Você tem medo de investir no milho safrinha?

Realmente as condições climáticas não são as mais ideais, até por isso o nome “safrinha” para a segunda safra de milho.

Ela é cultivada geralmente depois de uma primeira safra de soja precoce e seu cultivo predomina nas regiões centro-sul do Brasil.

Nos dias atuais, a safrinha do milho tem produção total maior do que a primeira safra.

A dobradinha soja-milho caiu no gosto e, principalmente, no bolso dos produtores brasileiros.

Segundo Conab, nas últimas safras, a área plantada e, consequentemente, a produção total de milho na safrinha foi em torno do dobro da produção de milho em 1ª safra.

Se você ainda tem certo receio de investir para obter altas produtividades, e quer saber mais sobre o milho safrinha, acho que precisamos “bater um papo”:

 1. Por onde começo para conseguir altas produtividades no milho safrinha?

Tenho certeza que você tem muitas preocupações ao fazer o milho safrinha, como preços, falta de chuvas, saber onde investir, a qual preço vender…

Mas não existe fórmula mágica! Faça o planejamento agrícola.

produção-milho-brasil-vtrump

(Fonte: Conab em Van Trump Report)

Por que fazer planejamento?

O sucesso da lavoura depende do manejo. O manejo é realizado por pessoas.

Todas as pessoas envolvidas (inclusive você) precisam entender a lógica do seu sistema, o que fazer e quando fazer.

Por isso, tudo o que eu vou falar aqui faz parte do planejamento agrícola.

Para saber mais veja

>> Diminua seus custos com um Planejamento Agrícola Bem Feito

>> Como produzir 211 Sacas de Milho por hectare com Gestão Agrícola

2. Qual a época do plantio de milho safrinha?

O milho safrinha ( 2ª safra), é cultivado após a primeira safra, a qual normalmente é a cultura de que tem maior investimento financeiro pelos produtores.

A semeadura da safra varia de outubro a dezembro, enquanto a do Safrinha, de janeiro a abril.

O nome “safrinha” foi dado devido aos riscos envolvidos no cultivo fora da época ideal.

Isso porque as plantas de milho podem ter déficit hídrico e falta de insolação necessária para produzir quando cultivadas de janeiro a abril.

Falando em plantio, você pode conferir aqui “7 passos infalíveis do planejamento agrícola para acertar na semeadura do milho”.

 

3. O milho safrinha pode ser cultivado em todo o Brasil?

Sem irrigação, ao contrário do que muitos pensam, o milho 2ª safra não pode ser cultivado em todo o Brasil.

milho-safrinha-mapa-brasil

(Fonte: Conab)

Atualmente, com o avanço da importância da safrinha na economia brasileira, novos centros de pesquisas e empresas privadas estão investindo tempo e dinheiro para desenvolvimento de novas variedades.

Frente a isso, novas variedades estão aparecendo no mercado, o que facilita o plantio em certas regiões do Brasil que ainda não aparecem no mapa de zoneamento.

4. O ciclo do milho safrinha difere da safra normal?

Em geral não existe diferença entre o cultivar de milho da safra normal e da safrinha.

Mas a época que o milho é cultivado faz com que o ciclo mude um pouco.

Isso porque as temperaturas são menores e as horas de sol também.

Assim, há o prolongamento do ciclo das plantas até a colheita se compararmos com o milho na safra normal.

Esse prolongamento pode chegar até a um mês, especialmente na região sul e sudeste do país devido à menor disponibilidade de calor.

Por essa razão, apenas parte dos híbridos no mercado pode ser cultivado nas condições ambientais da safrinha (outono-inverno e sem irrigação).

Como você pode perceber, quanto mais as plantas de milho prolongam seu ciclo nessa época, maior a probabilidade de falta de água.

Além disso, menor será a temperatura e a radiação solar, já que vamos nos aproximando do inverno.

 

5. Qual híbrido escolher para minha safrinha?

Devido ao que conversamos ali em cima, antigamente era comum híbridos superprecoces, evitando épocas de maior risco para a cultura.

Você ainda pode utilizar essa tática hoje.

Se você estiver em região com risco de geada no final do ciclo da cultura eu recomendo que use híbridos superprecoces.

Aliás, para saber mais sobre eventos climáticos e como agir em momentos de La Niña veja esse artigo “La Niña: 6 cuidados para não perder sua produção”.

Mas tenha em mente (e no seu planejamento) que, em geral, a produção não será muito boa.

Não há tempo, e consequentemente recursos, suficientes para a planta apresentar altas produtividades.

Se você não está nessa área de risco, há novos híbridos mais tolerantes a seca e baixas temperaturas, com ciclo precoce e normal e que apresentam maior potencial produtivo.

milho-hibrido-escolha

(Fonte: Soil View)

Com o aperfeiçoamento do sistema soja-milho, é possível antecipar a colheita da soja.

Para isso, opte por variedades mais precoces de plantas de soja, ou fazendo a semeadura assim que acabar o período de vazio sanitário dessa cultura na sua região.

Assim, você fará a semeadura do milho safrinha mais cedo, permitindo aproveitamento de todo o seu potencial produtivo, e resultando em boas produtividades.

Lembre-se que sempre é interessante possuir cultivares com diferentes ciclos, isso diminui os riscos das condições climáticas e desafoga o maquinário e as operações agrícolas.

Além disso, escolha híbridos de milho resistentes às doenças da sua região.

O enchimento, e consequentemente, peso dos grãos dependem de folhas verdes até o final do ciclo, e muitas doenças prejudicam isso.

Sem a resistência genética, você vai precisar aplicar fungicidas, o que na maioria das vezes não compensa seus custos.

