Conheça agora as soluções para o uso de defensivos agrícolas e fertilizantes: nova forma de pulverização, repelente para plantas e outras tecnologias que já estamos utilizando ou veremos em breve no campo.

Todos os dias temos notícias de novas tecnologias: celulares mais rápidos, carros mais potentes, computadores melhore, e por aí vai.

Com a agricultura não é diferente, novas e promissoras tecnologias vêm surgindo para melhorar a produção agrícola.

E não tem nada de modismo.

Assim como o celular entrou no nosso dia a dia, muitas dessas tecnologias farão parte do nosso cotidiano com o objetivo de facilitar as atividades.

Assim, separei aqui 4 novas tecnologias de uso de agrotóxicos, sendo que algumas já estão sendo implantadas com sucesso. Confira:

1.Uma nova solução para pulverização de defensivos agrícolas e fertilizantes

Ao aplicar os defensivos agrícolas e fertilizantes  na lavoura, o tamanho das gotas faz uma grande diferença.

Gotas maiores atingem seus alvos com maior precisão mas com menor cobertura. Já gotas pequenas dão maior cobertura, mas são mais propensas à deriva.

Pensando nisso, uma equipe de pesquisadores do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) encontrou uma maneira de equilibrar essas propriedades.

Ou seja, os pesquisadores acreditam ter encontrado uma maneira para que as pulverizações produzam gotas que não sofram tanto com deriva, mas que tenham boa cobertura do alvo.

Para isso, a equipe usou uma malha com pequenos furos entre o jato de defensivo e o alvo. Isso divide as gotas em um milésimo do seu tamanho.

Muitos tipos de materiais funcionam como essa barreira entre o jato e o alvo. O que importa é o tamanho das aberturas na malha e a espessura do material.

Para esse estudo em questão, os pesquisadores utilizaram uma malha de aço inoxidável comumente disponível.

As fotos abaixo ilustram como são produzidas as minúsculas gotas ao encontrar essa malha.

defensivos-agricolas-gotas-grudam-plantas

As gotas menores na imagem à direita têm pouco efeito sobre a planta, enquanto as pequenas gotas à esquerda, produzidas ao encontrar a malha, atingem melhor as folhas

(Fonte: The Varanasi Research Group e MIT em Science Daily)

Essa malha ainda impede que as plantas sejam atingidas pelas gotas maiores de chuva, lavando os defensivos químicos das folhas.

Para a implantação da malha sobre a cultura é necessário que a mesma seja apoiada na planta ou em uma estrutura.

Assim, o produtor pode simplesmente usar um pulverizador convencional que produz gotas grandes e que, portanto, não sofrem deriva.

Então, as gotas são quebradas pela malha em gotículas finas, o que aumenta muito as chances de “grudar” em todo alvo.

É claro que na agricultura extensiva esse uso fica mais complicado. Porém, alguns agricultores já cobrem algumas pequenas culturas como forma de proteção contra pássaros e insetos.

> Como otimizar sua lavoura com pulverizador autopropelido

2. Defensivo agrícola que é repelente para plantas contra insetos

Pesquisadores da Universidade Técnica de Munique (TUM) desenvolveram um agente biodegradável que evita ataque de pragas à lavoura, mas sem envenená-las.

Você pode notar que o princípio é o mesmo do repelente de mosquitos que usamos comumente: apenas manter os insetos longe.

Os pesquisadores de Munique se inspiraram na planta de tabaco, que produz o cembratrienol (CBTol) em suas folhas para se proteger de pragas.

Assim, eles começaram a produzir biotecnologicamente essa substância.

Para isso, os cientistas isolaram as seções do genoma da planta do tabaco responsáveis ​​pela formação das moléculas de CBTol.

Depois, eles adicionaram essas seções no genoma da bactéria, fazendo com que elas produzam o ingrediente ativo CBTol.

Investigações iniciais indicam que o produto não é tóxico para todos os insetos, mas protege contra os pulgões.

Além disso, como ele é biodegradável, não se acumula no meio ambiente.

defensivos-agricolas-repelente-doenças

Os pulgões evitam as plantas de trigo tratadas com  CBTol (direita) em relação com as plantas sem nenhum tipo de aplicação (esquerda)

(Fonte: Technical University of Munich (TUM) em Science Daily)

A substância ainda tem efeito antibacteriano nas bactérias gram-positivas. Isso significa que ela pode age especificamente contra alguns patógenos humanos, como Staphylococcus aureus, Streptococcus pneumoniae e Listeria monocytogenes.

A equipe ainda ressalta que essa nova abordagem abre as portas para uma mudança fundamental na proteção de cultivos.

