utiliza as mesmas espécie da adubação verde, mas nesse caso o objetivo é outro: é a cobertura do solo pela palha que essas plantas produzem.

Mas isso é assunto para outro artigo, e você pode ver mais sobre isso aqui.

Além disso, a família das leguminosas (Fabaceae) é a mais utilizada por reduzir a aplicação de adubos nitrogenados.

Essas plantas se associam à bactérias, fixando nitrogênio no solo por meio da simbiose com esses microorganismos.

Além disso, a alta produção de biomassa é uma das características importantes para a escolha da espécie a ser utilizada como adubo verde.

No entanto, as propriedades químicas promovidas, são bastante variáveis.

E depender de fatores como: escolha da espécie, manejo da biomassa, época de plantio, tempo de permanência de resíduos no solo, condições locais.

Por isso, é importante saber como está seu solo, e o que você precisa melhorar, para assim decidir qual a melhor espécie de adubo verde deve utilizar na sua área, o que ainda veremos neste artigo.

Se você ainda não se convenceu sobre a adubação verde, confira a seguir tudo o que essa prática pode oferecer:

Benefícios da adubação verde

As leguminosas são plantas fixadoras de nitrogênio, produzindo biomassa rica neste nutriente.

Essas espécies podem ser roçadas e incorporadas no solo, contribuindo para melhorar as condições nutricionais e de matéria orgânica, após a decomposição.

Sendo assim, o nitrogênio liberado nesta etapa será aproveitado pela cultura de interesse econômico, plantada no início da safra.

O que diminui o uso de fertilizantes nitrogenados, diminuindo o custo, e aumentando a produtividade por melhorar as condições do solo.

As leguminosas, fixadoras de nitrogênio, também proporcionam um ambiente mais propício à presença de fungos micorrízicos.

Estes beneficiam muito na absorção de nutrientes e água pelas raízes das plantas.

Importante comentar, que em profundidade, influenciam na infiltração e retenção de água no solo.

Isso porque as raízes criam canais no solo que melhoram sua estrutura, facilitando a maior umidade do mesmo.

Assim enumeramos alguns benefícios principais da adubação verde a seguir.

Segundo EMBRAPA, os  benefícios concedidos pela adubação verde incluem:

  • Aumento do teor de matéria orgânica;
  • Aumento da disponibilidade de nutrientes pela ciclagem dos mesmos;
  • Maior retenção de água no solo;
  • Controle de plantas daninhas, especialmente devido a cobertura do solo durante o período de entressafra quando essas plantas são cultivadas;
  • Menor pressão de pragas e doenças pela rotação de culturas;

Outro efeito que podemos ter com a adubação verde é a alelopatia:

Você sabe o que é alelopatia? E qual sua relação com adubação verde?

A alelopatia é o efeito efeito de substâncias químicas liberadas pelas plantas, vivas ou em decomposição, causam, inibindo o crescimento e/ou desenvolvimento de outras plantas.

Fenômeno muito importante na redução de populações de plantas daninhas e controle de nematóides, que pode ser causado por leguminosas usadas como adubo verde.

Assim, muitas espécies vêm sendo estudadas e descobertos inúmeros benefícios adicionais através da alelopatia.

A espécie leguminosa feijão-de-porco (Canavalia ensiformis), por exemplo, se mostra como inibidora da planta daninha tiririca.

Feijão-de-porco (Canavalia ensiformis)

(Fonte:Useful Tropical Plants)

Adubação verde e rotação de culturas

A rotação de culturas tem como objetivo alternar diferentes espécies vegetais, em uma mesma área agrícola, por pelo menos um ano.

1° Exemplo de rotação de culturas, lembrando que é sempre mais interessante a rotação envolver diferentes tipos de culturas, como cereais e leguminosas.

(Fonte: Mulher Portuguesa)

2° Exemplo de como fazer rotação de culturas

(Fonte: Geografia Opinativa)

Pode ser considerada uma das medidas para o controle integrado de pragas e doenças, sendo um dos pilares do plantio direto e da sustentabilidade agrícola.

A adubação verde é uma ótima alternativa dentro desse sistema de rotação de culturas.

Ela traz todos os benefícios da rotação de culturas, mais aqueles inerentes à essa prática que já comentamos aqui.

A rotação de culturas com a adubação verde é uma estratégia importante na preservação do solo, além de favorecer no aumento da produtividade.

