gestão de herbicidas

Como reduzir os custos da gestão de herbicidas e tornar o manejo mais eficiente

- 29 de abril de 2021

Gestão de herbicidas: quais cuidados você deve tomar para um manejo eficiente e econômico de herbicidas

A qualidade e produtividade das plantas e a colheita mecanizada são negativamente afetadas pela presença de plantas daninhas.

Sem os herbicidas, o controle de plantas daninhas seria realizado manualmente.

O custo de controle pode triplicar quando há plantas resistentes a um ou mais modos de ação de herbicidas. Por isso, plantas resistentes a herbicidas na lavoura merecem atenção redobrada!

Neste artigo, você verá como praticar a gestão de herbicidas e ter maior produtividade e qualidade do produto com o controle das plantas daninhas.   

Importância do uso e gestão de herbicidas

A utilização de herbicidas é importante na produção agrícola brasileira porque permite minimizar a competição das culturas de interesse com plantas daninhas, e assim, maximizar os rendimentos da lavoura.

Culturas como soja, milho, trigo, feijão, algodão e cana-de-açúcar são produzidas em larga escala em grandes áreas e são dependentes dos herbicidas para reduzir a matocompetição.

A matocompetição é a “disputa” por espaço, luz, água e nutrientes de plantas daninhas com as cultivadas. Além de reduzir a produtividade das culturas, elas comprometem a qualidade dos grãos/sementes/pluma e a colheita mecânica.

Capim-amargoso (Digitaria insularis) na soja

Capim-amargoso (Digitaria insularis) na soja
(Fonte: Agronegócio em foco)

Não é só a falta de controle das plantas daninhas que gera prejuízos. Estratégias mal elaboradas ou falta de planejamento também resultam em danos. 

Má gestão dos herbicidas, aplicações não planejadas no estádio inadequado de desenvolvimento da cultura ou da daninha, além das sub ou super doses são comuns no campo. 

Tudo isso pode gerar problemas sérios, como a seleção de plantas resistentes.

Resistência de plantas daninhas aos herbicidas

Os índices de resistência de plantas daninhas a herbicidas vem crescendo de forma alarmante, resultado do uso equivocado de herbicidas.

No Brasil, as plantas identificadas com resistência são um grande problema. A buva (Conyza spp.)  e o capim-amargoso (Digitaria insularis) são as principais.

Em um estudo de 2017 da Embrapa, foi determinado que no sistema de produção da soja, os prejuízos causados pela resistência de plantas a herbicidas se aproximam de R$ 5 bilhões anualmente.

Uma das soluções para minimizar o impacto negativo da resistência foi a introdução da soja transgênica (RR), que possibilitou a utilização de inibidor da EPSPs (glifosato) em pós-emergência, com controle eficiente às daninhas na época.

Crescimento anual de casos de plantas daninhas resistentes a herbicidas

Crescimento anual de casos de plantas daninhas resistentes a herbicidas
(Fonte: MyFarm)

A introdução ilegal dessa tecnologia e o uso contínuo e repetido do glifosato sem acompanhamento técnico aceleraram a pressão de seleção, resultando em novas plantas resistentes.

Hoje, o custo com o manejo de plantas daninhas pode triplicar em lavouras com plantas resistentes quando comparado a um cenário sem elas.

e-book para manejo de plantas daninhas, baixe agora

Custo do controle de daninhas

Operações de pulverização com herbicidas são um custo relevante na safra. As diversas aplicações e o valor dos produtos tornam essencial o gerenciamento desta operação.

O conhecimento do histórico da área, espécies predominantes ou existência de plantas resistentes auxilia o produtor na escolha de diferentes tratamentos. O custo é variável de acordo com o manejo adotado.

Não procure a forma mais barata de manejar plantas daninhas, mas sim a mais eficiente. Doses fora do recomendado e produtos inadequados selecionam plantas resistentes.

