Parece que cada dia que passa fica mais difícil o controle por defensivos químicos.

Mas, felizmente, estão surgindo novas tecnologias para nos ajudar

Além de auxiliar, algumas tecnologias colaboram, inclusive, com o controle e a diminuição de desperdícios dos defensivos agrícolas.

Vamos ver nesse artigo um pouco sobre algumas tecnologias que vieram para somar na hora de alcançar as altas produtividades:

1.Defensivos agrícolas naturais

Dentre as tecnologias que vieram para ajudar no controle das pragas estão os Biopesticidas.

Conhecidos também por inseticidas biológicos.

Em sua composição podemos encontrar:

Trichogramma

Também conhecido como vespinha, é um inseto benéfico de grande eficácia para controlar os ovos das pragas.

defensivos químicos

(Fonte: Koppert)

Baculovírus

O Baculovírus é à base de vírus, possuindo eficácia para controle da lagartas pequenas, com até 1cm de comprimento.

Bacillus thuringiensis

O Bacillus thuringiensis  pode ser um bioinseticida ou ter algum de seus genes incorporados nas plantas.

A sigla “Bt” das sementes com tecnologia Bt que vemos por aí é justamente aos genes de Bacillus thuringiensis que fazem com que a planta produza proteínas inseticidas.

No caso do bioinseticida, o produto é eficaz no controle de várias lagartas comuns em grãos, sendo uma boa opção de manejo para lagartas mais novas de até 0,5 cm de comprimento.

No entanto, se você já possui cultura com tecnlogia Bt, não recomendo o uso desse bioinseticida, já que desse modo seriam dois manejos envolvendo a mesma tecnologia.

E isso aumenta a possibilidade de resistência a defensivos químicos.

Extrato de nim

A planta do nim tem mostrado atividade inseticida para várias espécies de pragas agrícolas, incluindo a Spodoptera frugiperda.

Saiba mais sobre o nim aqui.

MIP

O bom e velho conhecido de nós, o Manejo Integrado de Pragas (MIP), que não é uma nova tecnologia, mas é essencial para obter sucesso a curto e longo prazo no manejo.

banner planilha manejo integrado de pragas

Paecilomyces lilacinus

Mais recentemente também foram lançados produtos a base de fungos para o controle de nematóides.

Um exemplo é o produto a base do fungo Paecilomyces lilacinus, que tem eficiência para controle de Meloidogyne incognita nas culturas de soja e alface.

nematóide-das-galhas

Nematóide Meloidogyne spp.(nematóide-das-galhas) em soja
(Fonte: Marcelo Madalosso em Phytus Club)

Pochonia chlamydosporia

Outro fungo para controle de nematóides é o Pochonia chlamydosporia, o produto foi posicionado para as culturas de soja, milho, algodão, olerícolas e frutíferas.

O período de carência, ou seja, o número de dias entre a aplicação do produto e a colheita é por volta de 30 dias.

Além disso, precisamos evitar a aplicação do fungo em períodos de estiagem, dando preferência para a aplicação ocorrer nas horas mais amenas do dia, como pela manhã.

O armazenamento desse produto também é importante, sendo essencial guardá-lo longe da luz, na sombra.

Saiba mais sobre armazenamento de defensivos agrícolas aqui.

Vale lembrar que se você for realizar manejos com produtos químicos e biopesticidas, deve-se avaliá-los quanto a seletividade a inimigos naturais e aos componentes do biopesticida.

grafico_site helicoverpa defensivos químicos

(Fonte: Embrapa)

2. Novas tecnologias de defensivos agrícolas para controle químico

Aqui podemos citar uma inovação da Embrapa Meio Ambiente em 2016.

Eles aprimoraram a pulverização eletrostática.

Pulverização eletrostática é um sistema universal de eletrificação de gotas, utilizando um sistema pneumático eletrostático transportado e o pulverizador costal eletrostático.

As cargas elétricas fazem com que a trajetória da gota de pulverização seja modificada, assim as gotas caem na parte superior e inferior das folhas das plantas.

Isso nos traz inúmeras vantagens, dentre elas:

  • Redução do uso de produtos nas lavouras;
  • Há diversas possibilidades de aplicações de defensivos agrícolas, de acordo com a necessidade de cada cultura, de pequeno, médio e grande porte, o que amplia sua utilização;
  • Baixo custo;

Capacidade de reduzir de 50% a 90% da calda aplicada por área.

pulevrização-defensivos-agrícolas-eletrica

(Fonte:  Marcos Alexandre em Embrapa)

Você pode conferir mais sobre essa tecnologia neste link, nele tem vídeos explicativos sobre a pulverização eletrostática.

3. Defensivos químicos e veículos aéreos não tripulados (VANTs)

Como esta tecnologia pode te ajudar a ter um melhor controle

Os VANTs já são usados na agricultura para mapear e identificar doenças.