Já em relação ao manejo de doenças, diminui o contato entre os propágulos de patógenos e plantas hospedeiras, já que normalmente, os agentes são encontrados nos restos culturais do solo.

O plantio de uma nova cultura, não hospedeira, faz com que os patógenos vão gradativamente perdendo a viabilidade, diminuindo as chances de inoculação de plantas hospedeiras.

Mas a verdade é que você pode encontrar dificuldades em implantar o sistema de rotação de culturas.

Especialmente pelo motivo básico que optar pela cultura com melhores lucros gerados na comercialização.

Por mais que as espécies de leguminosas utilizadas como adubo verde não geram lucros diretos com a produção, podemos ver que os benefícios e vantagens são muito boas.

Você também pode fazer sua própria produção de sementes na propriedade e diminuir os custos de sua realização.

Para implantação do sistema de rotação de culturas, o planejamento deve seguir algumas dicas para que todas as suas vantagens sejam aproveitadas.

 

Dicas para implementação da rotação de culturas com adubo verde:

  • Procurar rotacionar gramíneas e leguminosas;
  • Se atentar a época de cultivo indicada para a espécie;
  • Verifique o ciclo de plantio e veja em seu planejamento agrícola se haverá tempo hábil para a próxima safra;
  • Considerar o custo da adubação verde em sua gestão financeira, considerando um investimento a longo prazo.

Você já pode ter notado algumas vantagens e desvantagens desse sistema, por isso, vamos falar mais sobre isso:

Vantagens e desvantagens da rotação de culturas com adubação verde

A implantação da rotação de culturas na sua área, com certeza lhe trará muitos benefícios e vantagens.

Mas vale lembrar que pode dificultar alguns assuntos que você está acostumado a fazer em um sistema de monocultura.

Dessa forma, a tabela a seguir expõe as vantagens e desvantagens em iniciar um sistema de rotação de culturas na sua lavoura comparado ao sistema de monocultura.

Rotação de culturasSistema de monocultura
Planejamento exige maior conhecimento portanto, maior dificuldadePlanejamento mais simples
Maior capital investidoMenor capital
Exige maior e melhor gerenciamento da mão de obraMão de obra simplificada, porém eficiente
Pode apresentar algumas dificuldades de mecanizaçãoFácil mecanização
Vários picos de trabalhoUm pico de trabalho
Comercialização através de diferentes CooperativasComercialização simples
Menos dependente do climaMais dependente do clima
Conservação do solo Degradação do solo
Aumento gradativo do rendimento da produçãoDeclínio gradativo do rendimento das culturas
Menos dependente das oscilações de mercadoDependente do preço do mercado

Lembrando que pode haver maiores dificuldades na arrecadação de crédito com culturas de menor expressão econômica.

Mas isso que pode ser relacionado a ambos os sistemas.

Desse modo, sugiro que você consulte seu planejamento agrícola e decida qual o melhor momento para começar essa prática tão vantajosa de rotação com adubos verdes.

Mas afinal, qual a melhor leguminosa para adubação verde?

Aqui veremos várias dicas e recomendações, mas é importante eu deixar uma coisa clara em primeiro lugar: cada propriedade e região do Brasil tem sua particularidade.

Por exemplo, se o seu problema principal for a planta daninha tiririca, será melhor o cultivo de feijão-de-porco. Se houver outro problema, outra planta é indicada.

Além disso, plantas nativas da sua região sempre vão ser as melhores opções para a adubação verde, já que estão adaptadas ao clima, pragas e doenças da região.

Segundo a EMBRAPA, espécies  anuais mais usadas são: crotalárias, feijão-de-porco, mucunas, feijão-caupi e guandu.

As perenes mais utilizadas são: amendoim forrageiro, calopogônio, galáxia, cudzu tropical e siratro.

E com relação às arbóreas, citam como as mais recomendadas são a gliricídia e a eritrina.

As recomendações de espécies de leguminosas, incluem plantas mais resistentes à pragas e com alta produção massa seca, com sementes de boa germinação e crescimento rápido.

Importante que o solo seja bem arado e adubado antes das sementes serem introduzidas para germinação.

A tabela abaixo mostra as espécies mais utilizadas no período outono/inverno no estado de SP e destacam-se pela facilidade de manejo, produção de semente e pela maior facilidade de encontrar no mercado.