Veja na tabela abaixo como os custos aumentam à medida que há uma ou mais plantas com resistência na área, e entenda como a falta de gerenciamento pode encarecer o manejo.

tabela com custo (em 2017) do controle de diferentes plantas resistentes ao glifosato

Custo (em 2017) do controle de diferentes plantas resistentes ao glifosato
(Fonte: Embrapa Soja)

Num cenário de ausência de resistência em lavoura de soja, o manejo se resumiria a uma aplicação (de glifosato) na dessecação e uma ou duas em pós-emergência.

Os custos, segundo a Embrapa, sairiam próximo de R$ 120 por ha por safra

No cenário com resistência, há necessidade de outro produto agregado. Isso poderá piorar se houver plantas com resistência múltipla, onde as opções de agroquímico se restringem ainda mais. Nesse caso, os custos podem chegar a R$ 380 por ha por safra.

Como ser eficiente na redução de custos no controle de plantas daninhas

Para que a aplicação dos herbicidas seja eficiente, você precisa ter planejamento e saber como e quando irá fazer. Para isso:

  • fique por dentro das normas de segurança para prevenir acidentes durante a pulverização;
  • tenha o pulverizador limpo e regulado;
  • conheça a classificação dos herbicidas e a época em que devem ser aplicados (pré e pós-emergentes);
  • tenha o produto certo para as daninhas que você quer controlar;
  • pulverize nas condições edafoclimáticas adequadas;
  • atente-se às características de solo para obter um bom residual no pré-emergente;
  • aplique os herbicidas em um intervalo curto e sequencial (de 5 a 15 dias). Isso eleva a eficácia e desempenho do produto;
  • use novas ferramentas para o controle de plantas daninhas.

Como a agricultura de precisão pode ajudar na gestão de herbicidas

Uma boa forma de controlar a aplicação de herbicidas é gerenciar através de planilhas o histórico de cada área ou talhão, registrando, por exemplo:

  • espécies daninhas presentes, com ou sem resistência;
  • produtos utilizados (modo de ação, ingrediente ativo);
  • estádio da planta daninha e comercial no momento das pulverizações;
  • custo de aplicação (considerar todas as variáveis);
  • produtividade e valor de venda do produto.

Todas as informações possíveis de registrar são importantes, permitindo ao final da safra avaliar qual manejo foi mais eficiente e economicamente viável.

A informatização dos dados com a agricultura de precisão reúne técnicas que vêm se tornando comuns nas propriedades agrícolas, e auxiliam no gerenciamento da informação e do manejo.

Mapa digital de identificação de plantas daninhas - gestão de herbicidas

Mapa digital de identificação de plantas daninhas
(Fonte: Avantagro)

Hoje há equipamentos que fazem o mapeamento de plantas daninhas na lavoura através de sensores, e junto da tecnologia de aplicação em taxa variável, reduzem o número de aplicações de 40% a 60%.

planilha para cálculo de pulverização, baixe agora

Conclusão

Faça as aplicações de herbicidas corretamente, seguindo todos os cuidados e recomendações. 

Use os produtos e doses indicadas, no momento certo, analisando a espécie invasora e a cultura que será ou está plantada, para não errar o manejo. Isso irá te auxiliar no controle dos gastos com herbicidas.

Tenha a gestão de herbicidas como uma rotina na propriedade, para que não surjam casos de plantas daninhas resistentes. Assim, você irá aumentar sua produtividade sem elevar custos.

Tome muito cuidado com as daninhas resistentes. Elas podem se tornar um gasto muito grande. Utilize a rotação de princípio ativo e modo de ação para evitar esta dor de cabeça.

E por fim, utilize as ferramentas disponíveis no mercado, inove na sua propriedade, busque novos conhecimentos com pessoas capacitadas e invista em novas tecnologias.  

Todos esses passos te ajudarão a gerenciar e aumentar seus lucros!

>> Leia mais:

Tudo o que você precisa saber sobre plantas daninhas na pré-safra

Como fazer o controle não químico das plantas daninhas

“Tudo a respeito do novo herbicida terbutilazina”

Este artigo te ajudou a entender melhor como a gestão de herbicidas pode aumentar sua lucratividade sem elevar os seus custos? Conte-nos sua experiência aqui nos comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *