Manejo Integrado de Pragas em milho: Saiba como fazer esse manejo com as particularidades da cultura do milho e obtenha o controle eficiente dos insetos na lavoura.

Você acha que não dá certo o manejo integrado de pragas no milho?

Ou que não conhece bem esse manejo e prefere “não arriscar”?

Neste artigo eu explico tudo o que você precisa saber para começar a fazer o Manejo Integrado de pragas na cultura do milho.

E tenho certeza que assim você conseguirá controlar as principais pragas agrícolas eficientemente, podendo até gastar menos.

O tal do MIP e a cultura do milho

No MIP são utilizadas todas as técnicas de controle apropriadas, a fim de manter a população da praga em níveis abaixo daqueles capazes de causar danos econômicos.

O Manejo Integrado de Pragas (MIP) surgiu na década de 40 e voltou a tona com as infestações intensas da lagarta Helicoverpa spp., justamente nas lavouras de milho.

o que é MIP

Isso nos mostrou que uma única ferramenta de controle não é sustentável ao longo do tempo e pode até agravar a situação com o desenvolvimento de resistência a inseticidas.

Se você ainda não se convenceu sobre a importância do MIP, pense nele como um mecanismo para evitar a seleção de insetos resistentes.

O MIP é importante para todas as culturas, para o milho não seria diferente.

Muitas pragas atacam o milho e podem causar danos que podem devastar a lavoura, por isso a escolha integrada das ferramentas de controle são fundamentais.

Muitas informações interessantes sobre MIP você vai encontrar nesse outro texto: Tudo o que você precisa saber sobre Manejo Integrado de Pragas.

Como fazer o MIP?

Para fazer o MIP adequadamente entender alguns conceitos importantes:

  • Nível de dano econômico: acima desse nível de população da praga há danos econômicos para o produtor;
  • Nível de controle: é quando devemos fazer alguma medida de controle. É abaixo do nível de dano econômico, pois demora algum tempo para as medidas de controle darem resultados.
  • Monitoramento: a partir do monitoramento você identifica as pragas presentes na lavoura, e assim determina a necessidade ou não de se fazer o controle. E ainda qual a ferramenta deve ser utilizada.
nivel de dano economico

Saiba qual o nível de controle de cada praga e quando você deve aplicar, mantendo tudo organizado. Baixe a planilha gratuita clicando na figura a seguir!

Como começar o manejo integrado de pragas no milho?

Se você já percebeu os benefícios do MIP mas ainda não sabe por onde começar, não se preocupe.

Você não vai precisar gastar rios de dinheiro nem quebrar a cabeça para isso.

Fizemos um passo a passo para iniciantes nesse manejo:

1. Saiba os conceitos do MIP, especialmente de nível de dano econômico e nível de controle (que você viu nesse texto, logo ali em cima);

2. Conheça sua região: quais as pragas que são favorecidas pelo clima, solo e relevo que estou?

3. Conheça sua propriedade: mantenha um histórico das principais pragas que atacaram sua lavoura nas últimas safras;

4. Escolha cultivares de milho que sejam menos suscetíveis ao ataque dessas pragas da região e que costumam te causar problema na fazenda;

5. Faça o controle de plantas daninhas que também podem ser hospedeiras dessas pragas, como ervas daninhas;

6. Não faça duas safras de milho consecutivas na sua área;

7. Faça adubação verde, com diferentes espécies que não sejam atacadas pelas principais pragas da área;

8. Escolha antecipadamente e com calma os produtos que irá utilizar para o controle das pragas. Para isso, faça seu planejamento agrícola e planejamento financeiro;

9. Dentre os produtos, verifique se algum deles pode ser substituído por produto biológico, diversificando  os métodos de controle;

10. Durante a safra, faça monitoramentos frequentes e os guarde em local seguro;

11. Apenas aplique inseticidas quando a praga atingir o nível de controle (você verá mais a frente, ainda nesse texto, o nível de controle das principais pragas de milho);

12. Após aplicações de defensivos, os monitoramentos devem continuar, verificando se houve controle das pragas.

Para te ajudar nesses passos tenho alguns artigos que recomendo a leitura:

>>As perguntas (e respostas!) mais frequentes sobre manejo integrado de pragas

>>Tudo o que você precisa saber para fazer sua lista de defensivos agrícolas na pré-safra

>>9 perguntas e respostas que você deve saber para obter alta produtividade de milho

monitoramento-georreferenciado-aegro

Com o AEGRO seu monitoramento de pragas é georreferenciado e guardado com segurança, sem perda de dados ou confusão de não saber ao certo qual talhão foi feito o monitoramento

(Fonte: AEGRO)

3 Principais pragas da cultura do milho e seu nível de controle

Bom já falamos do nível de controle, monitoramento e identificação das pragas. Mas quais são as principais pragas da cultura o milho? E quais seus níveis de controle?

Neste artigo listamos as mais importantes e principais pragas do milho. Além de trazer ótimas informações sobre o controle das mesmas.

Abaixo você também pode conferir, dentro do ciclo da cultura, quando as pragas infestam e qual o nível de controle para cada uma delas:

manejo integrado de pragas no milho

Aqui vou destacar 3 importantes pragas!

Cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis)

A cigarrinha-do-milho mede de 3,7 a 4,3mm de comprimento, tem o corpo de coloração amarelo-pálida e possui as asas semitransparentes.

cigarrinha-do-milho

(Fonte: Epagri)

Ela transmite os agentes causais do enfezamento-pálido (espiroplasma), do enfezamento-vermelho (fitoplasma) e da virose-da-risca.

Os enfezamentos reduzem a absorção de nutrientes pelas plantas, por consequência redução na produtividade, ou seja, prejuízo.

