Confira agora as principais doenças do milho, feijão e sorgo que você deve se preocupar na Pré-Safra e como combatê-las.

Eu acho que a pré-safra é um ótimo momento para rever alguns conceitos.

Até mesmo tirar dúvidas e, principalmente, se preparar melhor para o próximo cultivo!

Pensando sobre isso, me dei conta de quantas vezes vi lavouras perdendo a produção por conta de doenças.

Aposto que isso já aconteceu com você.

E na agricultura, todos nós sabemos que a produtividade é o que nos dá rentabilidade.

Muitas doenças podem provocar danos em sua lavoura de 50%, 60%, chegando até 100%.

Para reduzir esses danos, você precisa conhecer as doenças da sua lavoura e como combatê-las.

Por isso, se prepare na pré-safra e saiba mais sobre as principais doenças do milho, feijão e sorgo!

Principais Doenças do milho

Não tem como negar a importância da cultura do milho para a agricultura brasileira.

Só na 2ª safra de milho em 2018, espera-se mais de 11 milhões de hectares plantados.

Assim, vamos dar mais destaque para  as doenças que são causadas na cultura do milho.

Vamos lá:

Cercosporiose ou mancha de cercospora do milho

Esta doença é causada por três espécies de fungos Cercospora zea-maydis, C. zeina e C. sorghi sp. maydis.

Em cultivares suscetíveis, a doença pode provocar perdas superiores a 80%.

Os sintomas ocorrem nas folhas com lesões paralelas às nervuras.

A cor das lesões inicialmente varia de verde a marrom. Quando em condições de alta umidade, as folhas ficam cobertas de esporos, adquirindo coloração cinza.

Veja os sintomas nas folhas.

milho-cercospora

(Fonte: Luciano Viana Cota em Embrapa)

Ferrugens na cultura do milho

Há três ferrugens que podem atacar a cultura do milho:

Ferrugem comum (Puccinia sorghi)

Ferrugem polysora (Puccinia polysora)

Ferrugem tropical ou branca (Physopella zeae)

Dessas três, a ferrugem polysora pode ser considerada a mais agressiva e destrutiva, podendo ter perdas de até 65%.

Confira os sintomas e as diferenças entre essas ferrugens:

principais-Doenças-do-milho

(Fonte: AEGRO)

Não deixe de conferir o artigo sobre as ferrugens do milho: “Controle da ferrugem: Combata essa doença nas culturas do milho e soja”.

A principal medida de controle para as ferrugens no milho é o plantio de híbridos resistentes.

Vendo mais sobre ferrugens no milho tenho certeza que você lembrou da ferrugem-asiática da soja, não é mesmo?!

>> Leia mais: 6 Dicas para combater de vez a ferrugem asiática da soja”

Antracnose na cultura do milho

Esta doença pode trazer perdas de até 40% na produção.

O fungo que causa a antracnose é o Colletotrichum graminicola.

Este fungo pode atacar qualquer parte da planta, se tornando mais importante quando ataca as folhas (antracnose foliar) e o colmo (antracnose do colmo).

Esta doença apresenta maiores problemas em áreas que realizam o plantio direto, por aumentar o inóculo na sua lavoura.

E como você pode identificar esta doença nas plantas de milho?

Os sintomas são:

  • Nas folhas formam lesões necróticas, arredondadas a alongadas de coloração castanha.
  • No colmo são lesões estreitas com coloração castanha, os tecidos internos ficam escuros (desintegração).

(Fonte: Rodrigo Véras da Costa em Embrapa)

Evite essa doença na sua lavoura com o plantio de cultivares resistentes e rotação de culturas.

Mancha branca foliar na cultura do milho

Essa doença pode apresentar perdas superiores a 60% em situações de ambiente favorável e com o uso de cultivares suscetíveis.

O fungo que causa a mancha branca é Phaeosphaeria maydis.

milho mancha branca

(Fonte: Fabrício Lanza em Embrapa)

Inicialmente os sintomas são nas folhas inferiores progredindo para as superiores.

Como você pode ver na imagem acima, nas folhas se observa lesões arredondadas de coloração esbranquiçada com bordos escuros.

A principal medida de controle também é o uso de híbridos resistentes.

Mancha foliar de Exserohilun ou Helmintosporiose na cultura do milho

As perdas são maiores no cultivo da safrinha do milho, podendo ocasionar perdas de até 50% em ataques antes do período de floração.

O fungo que causa a doença é Exserohilum turcicum, sendo que as primeiras lesões aparecem nas folhas mais velhas da planta.

Os sintomas típicos da doença são lesões necróticas e elípticas com coloração do tecido necrosado variando de verde-cinza a marrom.

milho-helmintosprose

(Fonte: Luciano Viana Cota em Embrapa)

O controle da doença também é feito através do plantio de cultivares com resistência genética.

Quando as doenças do milho ocorrem?

Você pode conferir qual a época de ocorrência da doença dentro do ciclo do milho:

calendario-doenças-milho

(Fonte: Robson Fernando de Paula e José Carlos Madalóz em Pioneer Sementes)

Agora que conhecemos as importantes doenças fúngicas na cultura do milho, há algumas coisas que podemos fazer para combatê-las:

Controle das doenças causadas por fungos na cultura do milho

Como você pôde perceber, a principal medida de manejo para as doenças citadas acima é a utilização de variedades resistentes ou tolerantes.

Para isso você deve:

  1. Verificar quais as doenças são importantes na sua região de acordo com ocorrências anteriores e condições climáticas favoráveis;
  2. Pesquisar quais as variedades resistentes ou tolerantes à doença da sua região estão disponíveis no mercado;
  3. Se atente para a operação de semeadura da cultura do milho.

Na figura abaixo, você pode verificar as principais medidas de manejo (além da utilização de variedades resistentes ou tolerantes) para as doenças causadas por fungos.

Principais medidas de manejo para doenças causadas por fungos

manejo-doenças-milho

Não se esqueça de integrar os métodos de manejo realizando o Manejo Integrado de Doenças (MID).

Depois de ler sobre as doenças fúngicas, você já ouviu falar em enfezamento na cultura do milho?

Enfezamento da cultura de milho

Há dois tipos de enfezamento na cultura do milho, o enfezamento pálido e o enfezamento vermelho.

Essas doenças apresentam danos principalmente em regiões quentes, podendo reduzir 70% a produção de grãos.

Enfezamento vermelho

Esta doença é causada por um fitoplasma (Candidatus Phytoplasma asteris).

O enfezamento vermelho pode causar maiores problemas na segunda safra de milho.

Os sintomas dessa doença são avermelhamento das folhas, inicialmente com clorose marginal e seguida do avermelhamento das pontas das folhas, que se manifesta na fase de produção das plantas.

Nas plantas doentes, você pode observar maior número de espigas.

Mas, essas espigas produzem poucos ou nenhum grão e também há um encurtamento dos internódios das plantas.

enfezamento-vermelho-milho

Sintomas do enfezamento vermelho do milho

(Fonte: Biogene)

Enfezamento pálido ou amarelo

Como para o enfezamento vermelho, o enfezamento pálido tem maior importância no segundo plantio (safra).

A causa da doença é um espiroplasma (Spiroplasma kunkelii).

Apresenta sintomas semelhantes aos do enfezamento vermelho como o aumento do número de espigas e menor internódios.

A principal diferença é que o enfezamento pálido inicialmente apresenta a clorose (cor esbranquiçada ou pálida) na base foliar e depois se estende por toda a folha.

enfezamento-palido-milho

(Fonte: Biogene)

Mas nem sempre é fácil distinguir os dois enfezamentos, principalmente na fase inicial da doença, em que os sintomas podem se confundir.

Até porque os agentes que causam enfezamentos (espiroplasma e o fitoplasma) na cultura do milho podem ser transmitidos juntamente (complexo).

Se você não lembra o que são fitoplasma e espiroplasma, veja este texto.

Tanto o espiroplasma como o fitoplasma são transmitidos pela cigarrinha do milho (Dalbulus maidis).

Agora que conhecemos os sintomas do enfezamento, como controlar?

