Lagarta militar Spodoptera frugiperda: 7 passos para combater de forma eficiente a lagarta-do-cartucho em sua lavoura!

O propósito de vida de uma lagarta é comer. E a lagarta-do-cartucho (ou lagarta militar Spodoptera frugiperda) faz isso muito bem!

Nenhum agricultor é alheio ao dano que essa visitante indesejada pode causar em sua plantação.

Essa lagarta pode reduzir sua produtividade em até 73% em ataques intensos, causando prejuízos da ordem de US$ 400 milhões anualmente.

No entanto, o controle da lagarta-do-cartucho do milho não é tão simples assim. Por isso, é comum ainda ter problemas com essa praga. 

Vamos acabar de vez com isso! Acompanhe os 7 passos para entender mais sobre a praga e como combatê-la!

Passo 1: Identifique lagarta militar Spodoptera frugiperda na sua cultura do milho

Existem 3 lagartas formadoras do conhecido “Complexo Spodopteras”.

  1. Spodoptera frugiperda;
  2. Spodoptera eridania;
  3. Spodoptera cosmiodes.

No campo elas são bem parecidas, não é mesmo? Mas podemos observar algumas diferenças para rápida identificação:

Spodoptera eridania

lagarta militar spodoptera frugiperda

(Fonte: Bug guide)

Apresenta 3 listras brancas ou amareladas no dorso e uma listra lateral interrompida por uma mancha escura no primeiro e oitavo segmentos.

Além disso, há 2 fileiras de manchas triangulares ao longo do dorso;

Spodoptera cosmiodes

Contém 3 listras alaranjadas com pontuações brancas e pontos pretos nas extremidades.

Apresenta também faixa escura entre o terceiro par de pernas e o primeiro de falsas pernas abdominais.

spodoptera-cosmiodes

(Beetles in the Bush em Defesa Vegetal)

Mas para a cultura do milho a mais importante é a S. frugiperda:

Lagarta militar Spodoptera frugiperda

A lagarta-do-cartucho, também chamada de lagarta militar, apresenta pontuações pretas aos pares, com 4 pontuações pretas no final do abdômen, formando um quadrado.

Outra característica de identificação é o Y invertido na cabeça. Você pode ver essas características na figura abaixo:

spodoptera-frugiperda-identificação

(Fonte: Adaptado de CABI – PlantWise)

Passo 2: Identifique os danos causados no milho pela lagarta-do-cartucho

Silva e Foresti (2016) fizeram um excelente estudo que ilustra muito bem os danos causados pela lagarta militar (Spodoptera frugiperda) na cultura do milho. Veja abaixo:

parcelas-infestadas-spodoptera-frugiperda

Parcelas não infestadas (A, B e C) e parcelas infestadas (D, E e F) com 20 lagartas-do-cartucho por planta, nos estádios V2 (A e D), V4 (B e E) e V6 (C e F), 14 dias após a infestação.
(Fonte: Silva e Foresti (2016) em Pioneer)

Podemos observar que a infestação da lagarta tem potencial para dizimar as lavouras de milho.

No entanto, para identificar os primeiros sinais da lagarta-do-cartucho na sua área, procure por folhas raspadas, dano causado pelos primeiros ínstares da praga.

Com lagartas mais desenvolvidas, pode ser verificado também folhas perfuradas, cartucho destruído, espigas danificadas e danos na base da planta.

Agora veremos os períodos críticos para você se preocupar com a praga:

Passo 3: Saiba os períodos críticos do ataque de lagarta militar Spodoptera frugiperda

A lagarta-do-cartucho tem seu período de maior incidência de outubro a janeiroMas, podem ocorrer ataques severos na segunda safra de milho se houver períodos de baixa precipitação.

Vejas as condições favoráveis ou não para a Spodoptera frugiperda (lagarta militar):

Condições climáticas que favorecem a lagarta-do-cartucho

  • Períodos de seca;
  • Temperaturas diurnas elevadas;
  • Temperaturas noturnas amenas.

Condições climáticas que desfavorecem a lagarta-do-cartucho

  • Período de chuvas;
  • Temperaturas noturnas e diurnas baixas.

Passo 4: Faça o monitoramento da Spodoptera frugiperda (lagarta-militar)

Todos os produtores necessitam fazer o monitoramento de pragas na lavoura. Isso inclui os que usam híbridos Bt e os que não usam híbrido Bt.

É por meio do monitoramento que você vai saber com certeza quando aplicar inseticidas (biológicos ou não).

Desse modo, veja neste artigo como fazer o monitoramento de forma adequada.

Após ter os dados de seu monitoramento, verifique se os danos das lagartas atingiram o nível de controlePara isso, confira o nível de ação de controle  dessa e de outras importantes pragas do milho:

spodoptera-frugiperda-lagarta-do-cartucho

Baixe aqui sua planilha gratuita para fazer o MIP! planilha-mip

Caso você tenha constatado que o nível foi atingido, verifique as opções de controle.

A opção mais comum é o controle químico:

Passo 5: Faça o controle químico consciente da Spodoptera frugiperda

Aqui você encontra todos os inseticidas recomendados para a lagarta-do-cartucho:

lista-inseticidas-lagarta-do-cartucho

(Fonte: Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas (IRAC BR))

Mas não basta apenas conhecer os inseticidas recomendados para essa praga, é preciso um conjunto de medidas para combatê-la eficientemente.

Nesse sentido, é também essencial a prevenção da resistência a inseticidas:

Passo 6: Previna a resistência a inseticidas em sua área

O uso do mesmo produto químico safra após safra resulta em seleção de lagartas resistentes a esse inseticida.

Foi assim que a lagarta-do-cartucho desenvolveu resistência ao metomil.

A resistência foi descoberta em trabalho de monitoramento de resistência da lagarta realizado pela Embrapa em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso e a Aprosoja-MT.

Caso não nos atentemos a esse aspecto, a lagarta pode desenvolver resistência aos produtos que você usa na sua área.

Para se aprofundar sobre o assunto de resistência, recomendo a leitura de outro texto meu: “Tudo o que você precisa saber sobre resistências a defensivos agrícolas.”

Se já é difícil controlar a lagarta-do-cartucho sem resistência, imagine com mais esse agravante. Por isso, veja com cuidado as recomendações do IRAC para evitar a resistência aos inseticidas ou aos eventos Bt.

Recomendações do IRAC para evitar o desenvolvimento de resistência a inseticidas

  • Siga as instruções de uso no rótulo de cada produto
  • Consulte o rótulo do produto ou o site do IRAC para determinar o modo de ação de cada produto
  • Alterne os mecanismos de ação dos produtos
  • Você pode seguir o exemplo abaixo conhecido por “janelas de aplicação
janela de aplicação

(Fonte: IRAC)

Uma janela de aplicação é o período de atividade residual fornecido pela aplicações de produtos químicos.

Essa janela de aplicação não deve exceder aproximadamente 30 dias (em geral, tempo de uma geração dos insetos-praga).

A janela de aplicação pode até ser um pouco menor, ou seja, você pode aplicar outro inseticida antes dos 30 dias. Mas cuidado! Não faça 2 aplicações seguidas do mesmo mecanismo de ação.

  • Após esse período, se forem necessárias mais aplicações, utilize inseticidas com diferentes mecanismos de ação;
  • O período total de residual dos produtos com o mesmo mecanismo de ação não deve ultrapassar 50% do ciclo da cultura ou 50% do número de aplicações para a mesma praga;
  • Aplique inseticidas somente quando necessário. Para isso, utilizamos o Manejo Integrado de Pragas (veja como aqui).

Além das recomendações do IRAC, existem outras que nem sempre prestamos a devida atenção, mas que auxiliam muito no manejo de pragas :

  • Não deixe suas áreas em pousio;
  • Comece a cultura sem plantas daninhas;
  • Utilize a dose adequada e o período correto de aplicação, observando-se as melhores condições para a realização da mesma;
  • Utilize o manejo pós-colheita: associação de herbicidas com diferentes mecanismos de ação.

Você pode ter notado a relação entre plantas daninhas e controle de insetos. Isso ocorre visto que a presença de invasoras no campo é garantia de hospedeiro para a praga durante todo o ano – é assim que a praga consegue alimento.

Veja mais sobre insetos resistentes em: “5 pragas agrícolas resistentes a defensivos agrícolas e como combatê-las.”

Passo 7: Use também o controle biológico da Spodoptera frugiperda

O controle biológico também têm resultados promissores no campo!

Por exemplo, o fungo Metarhizium anisopliae em estudo mostrou controlar a lagarta-do-cartucho, com aumento em mais de 50% na produção de grãos de milho.

Você pode verificar o estudo completo aqui.

lagarta-do-cartucho-controle-biológico

(Fonte: foto de Pedro Saul Castillo em Defesa Vegetal)

Conclusão

A lagarta militar Spodoptera frugiperda causa grandes prejuízos na cultura do milho, sendo preciso um controle adequado.

Saber reconhecer a lagarta e fazer o monitoramento adequado te auxiliam muito nesse manejo.

Nesses 7 passos você viu como fazer isso, além da identificação de danos na cultura.

Vimos também a realização do controle químico e biológico e até como prevenir a resistência a inseticidas.

Todo esse manejo inclui uma boa gestão agrícola, de modo que tudo seja feito corretamente e no período certo.

Espero que você faça bom uso das dicas e obtenha uma lavoura livre da lagarta militar (lagarta-do-cartucho)!

>>Leia mais: “Principais pragas do algodão e as estratégias para seu controle

Você utiliza algum manejo diferente dos que citei aqui para controle da lagarta militar (Spodoptera frugiperda)? Tem outras dicas sobre o tema? Adoraria ver seu comentário abaixo!