Ou seja, invista mais nas sementes.

Depois da escolha do seu híbrido, faça deposição correta das sementes nos solos.

Para isso, é evidente que as máquinas devem estar calibradas.

Você pode ver como calibrar suas máquinas no artigo “O que você precisa saber sobre regulagem e manutenção de implementos agrícolas.

 

6. Como é a adubação no milho safrinha?

Estudos realizados, mostram que o milho safrinha cultivado em solos corrigidos, não apresenta grandes respostas a adubação de macro e micronutrientes, com exceção do nitrogênio.

Por isso recomendo apenas a reposição dos nutrientes, a qual é calculada pela de exportação dos nutrientes pelas plantas de milho.

A exportação é quantidade de nutrientes retirados do solo e utilizados para fazer o produto, no caso, grãos do milho.

A extração é a quantidade total de nutriente utilizado para a produção de toda a planta.

A quantidade de exportação e extração dependem de quanto você deseja que sua lavoura produza.

Por isso, eu sugiro que você defina quanto deseja produzir e olhe para tabela abaixo na exportação para definir a dose de nutrientes de sua adubação:

recomendação aducação milho safrinha

(Fonte: Fundação MS)

Segundo estudos de Oliveira et al. (2008), no caso da soja como cultura anterior, calcula-se que a fixação biológica de N por essa cultura deixe um residual no solo de 35 a 45 kg de N por hectare.

Então deve-se descontar esse valor da dose de adubação de nitrogênio.

Se você optar por aplicações de nitrogênio em cobertura, é melhor a aplicação ocorrer no início do ciclo, em V2 ou V3.

Isso é devido as condições de menos chuvas e instabilidade climática nesse período.

Para solos corrigidos e na safrinha de milho, não é preciso preocupar-se com adubação de Cálcio (Ca), Magnésio (Mg) e Enxofre (S).

 

7. Quais as melhores áreas para cultivar o milho safrinha?

Se você não for plantar em área total, dentro do planejamento selecione as áreas mais argilosas para o cultivo do milho segunda safra.

Isso porque o solo argiloso permite maior armazenamento de água.

Isso já ajuda a minimizar o risco de faltas de chuvas que, como já falamos, é uma das preocupações do produtor na safrinha.

O déficit hídrico varia de acordo com cada região, um bom acompanhamento do balanço hídrico local é essencial na boa produção do milho safrinha.

O site do INMET apresenta tais tais informações.

Além disso, você pode conferir alguns aplicativos gratuitos de monitoramento das condições climáticas aqui.

 

8. Quais as principais pragas da safrinha de milho?

Os produtores devem ficar atentos com pragas agrícolas sazonais.

Mesmo com cultivares resistentes a ataques de lagartas e pragas, hoje tem-se a resistência das pragas ocorrendo rapidamente.

No entanto, em geral, as principais pragas do milho na safra normal são também as principais na safrinha. Confira:

milho safrinha e suas pragas

(Fonte: Tudo o que você precisa saber sobre MIP)

>> As perguntas (e respostas!) mais frequentes sobre manejo integrado de pragas
>> O que é um Software de Gestão Agrícola?

9. Como fica o custo de produção do milho safrinha?

Vantagens financeiras do milho safrinha:

  • Insumos a preços mais baixos, uma vez que fora da safra convencional, pela lei da oferta e demanda, os preços geralmente estão mais acessíveis;
  • Possibilidade de aproveitamento de insumos da safra, o que acarreta em menor aporte de insumos na safrinha;
  • Eventualmente, os preços podem estar melhores já que a colheita é na entressafra.

Mesmo que os preços de venda do milho estejam ruins, lembre-se que sempre há variações sazonais, a maior produtividade pode compensar esses preços.

Mas se você não sabe qual o ponto de equilíbrio do seu negócio, ou seja, quanto investir e quanto produzir para obter realmente lucro, você precisa conhecer a Aegro.

Para saber mais sobre rentabilidade agrícola é só conferir “7 Dicas para acertar na rentabilidade com planejamento agrícola”.

Se sua principal questão for custo de produção, veja o artigo  “Entenda os custos de produção agrícola e esteja no comando de sua fazenda”.

Eu sei que estamos falando sobre finanças, mas na minha opinião as principais vantagens são as de manejo da fazenda no geral, que “por acaso” refletem nas finanças.

Tenha uma visão mais global dos sistemas de produção soja-milho e acompanhe essas vantagens:

  • Quebra de ciclo de pragas e doenças;
  • Melhoria na estrutura do solo;
  • Formação de palhada que:
    • proteja o solo contra altas temperaturas e erosão;
    • controle plantas daninhas;
    • aumente a disponibilidade de água para próximas culturas (em especial, soja).

>>Leia mais: “Umidade do milho para colheita: Todas as dicas para não perder seus grãos”

Conclusão

Com planejamento é possível obter altas produtividade e lucrar com milho safrinha.

Os riscos existem mas aqui você aprendeu a como contorná-los: por onde começar, ciclo do milho, qual cultivar escolher, como é a adubação, áreas preferenciais do cultivo, principais pragas e custos de produção.

Faça o planejamento, aproveita as dicas e boa safrinha!

>> Software para Agricultura de Precisão: O guia definitivo para escolher um
>> 5 dicas infalíveis para uma aplicação de defensivos agrícolas mais eficaz

Você realiza safrinha em sua propriedade? Utiliza outras tecnologias e manejos além dos que foram citados neste artigo? Quer saber mais sobre algum deles? Restou alguma dúvida? Adoraria ver seu comentário abaixo.