Agora é possível utilizar esses veículos aéreos como complementação às pulverizações convencionais.

Os VANTs identificam falhas de aplicação, ou reboleiras de plantas daninhas, doenças e pragas e, assim, fazem a aplicação de defensivos agrícolas de forma localizada.

Isso impede que as plantas, doenças e insetos se alastrem pela lavoura e reduzem a aplicação de defensivos em até 60%.

Veja também as principais doenças do milho neste artigo.

>> Se prepare na pré-safra: Como combater as principais doenças de milho, feijão e sorgo

Sensores ópticos

Utilizados na agricultura para avaliações de variabilidade espacial de atributos do solo;

Auxiliam na otimização e eficiência das operações agrícolas;

No Brasil são muito utilizados na aplicação de fertilizantes nitrogenados e mais recentemente na pulverização de defensivos agrícolas.

Um bom exemplo é o WeedSeeker® da Trimble.

Esse equipamento possui um sensor que identifica a ervas daninhas pelo verde da planta e aplica o herbicida somente onde a daninha se encontra:

Além disso, existem muito mais vantagens na utilização de sensores no campo, eles podem ser empregados de diversas formas e diferentes modalidade.

Leia mais sobre isso em: “8 maneiras de deixar sua lavoura mais inteligente utilizando sensores no campo”.

4. Aplicação variada de defensivos químicos

A aplicação homogênea, ou seja, colocar a mesma quantidade de insumo em toda a propriedade não é a melhor opção para um manejo efetivo e sem desperdícios.

A agricultura de precisão (AP) veio para revelar a variabilidade que existe na lavoura, possibilitando a interpretação de mapas e a aplicação em taxa variável.

Para se aprofundar no tema veja alguns artigos relacionados ao tema:

>> Software para Agricultura de Precisão: O guia definitivo para escolher um

>> 3 cursos de Agricultura de Precisão grátis (+ graduação e pós graduação que você pode fazer)

>> Guia absolutamente completo sobre agricultura de precisão na Pré-Safra

Mas você pode começar essa prática pela simples divisão dos talhões e verificando como ocorreram as atividades agrícolas, principalmente a produtividade por talhão.

colheita-indicadores

Além disso, o monitoramento dentro do manejo integrado de pragas te orienta em que faixa de área ou talhão precisam de mais ou menos aplicações.

Desse modo, você já começa a perceber as diferenças da sua lavoura, o que possibilita uma melhor gestão agrícola!

5. Novas tecnologias para gestão de defensivos agrícolas

Você já deve saber a importância da rotação dos mecanismos de ação dos defensivos químicos, de não deixar nenhum produto vencer e ter o controle de tudo o que foi aplicado.

Isso não é só crucial para as aplicações serem efetivas, mas também no controle dos custos de produção.

Mas são muitas operações, aplicações, defensivos…provavelmente você já se sentiu perdido na planilha ou caderno.

Em um software de gestão agrícola você tem todas essas informações organizadas, fáceis de serem visualizadas e tudo em um só lugar.

No software de gestão agrícola AEGRO, por exemplo, seus dados ficam seguros, sem perdê-los ou esquecê-los.

É possível também planejar as atividades durante a safra e acompanhar se estão sendo realizadas.

Você pode baixar o aplicativo de celular gratuito da AEGRO aqui para android, e aqui para Iphone.

Você pode ver mais em:

>> Como controlar os custos com um software de gestão agrícola

>> O que é um Software de Gestão Agrícola?

Tecnologia ajuda, mas não é tudo

Até aqui vimos algumas opções de tecnologias que podem auxiliar a hora da aplicação de defensivos.

Sabemos que a evolução nas operações agrícolas é constante e pode nos trazer inúmeras vantagens.

Mas devemos lembrar de que não adianta utilizar as melhores tecnologias disponíveis se não realizarmos os princípios da tecnologia de aplicação.

Ainda tem dúvidas?

Veja o estudo de caso realizado com um produtor que decidiu mudar e passar a utilizar um sistema de gestão nas suas fazendas:

>> [Estudo de caso] Como Elivelton reduziu 40% do seu custo de manutenção de máquinas com aplicativo para agricultura”.

Enfim, tem muitas novidades na lavoura, como “Novidades de máquinas e implementos agrícolas que ainda não vemos por aí”.

Conclusão

Cada vez mais as tecnologias têm nos ajudado no campo, principalmente em relação à aplicação de defensivos químicos.

Trouxemos neste texto algumas tecnologias que podem auxiliar na aplicação de defensivos e na gestão da lavoura.

E você, o que está esperando para dar o primeiro passo rumo a eficácia de gestão e aplicação?

>> Leia mais: “Agrofit: Conheça o maior banco de informações sobre defensivos do Brasil

Gostou dessas dicas? Tem outras tecnologias que utiliza em sua fazenda? Adoraria ver seu comentário abaixo!