Lista de espécies de leguminosas mais utilizadas para adubação verde no período outono/inverno em SP

(Fonte: APTA Regional)

Você pode notar o destaque das crotalárias, as quais possuem diversos efeitos. Assim, vale a pena conferir todos os seus benefícios:

Crotalárias e seus benefícios como adubo verde

Diversas pesquisas evidenciam o uso de adubação verde como fonte de nitrogênio.

Em algumas delas, a plantação em pré-cultivo e em consórcio são suficientes para compensar o N exportado após a colheita de frutos.

As espécies de crotalárias, especialmente a crotalária juncea possuem uma das médias mais altas na fixação de nitrogênio.

Elas apresentam também a maior produção de matéria seca das plantas utilizadas como adubação verde

Apesar da particularidade de cada propriedade e região do Brasil, as crotalárias (em geral) são consideradas uma das melhores espécies de leguminosa para realização de adubação verde.

Além da alta fixação de nitrogênio e alta produção de biomassa, uma das características de extrema importância da crotalária é o controle de nematóides.

Segundo a Fundação MT, a crotalária pode reduzir em até 80% a população de nematóides.

Para esse propósito, são 3 tipos de espécies: a breviflora, spectabilis e ochroleuca.

Sendo assim, o produtor deve ter grande conhecimento da sua área, e saber qual espécie está presente na sua propriedade, pois isso pode mudar a espécie de crotalária a ser cultivada.

Segundo a Fundação, qualquer espécie de crotalária pode diminuir a infestação de Pratylenchus brachyurus, Meloidogyne incognita e o nematoide dos cistos.

Para o nematóide das galhas, o Meloidogyne javanica, pode-se rotacionar a cultura com as crotalárias C. breviflora e C. spectabilis.

Se a população de nematóides for muito grande na sua área, por exemplo, o período de tempo no campo será proporcional, para melhor controle da infestação.

A Piraí sementes publicou este artigo, com o objetivo de tirar dúvidas sobre os diferentes tipos de crotalária e quais as mais indicadas para determinadas necessidades.

Nesse sentido, a crotalária é a espécie mais utilizada para adubação verde no Brasil.

Além disso, tenho algumas dicas sobre o cultivo dessa planta:

Dicas de cultivo para crotalárias

Com o ciclo completo em torno de 270 a 300 dias, algumas recomendações sugerem que a semeadura deve ser realizada de setembro a dezembro.

Em locais com probabilidade de geada, a semeadura é recomendada entre os meses de abril e maio.

A poda desta espécie deve ser realizada no período de pré-florescimento.

Nesse sentido, alguns estudos recomendam ao redor de 100 dias, já que após esse período, o desenvolvimento do caule é maior, dificultando a operação.

Recomendação de leitura para a prática efetiva de adubação verde

Caso você queira saber mais detalhes sobre a conservação do solo, a implantação e a rotação de culturas com a adubação verde sugiro que leia o livro:

Adubação verde e Rotação de Culturas” da editora UFV.

O livro traz informações simples e seguras, para agricultores, alunos de graduação, pós-graduação e nível técnico, com definições, espécies indicadas, etc.

Além de ser muito acessível pelo baixo custo.

capa do livro "Adubação verde e rotação de culturas"

(Fonte: Editora UFV)

Conclusão

A adubação verde apresenta muitos benefícios e mostra muito resultado quando implantada corretamente nas propriedades.

Muitas vezes o desconhecimento desses benefícios pelos produtores, fazem com que não utilizem dessa prática, já que a adubação verde não proporciona retorno econômico imediato.

No entanto, a substituição por adubos químicos nitrogenados e o aumento de produção, podem compensar na lucro e rentabilidade da aplicação do adubo verde.

Desse modo, vale a pena rever seu planejamento agrícola e incluir a adubação verde nele, verificando também o custo-benefício dentro de sua propriedade.

Tenho certeza que com as informações deste artigo, será muito mais fácil para você decidir realizar adubação verde na sua lavoura, e obter melhores resultados.

>>Leia mais: “Manual rápido de como fazer a adubação de soja”
>>Leia mais: “Tipos de adubos químicos na cultura da soja

>> Leia mais: “Milheto: Como cultivar e suas vantagens para a agropecuária

Você já fez adubação verde na sua propriedade? Quais espécies obteve maior resultado? Sentiu falta de alguma recomendação no texto ou alguma dúvida não foi respondida? Comente abaixo.