Doenças do feijoeiro: principais doenças, sintomas, agente causal, condições favoráveis para a ocorrência e como controlá-las.

O plantio do feijão no Brasil pode ocorrer em três safras. Mas, por conta das condições climáticas, algumas doenças podem ocorrer de forma mais intensa em uma safra que na outra.

Conhecer as doenças mais frequentes e saber como manejá-las é essencial para garantir uma boa produção e, consequentemente, mais rentabilidade com a lavoura.

Neste artigo, vou explicar os sintomas mais recorrentes das doenças do feijão e como fazer o controle em sua propriedade. Confira!

Doenças do feijão: incidência nas diferentes safras

As doenças do feijoeiro podem ocorrer de forma mais ou menos acentuada conforme a safra (primeira, segunda ou terceira).

Na primeira safra, também chamada de safra das águas, com semeadura de setembro a dezembro, há maior ocorrência de doenças como antracnose, mofo-branco e crestamento bacteriano.

Na segunda (safra da seca – plantio de janeiro a maio) e terceira safras (safra de outono-inverno, semeadura de abril a julho), algumas doenças como mancha angular e mosaico dourado são as de maior ocorrência e dano.

Já as doenças de solo estão associadas à ocorrência do patógeno no solo.

Vou explicar melhor essas e outras doenças a seguir:

1 – Mosaico dourado do feijoeiro

O mosaico dourado, causado pelo vírus Bean Golden mosaic virus (BGMV), é a principal virose do feijoeiro, podendo causar grandes perdas na produção. Tem como vetor a mosca-branca.

Como sintoma característico da doença, há um mosaico intenso nas folhas de coloração amarelo a dourado. Elas podem ainda ficar enroladas e encarquilhadas. 

Já as vagens e os grãos ficam deformados e malformados, o que prejudica a qualidade do produto.

Algumas medidas de manejo para esta doença são:

  • vazio sanitário para feijoeiro;
  • uso de inseticidas com objetivo de controlar o vetor;
  • variedades tolerantes ou resistentes.

Aqui no Lavoura10 já explicamos tudo sobre a doença. Confira: “Mosaico dourado do feijoeiro e seu manejo”.

2 – Crestamento bacteriano comum no feijoeiro

É considerada a principal doença bacteriana de algumas regiões produtoras do feijão do Brasil. 

O crestamento bacteriano comum é causado pelas bactérias Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli e X. fuscans sus. Fuscans, que penetram na parte área da planta por aberturas naturais ou por ferimentos. A doença pode provocar até 70% de redução na produção do feijoeiro

Prevalece nas safras das águas devido às altas temperaturas e ocorrências de chuvas, fatores que favorecem as bactérias.

Como sintomas, você pode observar inicialmente lesões com aspecto encharcado de coloração verde-escura nas folhas. 

Com o progresso da doença, esses sintomas evoluem e aumentam de tamanho. As folhas ficam necrosadas. Nas extremidades das lesões surgem halos amarelos. 

Os sintomas típicos da doença ocorrem quando as lesões são mais velhas, tendo o centro necrótico e com halo amarelo, podendo ocasionar a queda prematura das folhas.

foto de crestamento bacteriano comum em folhas de feijão

(Fonte: Agrolink)

Nas vagens, podem ocorrer lesões de aspecto encharcado, que depois progridem para lesões escuras e um pouco deprimidas.

Medidas de manejo do crestamento bacteriano em feijoeiro são:

  • variedades resistentes;
  • aplicação de cúpricos na lavoura, que pode retardar o aparecimento dos sintomas.

3 – Antracnose no feijoeiro

A antracnose é causada pelo fungo Colletotrichum lindemuthianum, sendo considerada uma das doenças mais importantes da cultura.

Tem maior ocorrência em regiões de temperaturas moderadas e alta umidade. Pode causar até 100% de danos em variedades suscetíveis, além de causar manchas nos grãos.

A necrose nas nervuras é um sintoma bastante característico da doença. Além disso, há presença de lesões principalmente na parte de baixo das folhas, sendo alongadas, de coloração avermelhada a marrom.

Nas vagens, como sintomas típicos temos: lesões circulares, deprimidas e com a borda da lesão mais escura. Quando atinge os grãos, pode depreciar a comercialização.

três fotos, uma ao lado da outra, que mostra lesões causadas pro antracnose na folha, no grão e na vagem do feijão.

Lesões de antracnose no feijoeiro nas folhas, grãos e vagens
(Fonte: Adama)

Esse fungo pode sobreviver em sementes, restos culturas e hospedeiros alternativos.