Mas não foram só os pesquisadores de Munique que encontram uma solução mais sustentável para as pragas, como você pode ver a seguir:

> Veja como escolher o adjuvante agrícola e melhorar o seu manejo

> 6 dicas de compra de defensivos agrícolas para potencializar o manejo da sua lavoura

3. Abelhas que transportam defensivos agrícolas naturais

A empresa canadense Bee Vectoring Technology (BVT) desenvolveu um sistema em que as abelhas são quem transportam os defensivos agrícolas para as lavouras.

As abelhas criadas comercialmente entram em uma caixa, chamada de dispensador. Elas saem na outra ponta do dispensador prontas para levar o defensivo para campo.

Dentro da caixa elas passam por um material em pó especialmente formulado contendo material natural que adere às abelhas, permitindo o transporte de ingredientes ativos.

Assim, quando as abelhas pousam em flores para coletar néctar e pólen, elas deixam uma camada de defensivos para proteger a planta e/ou a futura fruta.

O grande “pulo do gato” nesse caso foi a produção desse pó que gruda nas abelhas e que, ao mesmo tempo, permite a mistura com ingredientes ativos.

soluções para o uso de defensivos agrícolas e fertilizantes

(Fonte: Bee Vectoring em New Scientist)

Segundo a empresa, o produto atende algumas culturas, como girassol, canola, tomate, pera, maçã e outras.

O pó pode conter uma variedade de substâncias, desde que não prejudiquem as abelhas. Por isso, a empresa trabalha especialmente com os defensivos naturais que você confere a seguir:

Beauveria bassiana

Usado para controlar uma variedade de insetos-praga, o Beauveria bassiana pode ajudar as plantas a combater cupins, tripes, moscas brancas, pulgões e diferentes besouros.

Estreptomicina

Utilizada para combater o crescimento de doenças bacterianas e fúngicas de certas frutas, vegetais e sementes. A estreptomicina é especialmente útil para o controle de doenças em algumas culturas.

Bacillus thuringiensis

As proteínas inseticidas cristalinas produzidas pelo Bacillus thuringiensis são usadas para controlar pragas de insetos em plantas.

4. Defensivos agrícolas: manejo e custos baseado em dados

Você nunca lembra ao certo quais foram as aplicações da última safra? Especialmente as doses e a mistura de produtos utilizada? E sobre a quantidade de uso de fertilizantes?

Ou sempre fica na dúvida se aquele produto mais caro realmente valeu a pena e qual foi seu custo por hectare.

Todas essas informações você pode ter em um caderno ou planilha atualizada e com todas as informações da safra de maneira organizada.

O problema é que a rotina pesada da lida da fazenda, juntamente com as inúmeras informações do campo tornam isso quase impossível.

>> 5 dicas infalíveis para uma aplicação de defensivos agrícolas mais eficaz

>> Como fazer controle de estoque de defensivos agrícolas em 5 passos

Com o software agrícola Aegro, você consegue ter todas essas informações de forma mais rápida e automatizada.

Sem falar nos gráficos e relatórios que te ajudam a visualizar como está tudo, tornando as tomadas de decisões muito mais seguras e assertivas.

custo-realizado-gestão-rural

Você também tem seus custos, total e por hectare, baseado em todos os dados da lavoura, conhecendo seu custo real de produção.

Além disso, o Aegro ainda permite a importação automática da nota fiscal, o monitoramento de pragas georreferenciado e muitos outras atividades para colaborar com seu dia a dia.

Saiba mais sobre o Aegro falando com um de nossos consultores aqui.

Conclusão

Vimos aqui algumas soluções para o uso de defensivos agrícolas e fertilizantes.

Novas tecnologias envolvendo os defensivos agrícolas podem até parecer distantes da nossa realidade.

No entanto, cada vez mais vamos ver essas tecnologias em campo com o intuito de facilitar e automatizar as atividades.

Com tudo isso nós poderemos ficar menos tempo em trabalhos mecânicos, e focar no que mais importa, como em manejos e estratégias mais eficientes de produção.

Assim, cabe a você se atentar e avaliar quais são as tecnologias que mais podem te ajudar hoje, colocando seu foco e tempo no que mais interessa!

Leia mais:

>> Armazenagem de defensivos agrícolas: como fazer e o que é preciso saber

>> 8 perguntas para fazer ao seu consultor sobre defensivos agrícolas

>> [Infográfico] Defensivos agrícolas genéricos ou de marca: a batalha definitiva do que usar na sua propriedade

>> Tudo o que você precisa saber sobre resistências a defensivos agrícolas

Gostou do texto? Conhece outras tecnologias inovadoras de defensivos agrícolas? Restou alguma dúvida? Adoraria ver seu comentário abaixo!