Solo arenoso: veja alternativas para melhores resultados produtivos, características do solo, estratégias de manejo e como recuperar a fertilidade. 

Quando tratamos de produção, uma das primeiras coisas que se vem à mente é o solo. 

Existe uma diversidade de solos com diferentes texturas, estruturas, profundidades e riquezas. 

Mas como a produção é demandada, temos que aprender a lidar com as peculiaridades de cada um e, dentre esses, vamos destacar aqui os solos arenosos. 

Eles constituem cerca de 8% do território nacional e podem obter produções satisfatórias.

Para isso é necessário conhecê-los e estabelecer estratégias de utilização e de manejo do solo arenoso. Confira a seguir!

O que é solo arenoso?

Solos arenosos, também chamados de solos de textura leve, são caracterizados pelo seu alto teor de areia. 

Quando o solo é classificado como arenoso, apresenta teor de areia superior a 70% e teor de argila inferior a 15%. 

gerador de triângulo textural

(Fonte: Gerador de Triângulo Textural)

Nesse tipo de solo é comum encontrar as seguintes características:

  • Consistência granulosa (grãos grossos, médios e finos);
  • Alta porosidade e permeabilidade, devido ao arranjo das partículas;
  • Pouca umidade;
  • Pobreza em nutriente;
  • Baixo teor de matéria orgânica;
  • pH ácido;
  • Alta possibilidade de erosão.

A grande parte dos solos arenosos está presente na região Nordeste, sendo um dos maiores problemas para agricultura. 

Entretanto, esses solos também podem ser encontrados em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Pará, Maranhão, Piauí e Pernambuco, ocorrendo ainda no Norte de Minas Gerais, Alagoas, Ceará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Tocantins e Goiás.

Solo arenoso: Por que dificultam o cultivo?

Os solos arenosos são constituídos quase que exclusivamente por grãos de areia, ou seja, quartzo, desta maneira são pobres em nutrientes.  

Além disso, esses solos se esgotam rapidamente com poucos anos de uso e necessitam de manejo planejado para continuarem oferecendo condições à produção. 

Os baixos teores de matéria orgânica (menor que 1%) agrava ainda mais essa situação. 

A deficiência de água em solo arenoso é um fator agravante para a produção agrícola, pois apresenta uma drenagem excessiva devido à sua constituição de areia e pequena retenção de água, favorecendo a lixiviação de nutrientes.

Outra dificuldade é sua baixa capacidade de retenção de cátions, assim como também é comum encontrar saturação acima de 50% de alumínio tóxico, o que pode resultar em produções baixas. 

Mas uma das maiores limitações dos solos arenosos quanto à utilização agrícola é que são propensos à erosão, ainda mais quando comparados aos solos argilosos e, principalmente, em relevo suave-ondulado ou ondulado. 

O processo erosivo inicia no momento em que esses solos são desmatados ou utilizados pelo gado. 

Se ocorrer nas cabeceiras de vertentes ou margeando os mananciais, a erosão tende a desenvolver voçorocas. 

Em solos arenosos a mecanização só é viável em áreas de relevo plano, devido a esta propensão à erosão. Assim, recomenda-se restringir operações mecanizadas com grande potência.

Como recuperar a fertilidade do solo arenoso?

Solos arenosos não são sinônimos de solos inférteis ou improdutivos, eles apenas são mais sujeitos à deficiência nutricional e reduzida quantidade de MO, uma vez que este fator está relacionado à rocha de sua formação e à ação de fatores climáticos, como o intemperismo. 

Devido a isso, é indicado a aplicação de resíduos vegetais e adubos orgânicos (bagaço de cana, bagaço de coco e estercos de animais) com fosfato e potássio.

Sobre a acidez, recomenda-se adição de calcário com objetivo de aumentar o pH, neutralizar o alumínio tóxico e também auxiliar na disponibilização de cálcio e magnésio. 

O indicado é que a adubação seja feita de forma constante, parcelada e equilibrada, sendo necessário coordenação e análise de solo das condições locais, da cultura, da cultivar e dos resultados esperados.

Dicas para sucesso produtivo em solos arenosos 

Com a utilização de novas práticas de manejo sustentável e por meio da tecnologia, as áreas de solos arenosos estão entrando no sistema produtivo e conseguindo mostrar o seu potencial. 

A seguir elenco algumas estratégias de manejo que vão melhorar e facilitar o sucesso em solos arenosos:

Sistema de Plantio direto (SPD)

Com objetivo de preservar o solo, o plantio direto vem sendo uma ferramenta necessária para a utilização produtiva de solos arenosos. 

