Lagartas na soja: Principais diferenças entre elas, fases em que ocorrem danos na lavoura e os melhores métodos de controle.

Você já sabe que as lagartas causam muitos prejuízos quando não controladas. 

Nesta safra, por exemplo, estamos vendo surtos da Helicoverpa armigera em áreas de soja.

Você saberia identificar cada lagarta que afeta a cultura da soja, seus hábitos, coloração e danos que causam?

Tudo isso é muito importante para que você saiba exatamente quando e como agir para manter a fitossanidade da cultura.

Veja tudo isso neste artigo e faça um manejo ainda melhor na sua propriedade!

Lagartas que ocorrem na soja

As lagartas são a fase jovem dos insetos da ordem Lepidoptera, em que estão as borboletas e mariposas.

Nas lavouras, as lagartas das mariposas são as principais responsáveis por causar injúrias.

São diversas as espécies que ocorrem desde a fase inicial até a fase reprodutiva. 

As principais lagartas que atacam a cultura da soja são:

Vamos conhecer melhor cada uma delas a seguir!

Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus

Lagarta-elasmo

Lagarta-elasmo
(Fonte: Bayer)

A lagarta-elasmo ou broca-do-colo é uma praga que ataca a soja logo no plantio. E, se não for controlada, pode danificar muito sua lavoura.

É importante saber que essa lagarta ocorre, preferencialmente, em solos mais arenosos. Além disso, ela necessita de períodos prolongados de seca para se estabelecer na fase inicial da cultura. 

As lagartas têm coloração inicial esverdeada, mas tornam-se mais amarronzadas conforme vão aumentando de tamanho (que pode chegar a 2 cm).

Possuem faixas transversais amarronzadas ou avermelhadas no dorso. 

Os sintomas de ataque são murcha e secamento das folhas, levando a planta à morte.

Isso ocorre devido ao seu hábito de fazer cortes e broqueamento nas plantas novas.

Lagarta-elasmo soja

Período de ocorrência da lagarta-elasmo
(Imagem adaptada de Instituto Phytus)

Lagarta-rosca (Agrotis ipsilon)

Lagarta-rosca

Lagarta-rosca
(Fonte: TD Monsanto

Assim como a lagarta-elasmo, a lagarta-rosca também ocorre na fase inicial da cultura. Porém, ela ocorre em solos mais úmidos e com grandes concentrações de matéria orgânica. 

Tanto os adultos como as lagartas possuem hábitos noturnos. As mariposas têm coloração parda ou marrom com envergadura das asas anteriores de cerca de 5 cm.

As lagartas, com coloração variável (sendo a mais comum a pardo-acinzentada), podem chegar a 4,5 cm de comprimento. Durante o dia, ficam abrigadas no solo. 

Elas se alimentam principalmente das hastes, mas atacam as sementes recém-germinadas da soja.

Podem causar sintomas como reboleiras com falhas na germinação, coração morto e plântulas com murchamento. 

Lagarta-rosca soja

Período de ocorrência da lagarta-rosca
(Imagem adaptada de Instituto Phytus)

Lagarta-da-soja (Anticarsia gemmatalis

lagarta-da-soja

Lagarta-da-soja
(Fonte: Koppert)

É a lagarta desfolhadora mais comum em todo o território nacional. E, por ser desfolhadora, a lagarta-da-soja começa a aparecer no estádio vegetativo V2

As lagartas menores possuem coloração verde e podem ser confundidas com a lagarta-falsa-medideira, pois também costumam medir palmos. 

Lagartas maiores, com cerca de 1,5 cm de comprimento, podem ter coloração tanto esverdeadas como amarronzadas. Elas ainda apresentam três linhas brancas longitudinais no dorso. 

A lagarta-da-soja se alimenta do terço superior das plantas e, conforme vão se tornando maiores, a desfolha aumenta. Dependendo da densidade da população, podem se alimentar até mesmo de flores e vagens. 

lagarta-da-soja

Período de ocorrência da lagarta-da-soja
(Imagem adaptada de  Instituto Phytus)

Lagarta-falsa-medideira (Chrysodeixis includens)

Lagarta-falsa-medideira

Lagarta-falsa-medideira
(Foto: Bayer)

Outra lagarta desfolhadora é a lagarta-falsa-medideira. Ela tem sido um problema grande nas lavouras de soja, principalmente quando seus surtos ocorrem junto com a lagarta-da-soja.

Quando eclodem, as lagartas têm coloração verde-clara e, ao se alimentarem, podem apresentar uma cor mais verde-amarronzada.

Possuem listras longitudinais brancas com pontuações pretas no dorso

Esta lagartas são assim conhecidas porque se locomovem “medindo palmo”, com dois pares de pernas abdominais. 

Localizam-se no terço inferior das plantas e consomem as folhas sem atingir as nervuras, deixando um aspecto rendilhado. 

Lagarta-falsa-medideira soja

Período de ocorrência da lagarta-falsa-medideira
(Imagem adaptada de Instituto Phytus)

Lagarta-das-maçãs (Chloridea (=Heliothis) virescens)

Lagarta-das-maçãs

Lagarta-das-maçãs 
(Fonte: Pioneer Sementes)

A lagarta-das-maçãs é a principal praga do algodoeiro, mas se tornou extremamente polífaga nas últimas décadas, atacando diversas outras culturas, como a soja. 