Algumas medidas de manejo da antracnose do feijoeiro são:

  • sementes sadias e certificadas;
  • rotação de culturas (uso de gramíneas não hospedeiras);
  • eliminação de restos culturais;
  • variedades resistentes;
  • controle químico com fungicidas.

4 – Mancha angular do feijoeiro

A mancha angular do feijoeiro é causada por Pseudocercospora griseola, que pode sobreviver em sementes, restos de culturas e outros hospedeiros. Pode causar até 80% de perdas em produtividade.

Como sintoma típico, ocorrem lesões de coloração cinza a marrom, de formato angular (delimitadas pelas nervuras), e com halo amarelo. No campo, os sintomas ficam mais evidentes na fase final da cultura. 

Com o progresso da doença pode ocorrer a desfolha prematura da planta.

foto de mancha angular do feijoeiro

(Fonte: Taurino Alexandrino Loiola em Embrapa)

Medidas de manejo da mancha angular do feijoeiro:

  • variedades resistentes;
  • uso de sementes sadias e certificadas;
  • eliminação de restos culturais;
  • aplicação de fungicidas.

5 – Mofo-branco

O mofo-branco é causado pelo fungo Sclerotinia sclerotiorum, que podem afetar várias culturas. Em feijoeiro, é considerada uma das doenças mais agressivas da cultura, sendo mais problemática no florescimento.

A doença é favorecida por alta umidade e temperatura amenas. 

Como sintomas ocorrem lesões encharcadas na parte aérea da planta. E, com o progresso da doença, há o crescimento de um micélio branco, com aspecto cotonoso (parecido com algodão) sobre essas lesões. Há ainda a formação de escleródios.

foto de mofo-branco, doenças do feijão

(Fonte: Nédio Rodrigo Tormen em Cultivar)

Os escleródios são enovelamento/agregado de hifas, que são estruturas de resistência do fungo. Assim, este fungo pode sobreviver no solo através dessas estruturas por vários anos.

Os escleródios podem ser propagados por sementes ou máquinas agrícolas.

Medidas de manejo do mofo-branco do feijoeiro são:

  • sementes sadias e tratamento de sementes;
  • limpeza de máquinas e equipamentos agrícolas;
  • evitar alta densidade de plantio que favorece a formação da doença;
  • uso de fungicidas para proteção da cultura.

6 – Podridão radicular seca no feijoeiro

Essa doença é causada pelo fungo Fusarium solani e é presente em todas as regiões produtoras de feijão do Brasil. 

O patógeno sobrevive no solo por vários anos e raramente mata a planta, mas pode causar até 50% de perdas na cultura.

Como sintoma, você pode observar coloração avermelhada nas raízes jovens das plantas, que progride para lesões de coloração marrom por toda superfície da raiz. A doença resulta em plantas pouco desenvolvidas, tendo um estande irregular.

 foto de podridão radicular seca no feijoeiro

(Fonte: Murillo Lôbo Júnior em Embrapa)

A doença é favorecida por solos compactados, encharcados, com temperaturas baixas e pelo cultivo intenso de feijoeiro.

Medidas de manejo da podridão radicular seca do feijoeiro são:

  • tratamento de sementes com fungicidas;
  • evitar plantar em solos compactados e encharcados.

7 – Podridão de raízes do feijoeiro

A podridão de raízes do feijoeiro é causada por Rhizoctonia solani, patógeno que é habitante da maioria dos solos cultivados.

O fungo pode atacar as sementes e a apodrece antes de iniciar ou durante sua germinação.

Se a plântula de feijão é infectada, ocorre lesão na base do caule, de coloração avermelhada, que pode resultar em morte do sistema radicular e tombamento das plântulas.

 Podridão de raízes do feijoeiro

(Fonte: Murillo Lôbo Júnior em Embrapa)

Medidas de manejo da podridão das raízes do feijoeiro são:

  • sementes sadias;
  • tratamento de sementes com fungicidas;
  • evitar plantar em solos compactados e encharcados.
checklist planejamento agrícola Aegro

Conclusão

O feijoeiro é cultivado praticamente durante o ano todo no Brasil, mas muitas doenças podem interferir na produtividade dessas safras.

Neste artigo, mostramos as principais doenças do feijão, seus sintomas e como controlá-las. 

Agora que você tem essas informações, não deixe que essas doenças reduzam o lucro da sua lavoura!

Você já teve muitos problemas com doenças do feijão? Como realiza o manejo na sua fazenda? Adoraria ver seu comentário abaixo.