Este sistema permite a conservação do solo e da água por meio de práticas que:

  • Minimizam a erosão; 
  • Aumentam a retenção de água e nutrientes no solo; 
  • Melhoram os atributos biológicos do solo; 
  • Reduzem os picos de temperatura no solo; 
  • Diminuem a infestação de plantas daninhas; 
  • Permitem maior agilidade operacional nas atividades agropecuárias. 

Além disso, nesse sistema se consegue elevar os teores de matéria orgânica do solo, aumentando assim sua capacidade de troca catiônica e retenção de água – características correlacionadas ao sucesso produtivo. 

solo arenoso

Cultivo de soja em plantio direto

Solo Arenoso – Adubação verde 

A utilização de adubos verdes e/ou plantas de cobertura em solos arenosos faz toda a diferença quando se quer resultados produtivos. 

A adubação verde consiste no uso de plantas, podendo ser gramíneas ou leguminosas, visando a proteção superficial dos solos bem como a melhoria das condições físicas, químicas e biológicas do solo. 

As plantas que estão sendo bastante empregadas em solos arenosos são as gramíneas milheto, brachiaria e panicum, por conta do grande aporte de palhada e por terem um sistema radicular bem agressivo. 

Mas ainda é utilizado as crotalárias e o feijão guandu, pois da mesma forma apresentam um bom aporte de palhada e, além disso, fixação biológica de nitrogênio. 

Fazendo a utilização da adubação verde, os solos arenosos ficam menos propensos à erosão, com aumento do teor de matéria orgânica e de nutrientes. 

adubação verde

Criamos um catálogo gratuito de espécies de adubos verdes para você consultar e ver os benefícios de cada espécie. Clique aqui para baixar.

Sucessão e consórcio de cultura

Sendo que a decomposição dos materiais vegetais ocorrem de maneira distinta por causa da composição dos mesmos, a sucessão e rotação de culturas aparece como uma estratégia essencial na manutenção de palhada em solo arenoso. 

Palhas de leguminosas tendem a decompor mais rapidamente devido à baixa relação carbono/nitrogênio, mas por outro lado são ricas em nitrogênio. 

Já as gramíneas, apresentam uma palha que fica por um longo período sob o solo, porém são mais carentes em nitrogênios, ou seja, possuem grande quantidade de carbono em sua constituição. 

Assim, vêm sendo empregado as seguintes sucessões:

  1. Soja na safra, seguida de milho+braquiária na safrinha (consórcio). A soja fornece o aporte de nitrogênio para as duas culturas posteriores. Em seguida, o milho é colhido e a braquiária pode se desenvolver melhor sendo aporte de cobertura do solo para a próxima safra. 
  2. Soja na safra, seguida de pastagem+guandu (consórcio). Nesse sistema, a pastagem consorciada com guandu favorece sua qualidade nutricional e física do solo promovidas pela leguminosa.
solo arenoso guandu

Aspecto do guandu com 60 dias pós-plantio
(Fonte: Embrapa)

Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (ILPF)

Pensando em manejo sustentável, muitos produtores vêm utilizando o sistema ILPF para garantir uma produção de sucesso.

Diferente do que ocorre em monocultura, a interação de atividade agrícola e pecuária na mesma área resulta em aumento de produtividade, pois existe uma sinergia entre ambas. 

Nesse sistema, as principais vantagens são: 

  • Manter a fertilidade
  • Contribuir para evitar o aquecimento excessivo do solo; 
  • Reduzir as perdas de água por evaporação;
  • Servir de barreira física para evitar a entrada de fungos causadores de doenças; 
  • Conforto animal. 

A manutenção desse sistema em solo arenoso consiste basicamente em mantê-lo permanentemente vegetado, com ciclagem de nutrientes e de raízes ao longo do ano para promover a construção física e química do solo.

Conclusão

Neste artigo abordamos o que são solos arenosos e quais as suas limitações quanto à utilização agrícola. 

Vimos como lidar com com suas deficiências nutricionais e quais cuidados devemos ter quanto ao cultivo nesse tipo de solo. 

Ainda demos dicas de como manejá-lo com o enfoque no manejo sustentável e integrado. 

>> Leia Mais:

Rochagem: como essa prática pode beneficiar sua lavoura

Como evitar e corrigir a compactação do solo na sua propriedade

Como fazer o manejo e a correção do solo alcalino

Você tem solo arenoso em sua propriedade? Como faz o manejo para um cultivo sustentável? Se restou alguma dúvida, deixe nos comentários abaixo.