Blog da Aegro sobre gestão no campo e tecnologias agrícolas

Doenças do trigo: conheça os principais sintomas para identificá-las na lavoura e as medidas de manejo mais eficientes

O trigo é uma importante cultura de inverno no Brasil. Mas, para garantir uma boa produtividade, suprindo as necessidades do grão, é preciso ficar atento às doenças que podem ocorrer, colocando toda produção em risco.

Identificar os sintomas inicialmente e saber quais manejos são mais eficientes para controlá-las é fundamental.

Por isso, preparamos este artigo com as principais doenças do trigo e como manejá-las corretamente. Confira a seguir!

1- Giberela

A giberela no trigo é causada pelo fungo Fusarium graminearum, sendo importante no período de floração da cultura. Ocorre em regiões quentes de cultivo da cultura.

A doença infecta a flor da planta de trigo, que pode ficar totalmente destruída e nem chegar a formar o grão.  

Se a infecção do fungo for lenta, pode ocorrer o desenvolvimento do grão com coloração rósea (por conta do desenvolvimento do fungo – formação de macroconídeos), enrugados e chochos.

trigo infectado por giberela

(Fonte: Paulo Kurtz em Embrapa)

Um sintoma de fácil reconhecimento da doença são as aristas arrepiadas em espiguetas esbranquiçadas ou mortas, sinal bastante característico da giberela.

Sementes e restos culturais (que podem ser de plantas de trigo ou outras hospedeiras como milho, centeio, triticale e cevada) são fontes de inóculo da doença.

Além de atacar as espigas, o fungo pode contaminar os grãos com a presença de micotoxinas.

A doença tem como condições favoráveis a seu desenvolvimento temperaturas em torno de 30°C e molhamento foliar.

Medidas de manejo da giberela

  • Semeadura antecipada, para que o florescimento das plantas não seja no período de condições favoráveis do trigo;
  • Controle químico já no início da floração.

Aqui no Lavoura10 nós já falamos tudo sobre o manejo desta doença. Confira Como identificar e controlar a giberela no trigo”.

2- Estria bacteriana

Doença causada pela bactéria Xanthomonas campestris pv. ondulosa, pode reduzir o rendimento em até 40% na cultura do trigo.

A bactéria da estria bacteriana sobrevive em restos culturais e sementes, sendo as sementes a principal forma de disseminação da doença.

Como sintomas são observadas lesões aquosas e longas nas folhas que, com o progresso da doença, podem se tornar pardas.   

Quando em longos períodos de chuva, as lesões podem coalescer e se distribuir por grande parte das folhas.

Medidas de manejo para a estria bacteriana

3- Podridão comum das raízes

A podridão comum das raízes pode ser causada por Bipolaris sorokiniana e Fusarium graminearum. Pode ser encontrada em todas as regiões de produção de trigo no país.

Como o nome já indica, essa doença afeta as raízes, que ficam com os tecidos de coloração parda, podendo causar a morte precoce das plantas. A semente é considerada a principal fonte de inóculo.

Medidas de manejo da podridão comum das raízes

4- Ferrugem da folha do trigo

Causada pelo fungo Puccinia triticina, a ferrugem da folha do trigo é considerada a doença mais comum da cultura.

A ferrugem na folha pode se desenvolver desde a formação das primeiras folhas até a maturação da planta.

No campo, você pode observar como sintomas pústulas de coloração alaranjada nas folhas, principalmente na parte superior, que reduz a área de fotossíntese e pode causar a queda precoce das folhas.

ferrugem da folha do trigo

(Fonte: Embrapa trigo)

Medidas de manejo da ferrugem da folha do trigo

  • Uso de cultivares resistentes;
  • Uso de fungicidas quando utilizar cultivares com suscetibilidade ao fungo.

5- Mancha amarela

A doença é causada por Drechslera tritici-repentis e considerada a mancha foliar mais importante do trigo, podendo causar 50% de perdas.