As lagartas inicialmente têm coloração verde-claro e, com o tempo, se tornam mais amarronzadas, podendo atingir até 2,5 cm de comprimento. 

Elas se alimentam dos ponteiros das plantas, começando pelas folhas novas, passando para as brácteas até atingir flores e botões florais.

Os sintomas típicos são diminuição das flores e consequente redução da produção de vagens. 

Lagarta-das-maçãs soja

Período de ocorrência da lagarta-das-maçãs
(Imagem adaptada de Instituto Phytus)

Lagarta-do-cartucho (Spodoptera spp.)

Lagarta-do-cartucho

Complexo de Spodoptera spp.
(Fonte: Lavoro)

As lagartas do complexo de Spodoptera têm uma grande importância econômica na soja, devido à voracidade das espécies.

A espécie Spodoptera frugiperda causa danos, principalmente, nas plântulas. Spodoptera eridania e S. cosmioides atacam tanto na fase vegetativa como na reprodutiva. 

As espécies possuem características morfológicas distintas e, por isso, há a necessidade de melhor detalhamento na identificação. 

Podem atacar desde as plântulas até as vagens. Inicialmente, causam sintomas semelhantes à lagarta-rosca, pois cortam as plântulas rente ao solo.

E, quando atacam na fase reprodutiva, se abrigam no interior das plantas. 

Período de ocorrência da lagarta-do-cartucho
(Imagem adaptada de Instituto Phytus)

Como controlar as lagartas na soja?

Para controlar as lagartas na soja, não existe apenas um método que irá acabar com todas elas.

No Manejo Integrado de Pragas (MIP), você deve iniciar com a base, que é o monitoramento, e partir para o controle após a tomada de decisão

Após realizar o monitoramento, você poderá utilizar vários métodos de controle das lagartas que podem prejudicar sua lavoura.

Dentre os métodos, podemos citar controle cultural, controle genético, controle biológico e controle químico. Mas você poderá decidir por outros métodos também.

Vamos ver melhor cada um deles a seguir:

Controle cultural 

Em diversas culturas é possível realizar a rotação de culturas para controlar lagartas. Porém, na soja, as lagartas são muito polífagas e a rotação não surtiria muito efeito.

Mas você poderá utilizar técnicas que vão melhorar a sanidade da lavoura, que ficará mais resistente ao ataque dessas pragas

Algumas ações que irão te ajudar nisso:

  • Destruição de restos culturais;
  • Adubação de maneira correta;
  • Plantar na época adequada;
  • Destruição de hospedeiros alternativos;
  • Tratamento de sementes. 

Controle genético

Existem variedades de soja modificadas geneticamente, como a Intacta RR2 PRO®, e variedades selecionadas com resistência natural a insetos. 

As tecnologias com a proteína Bt (Bacillus thuringiensis) conferem resistência à maioria das lagartas aqui citadas. 

É importante lembrar que, quando você for utilizar uma variedade resistente, é necessário que se faça o plantio da área de refúgio, para não haver seleção de insetos resistentes.

Controle biológico 

O controle biológico dos lepidópteros-praga na cultura da soja pode ser feito com micro e com macroorganismos.

Pode ocorrer de forma natural, com organismos presentes na cultura, ou você pode aplicar, de forma inundativa, adquirindo em empresas especializadas na produção desses agentes. 

Alguns exemplos de organismos para controle de lagartas na soja:

  • Baculovirus;
  • Beauveria bassiana;
  • Bacillus thuringiensis
  • Trichogramma pretiosum

Controle químico

Não mais importante que os demais tipos de controle, no manejo integrado de pragas você pode realizar o controle com inseticidas, desde que seja de forma consciente. 

Aplicar de forma calendarizada de nada vai contribuir para a redução das pragas a longo prazo. Pelo contrário, você talvez irá gastar mais do que precisava e ainda poderá piorar a situação das pragas. 

Então, sempre que for utilizar um inseticida para controle das lagartas, consulte um Eng. agrônomo(a) e leia a bula.

Existem vários inseticidas registrados no Agrofit (MAPA), mas aconselho você a optar por aqueles mais seletivos aos inimigos naturais.

E também fique atento à tecnologia de aplicação, pois, como você viu, algumas lagartas ficam mais no terço inferior e outras no terço superior das plantas.

Nos artigos a seguir, temos mais orientações sobre o controle químico:

Conclusão

Neste artigo, você viu as principais lagartas na soja. Algumas podem atacar apenas na fase inicial da cultura e outras atacam desde a fase inicial até a fase reprodutiva.

Foi possível ver que os sintomas são bastante característicos, o que vai te ajudar a identificar melhor as pragas.

Para controlar as lagartas, o ideal é que você faça o manejo integrado de pragas com várias táticas em conjunto para melhor resultado.

>> Leia mais: “Como fazer o MIP da soja

Como você faz o controle das lagartas na soja hoje? Qual sua maior dificuldade? Adoraria ler seu comentário!