Controle do enfezamento vermelho e pálido do milho

O uso de variedades resistentes é o manejo mais recomendado.

Além disso, deve-se evitar o plantio tardio do milho, para que o desenvolvimento vegetativo da planta não coincida com o período de maior infestação da cigarrinha.

Além disso, não deve realizar a semeadura próxima a lavouras mais velhas que apresentam alta incidência de enfezamento.

Uso de inseticidas pode reduzir a população do vetor.

Mas caso apresente altas populações da cigarrinha do milho próxima a sua cultura, estas migraram para sua área, comprometendo o uso de inseticidas para reduzir a população do vetor.

Outra estratégia de manejo é eliminar plantas de milho (tiguera) que sirvam de hospedeiras para o vetor.

A Embrapa fez um vídeo sobre os enfezamentos na cultura do milho, veja abaixo.

Além disso, faça o manejo integrado de pragas (MIP), você pode conferir como aqui.

Mosaico comum nas culturas do milho e sorgo

É causado pelo vírus Sugarcane mosaic virus (SCMV).

Esse vírus além de atacar a cultura do milho e do sorgo, também ocorre na cana-de-açúcar e em algumas daninhas.

No milho pode ter maior ocorrência na segunda safra.

O vetor do mosaico comum são várias espécies de afídeos, sendo o mais comum o pulgão do milho (Rhopalosiphum maidis).

Os sintomas são áreas verde-claras a amareladas entremeadas com áreas de coloração normal da planta (mosaico).

Esses sintomas podem desaparecer com o crescimento da planta. Mas também, podem se tornar necróticos.

mosaico-virus-milho

Comparação da folha sadia com os níveis de mosaico nas demais folhas sintomáticas.

(Fonte: Elizabeth de Oliveira em Embrapa)

O principal método de controle é realizado pelo uso de variedades resistentes.

E na cultura do sorgo, quais outras doenças podem ocorrer?

Antracnose na cultura do sorgo

A Antracnose é considerada a doença mais importante do sorgo, por sua ampla distribuição geográfica e pelas perdas na produção de grãos.

Essa doença, como já vimos, também pode afetar a cultura do milho.

A antracnose pode ocorrer em três fases da planta: Antracnose foliar, Podridão do colmo e antracnose da panícula e grãos.

Veja agora as principais doenças do sorgo, sintomas e medidas de manejo:

E para a cultura do feijão, você conhece as principais doenças?

Doenças da cultura do feijão

Entre os fatores que limitam a produtividade da cultura do feijão, se destaca a ocorrência de doenças, as quais podem causar perdas superiores a 50% na produção ou até mesmo perdas totais, caso não seja empregado o manejo adequado.

A antracnose pode alcançar perdas de 100% da produção em áreas de cultivo de feijão em que as condições climáticas são favoráveis.

Outra doença importante na cultura do feijão é o mofo branco por ser uma doença bastante agressiva.

O fungo que causa o mofo branco tem mais de 400 espécies de hospedeiros.

Além disso, o fungo pode sobreviver no solo por um longo período (em média de 5 a 10 anos) na forma de escleródios, que são estruturas de resistência do fungo.

mofo-branco-feijão

Mofo branco no feijão

(Fonte: Sociedade Nacional de Agricultura)

Confira essas e outras doenças na figura abaixo para a cultura do feijão.

Conclusão

Não se esqueça…

Você deve conhecer sua lavoura (negócio) para aumentar seus lucros!

O conhecimento das doenças e do seu controle faz parte do planejamento agrícola.

Agora que você conhece as principais doenças do milho, feijão e sorgo e seu manejo, não deixe que sua lavoura seja atacada por elas.

>>Leia mais: “Lavoura saudável: Como combater as doenças da soja (+ nematoides)”
>>Leia mais: “Doenças de final de ciclo soja: Principais manejos para não perder a produção

>> Leia mais: “Podridão branca da espiga: Entenda mais e controle essa doença na sua área

Você tem mais dúvidas sobre estas doenças? Quais práticas de manejo você utiliza? Há mais doenças que você enfrenta na sua lavoura? Adoraria ver seu comentário aqui embaixo.