Essa é uma das principais doenças do trigo na região sul do Brasil, favorecida pelo plantio direto, que garante alimento para o fungo entre os cultivos.

Inicialmente, os sintomas são pequenas manchas cloróticas nas folhas que, com o progresso da doença, se expandem e ficam com a região central necrosada, circundadas por um halo amarelo.

mancha amarela em uma folha - doenças do trigo

(Fonte: Flávio Santana em Embrapa)

Temperaturas amenas e molhamento foliar são condições favoráveis para o desenvolvimento da doença.

Medidas de manejo da mancha amarela

  • Tratamento de sementes;
  • Rotação de culturas;
  • Aplicação de fungicidas da parte aérea.

6 – Hemiltosporiose

A hemiltosporiose ou também chamada de mancha marrom é causada pelo fungo Bipolaris sorokiniana. A doença pode provocar danos de até 80%.

Nas folhas podem ser observadas lesões elípticas de coloração cinza em regiões quentes. Nas regiões mais frias, a doença causa lesões retangulares e escuras nas folhas.

Mas, a doença pode infectar além das folhas outros órgãos da planta, como as glumas, que ficam com lesões elípticas de centro claro e bordô escuro.

Medidas de manejo da Hemiltosporiose

  • Rotação de cultura;
  • Uso de sementes sadias;
  • Uso de fungicidas para aplicação na parte aérea da planta como triazóis e estrubilurinas.

Além das doenças do trigo causadas por fungos e bactérias, há algumas causadas por vírus (viroses no trigo), que vamos discutir nos próximos tópicos.

7- Mosaico comum do trigo

O mosaico do trigo é causado pelo vírus Soil-borne wheat mosaic virus (SBWMV), que tem maior problema em regiões mais frias do país, que é uma condição ótima para o desenvolvimento da doença.

Esse vírus é transmitido protozoário Polymyza graminis, que é habitante do solo.

O vírus que causa o mosaico comum do trigo também infecta culturas como centeio, cevada e triticale.

Como sintoma, é possível observar estrias amarelas que são paralelas às nervuras no limbo foliar, sendo mais problemática nos estádios iniciais da cultura.

foto de mosaico comum do trigo com estrias amarelas nas folhas

(Fonte: Douglas Lau em Embrapa)

Medidas de manejo para o mosaico comum do trigo

A medida mais efetiva para esta doença é o uso de cultivares resistentes.

8- Nanismo amarelo da cevada

Essa doença é causada pelo vírus Barley yellow dwarf virus (BYDV), que é transmitido por afídeos (pulgões) de forma persistente circulativo.

Como o próprio nome diz, o vírus infecta cevada, mas também outras culturas como arroz, trigo, aveia, centeio, milho e sorgo.

A planta de trigo com a doença fica com tamanho reduzido (nanismo) e com amarelecimento. Folhas bandeiras ficam eretas e de coloração amarela brilhante.

Além disso, os grãos provenientes de plantas infectadas ficam enrugados e chochos.

Medidas de manejo para o nanismo amarelo da cevada

Para todas as doenças do trigo, quando for utilizar controle químico, verifique quais estão registrados no Agrofit e para te ajudar com a recomendação nas medidas de manejo procure um(a) agrônomo (a).

e-book culturas de inverno Aegro

Conclusão

O trigo é uma importante cultura de inverno no Brasil e é preciso cuidado com as doenças na lavoura para evitar as perdas.

Nesse artigo, discutimos 8 das principais doenças da cultura do trigo causadas por fungos, bactérias e vírus.

Você conferiu os principais sintomas, como identificá-las na lavoura e as principais medidas de manejo para não colocar a produção em risco!

>> Leia mais:

“3 fatores que determinam a qualidade do trigo e o preço de venda dos seus grãos”

Quais doenças do trigo já afetaram a sua lavoura? Como realizou o manejo? Compartilhe suas experiências nos comentários!