Ainda não foi estabelecido ao certo seu nível de controle, mas como esse inseto é vetor de doenças, a tolerância dele na lavoura é baixa.

Para você saber as principais medidas de controle, além de uma planilha exclusiva com todos os produtos químicos e biológicos recomendados para a cigarrinha-do-milho.

>>Leia mais: “Como manejar os inimigos naturais de pragas agrícolas da sua área”.

Lagarta-do-cartucho do milho (Spodoptera frugiperda)

Uma das principais pragas da cultura do milho, e pode reduzir a produção entre 34 e 52%.

Este inseto pode atacar mais de 100 culturas, entre elas sorgo, soja, arroz, algodão, soja, pastagem, etc.

lagarta-do-cartucho

(Fonte: Epagri)

Apresenta colorações variadas, podendo ser parda, esverdeada e até preta.

Essa lagarta tem quatro pontos escuros e proeminentes no dorso do penúltimo segmento abdominal, que formam os vértices de um quadrado, facilitando seu reconhecimento.

A lagarta-do-cartucho penetra no colmo, criando galerias, o que provoca um sintoma conhecido por “coração morto”, que ocorre por causo do dano no ponto de crescimento da planta.

Monitoramento e controle da lagarta-do-cartucho

Saiba passo a passo como fazer:

  1. Vistoriar semanalmente pelo menos 20 plantas em cinco locais diferentes em cada talhão da lavoura;
  2. Faça essas vistorias até 60 dias depois da emergência do milho;
  3. Até 30 dias depois da emergência, essa praga deve ser controlada quando 20% das plantas estiverem infestadas;
  4. Dos 40 aos 60 dias, aplique inseticidas com 10% de plantas infestadas.

Principais formas de controle da lagarta-do-cartucho:

  • Inseticidas;
  • Tecnologia Bt;
  • Utilizar inseticidas que não controlem as tesourinhas Doru luteipes (como inseticidas naturais), principal inimigo natural da lagarta do cartucho.

Você pode ver os métodos de controle em detalhes neste artigo: “Não cometa erros no manejo: 5 métodos de controle da lagarta-do-cartucho”

Pulgão-do-milho (Rhopalosiphum maidis)

pulgão-do-milho

(Foto: Epagri)

O pulgão-do-milho mede de 0,9 a 2,6mm de comprimento, possui antenas e pernas de coloração preta e o corpo com cores variando de verde-amarelada à azul-esverdeada.

Possui grande importância nos campos de produção de sementes.

Como dano direto, suga a seiva e libera um líquido em que se desenvolve fumagina.

A fumagina diminui a fotossíntese e reduz a liberação de pólen, o que provoca falhas na polinização.

Monitoramento e controle do pulgão do milho:

  1. Fazer 5 amostragens de 20 plantas a cada 10 ha de lavoura;
  2. Avalie com nota zero (0) as plantas sem pulgões;
  3. Avalie com nota 1 quando existirem até 100 pulgões por planta;
  4. Avalie com nota 2 para aquelas plantas com mais de 100 pulgões;
  5. Aplique inseticidas quando pelo menos 50% das plantas estiverem com nota 2, e apenas até a fase de pendoamento do milho.

Embora seja recomendado em alguns casos o tratamento de sementes, em geral, esse método de controle não é muito eficaz.

Isso porque os maiores danos são observados no período de pendoamento da cultura.

Algumas medidas de controle se mostram mais eficientes, como a escolha de cultivares menos suscetíveis ao ataque de pulgões e pulverizações de inseticidas de V4 a VT (pendoamento).

>>Leia também: “As principais orientações para se livrar do percevejo barriga-verde”

MIP e milho Bt

O milho Bt é aquele transformado geneticamente e que expressa as toxinas da bactéria Bacillus thuringiensis (Bt).

Essa toxina tem efeito inseticida para várias pragas, como a lagarta-do-cartucho que comentamos aqui.

O milho Bt foi aprovado no Brasil em 2008/2009, permitindo a uma diminuição, nos primeiros anos de uso, da aplicação de inseticidas para o controle de pragas do milho.

No entanto, hoje são necessários outros métodos de controle, realizando o Manejo Integrado de Pragas (MIP).

Isso para assegurar que essa tecnologia funcione e não seja perdida por desenvolvimento de resistência.

Se você quer saber mais sobre pragas resistentes veja: “5 pragas agrícolas resistentes a defensivos agrícolas e como combatê-las”.

Para isso, devemos fazer áreas de refúgio para plantas Bt.

Para saber mais sobre área de refúgio para plantas Bt e como fazer, confira nosso artigo: “Tudo o que você precisa saber sobre área de refúgio para plantas Bt [Infográfico]

área-de-refúgio

Conclusão

O controle químico é uma fenomenal ferramenta de controle, e é a prática mais adotada na safra ou safrinha do milho, pela facilidade e visualização rápida do controle.

Contudo, não podemos utilizar só esse método de controle.

Isso causa desequilíbrios e desenvolve a resistência dos insetos aos defensivos agrícolas.

O MIP é um conjunto de medidas que faz o controle de pragas ser ainda mais eficiente, e você pode até gastar menos devido ao menor uso de inseticidas.

Aqui você aprendeu como começar a fazer o manejo integrado de pragas no milho em passos simples e muito eficazes, além de conhecer os principais conceitos desse manejo.

Agora é só colocar tudo isso na prática da lavoura!

>>Leia mais: “Controle biológico das lagartas da soja”.
>>Leia mais: “Percevejo marrom:  7 Estratégias de controle na soja”.
>>Leia Mais: “7 pragas de armazenamento de grãos para você combater

O artigo foi útil para você? Tem alguma dúvida sobre Manejo Integrado no Milho? Tem tido dificuldade com outras pragas na sua lavoura de milho? Deixe seu comentário!